PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Assim… Ambos assim, no mesmo passo,
Iremos percorrendo a mesma estrada;
Tu – no meu braço trêmulo amparada,
Eu – amparado no teu lindo braço.

Ligados neste arrimo, embora escasso,
Venceremos as urzes da jornada.
E tu – te sentirás menos cansada,
E eu – menos sentirei o meu cansaço.

E, assim, ligados pelos bens supremos,
Que para mim o teu carinho trouxe,
Placidamente pela vida iremos,

Calcando mágoas. Afastando espinhos.
Como se a escarpa desta vida fosse
O mais suave de todos os caminhos.

Deixe uma resposta