8 pensou em “SÓ PRA PROFISSIONAIS

  1. O ódio faz companheiros estranhos.

    Bolsonaristas e Petistas estão unidos ao centrão e aos ministros do STF em seu ódio por Sérgio Moro. A vingança está em votação no STF hoje.

    Quem terá a coragem de comemorar o enterro definitivo da Lava-Jato?

  2. Sérgio Moro hoje paga pela sua soberba.

    Em determinado momento eu achava ele um herói nacional vivo. Confesso que eu e milhões de brasileiros fomos tolos.

    Nenhum herói coloca sua biografia em primeiro lugar, aliás um herói de verdade pouco se importa com o que vão dizer dele depois; ele simplesmente faz o que tem que ser feito.

    As mensagens criminosas vazadas foram muito reveladoras. Revelou a soberba dos agentes da operação Lava Jato.

    Moro e os procuradores da LJ são uma decepção. Seu futuro hoje importa menos que o futuro do Brasil.

    • Em primeiro lugar, curioso para saber como Moro “coloca sua biografia em primeiro lugar”.

      Em segundo, curioso para entender como Moro não “fez o que tem que ser feito”.

      Em terceiro, curioso para saber se a Torcida Organizada do Bolsonaro vai ter a coragem de comemorar o fim da Lava-Jato apenas pelo ódio a Moro.

      • Marcelo, não há “ódio a Moro” e sim decepção.

        Quando ele saiu do governo, O Antagonista sabia em detalhes tudo o que iria acontecer desde quarta e a saída foi na sexta (24/04/20). Deu tempo de informar ao acionista Empíricus que haveria um terremoto no mercado e aproveitar muito.

        Moro disse com pompa e circunstância que saia para preservar sua Biografia, logo em seguida estava trabalhando para a Empíricus via Antagonista e uma empresa que presta serviços à Odebrecht. Isso não é ódio, são fatos.

        Sair para preservar a Biografia? Saiu para lucrar e seguir carreira, tentando a candidatura em 2022 (seu direito), mas não pela Biografia.

        Quando alguém vira herói de um país, ele não pensa na biografia e sim no país e faz o que tem que ser feito (inclusive se sacrificar) pensando na coletividade e não em si.

        Não tem que se comemorar o fim da LJ e sim lamentar que seus integrantes não estavam pensando no bem da nação e sim em suas carreiras. O combate à corrupção (e houve) foi sim direcionado. Quiseram criar provas contra Bolsonaro para barrar sua ascensão que no início de 2018 já era irreversível.

    • Moro foi o Juiz da Operação Macuco, contas CC5, investigações em NY, força tarefa americana nas investigações, final da era FHC, Lula assumiu e mandou abortar as investigações das contas, os mesmos doleiros, houve condenação apenas dos doleiros, no Congresso houve a CPI do Banestado com Rodrigo Maia e cia….após o caso, Moro pede licença e vai para NY fazer um curso sobre crimes financeiros e lavagem de dinheiro com os mesmos investigadores de NY, voltou e assumiu a 13 ª Vara de Justiça no Paraná, iniciou a Lava Jato prendendo o mesmo doleiro da Operação Macuco, o resto todos sabem ou nem tanto, tem os foros privilegiados….. Se ele escrever um livro e contar tudo com números das contas, sei não, seria demência, ou não?

  3. Prezados amigos,

    Da mesma forma que eu continuo considerando Chico Buarque como sendo um dos maiores poetas da língua brasileira, e me emociono de ficar entalado ao ouvir “Mulheres de Atenas”, apesar da sua imensa imbecilidade ao apoiar a cleptomania do PT; continuo considerando o juiz Sérgio Moro um dos grandes homens que já surgiram nesta nação.

    Só que ele é humano! As imensas babaquices que cometeu, quando no governo, muito especialmente ao ser defenestrado, não diminuem um centímetro da admiração que lhe tenho.

    Vamos dar a César o que é de César?

    • Admirado Adônis,

      Divirjo quanto ao Chico Buarque e ao Moro, ambos aproveitaram um momento, criaram um mito e se revelaram uma farsa.

      Já fui muito fã de ambos e a decepção foi tão grande quanto a admiração que tinha

      Não consigo separar o homem da figura pública, não no aspecto do pensamento e das ambições.

      Talvez eu separe o Pelé, o mito do Edson Arantes, que só fez KHdas. Porém em áreas diferentes e Pelé realmente foi o Pelé, inigualável. Agora, o cidadão Edson Arantes do Nascimento, este…mas nunca foi esquerdista.

Deixe uma resposta