CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Sexta-feira 1000 (congratulations)

Em algum momento do século passado eu fiz parte dos escoteiros (na época escoteiros eram os homens e bandeirantes as meninas). Período de muito e abrangente aprendizado. Saudades.

Fazíamos acampamentos e, no encerramento, tínhamos o “fogo de conselho” onde nos reuníamos em volta do fogo e cantávamos a Canção de Despedida. Se alguém quiser ouvir a canção existem vários vídeos no YouTube.

A letra :

“Porque perder a esperança de nos tornar a ver
porque perder a esperança se há tanto querer

Refrão …

Não é mais que um até logo
não é mais que um breve adeus
bem cedo junto ao fogo
tornaremos a nos ver
Pois o Senhor que nos protege
e nos vai abençoar
um dia certamente
vai de novo nos juntar

Refrão …

Esta letra trago gravada na memória e quando necessito ficar afastada por um período (seja qual for o motivo) ela me reconforta pois sei que “o trem que chega é o mesmo trem da partida” e vice-versa.

Os reencontros são sempre gratificantes (viu Cícero). Trazem novidades, espírito revigorado e muitos abraços carinhosos.

Tempo? O necessário. Alguns precisam de mais tempo, outros menos, quem sabe?

E certamente sentiremos muita falta do que deixamos … sempre o amor …

Falando em partidas gostaria de deixar aqui um poema de Carlos Drumond de Andrade em homenagem para nosso Acácio Sabugueiro – Miolo de Pote que está de partida para a Itália.

Que essa empreitada seja inundada de felicidade é o meu desejo pra você e sua família. Estaremos aguardando ansiosos suas colunas assim que possível. Novamente … o tempo.

“Mande notícias do lado de lá …” … sempre o amor ….

“O tempo passa ? Não passa “

O tempo passa ? Não passa
no abismo do coração.
Lá dentro, perdura a graça
do amor, florindo em canção.

O tempo nos aproxima
cada vez mais, nos reduz a
um só verso e uma rima
de mão e olhos, na luz.

Não há tempo consumido
nem tempo a desperdiçar
o tempo é todo vestido
de amor e tempo de amar.

O meu tempo e o teu, amada,
transcendem qualquer medida.
Além do amor, não há nada,
o amor é o sumo da vida.

São mitos de calendário
tanto o ontem como o agora,
e o teu aniversário
é um nascer a toda hora.

E nosso amor, que brotou
do tempo, não tem idade,
pois só quem ama escutou
o apelo da eternidade.

Que passe rápido o tempo que necessito …

Até breve se Deus assim permitir … lembrem-se sempre do amor e de amar … e, DE TODOS OS TIPOS DE AMOR …

“Amar ? Para quê ? Por um tempo, não vale a pena. E, para sempre, é impossível “. Alexander Pushkim.

Mentira… Amar sempre vale a pena. E o “pra sempre” é agora. Não sabemos o próximo segundo.

Que cantem todos para todos os fubânicos fantásticos!!! (Pra tu também Berto)

***

(Almanaque “FF” após o último comentário no domingo passado será repensado. Ninguém merece)

12 pensou em “SCHIRLEY – CURITIBA-PR

  1. Bom dia para quem for do dia!

    A volta da Diva Schirley com a sua alegria para nossa alegria.

    Bolsonaro mirou o supremo tribunal de favores com a pajaraca de Polodoro e acertou no furico de Xandão!

    Abraçaço e xêraço à Diva Schirley que volta com seu carinho de mãe amada.

    • Cícero querido,

      Achei que nesta semana eu já estaria afastada por um período. Até domingo ainda poderei dar um pitaco aqui, outro ali.
      A partir da próxima segunda as coisas mudam um cadinho.
      Mas (limitado) depois de tudo serenado voltarei com certeza.

      Beijão e bom final de semana.

  2. Como diria o Di,
    “Ci vediamo domenica”

    A domingueira veio brincar na sexta-feira; possivelmente tomada pelo espírito carnavalesco e orgulhosa do feito do Jair, no dia de ontem, que fez um golaço.

    Lembrará Berto que gente talentosa tem espaço em sua gazeta todos os dias, mas (sempre há um), o que será do pobre domingo, se ficar apenas à mercê da titânica fúria adônica, sem o contraponto da doçura da moça das araucárias?

    Não sei quem disse, mas está entre minhas frases favoritas: Vivemos a vida como se ela fosse interminável; mas entre a meninice e a velhice há um pequeno intervalo de tempo.

    I vamu qui vamu

    • Brincar. Será ?

      De repente, num piscar de olhos e quando menos se espera, você percebe que a vida realmente não é interminável.
      E isso não é brincadeira.
      Até domingo ainda poderei dar um pitaco ou outro. Depois ? O tempo (que dizem ser sábio) e Deus me darão a resposta.

      Que seja um “até breve” Luiz Carlos Sancho Pança.

      PS – Golaço de Bolsonaro !

    • Sancho, Schirley é uma Diva.

      Por isso a amamos tanto.

      No coração dela há sempre um espaço guardado a todos nós, com afeto!

      Abraçaço.

      Ótimo final de semana para o mestre!

  3. Carissima Duchese ,

    ‘ Nada Antes , Nada Depois.
    Tudo no tempo de Deus.’

    Ti aspettiamo sempre ogni domenica !!

    Abraçoção !!

  4. Schirley, “A Inspiração”:
    Como é bom saber que você está vivinha da silva, livre, leve e solta!
    É muito gostoso ler suas letras.
    Tenha um final de semana tão delicioso como as coisas que você escreve.
    Um beijão estraloso,
    Magnovaldo

  5. Almanaque “FF” está um amor!

    Você continua linda, Schirley!

    Não faço ideia do (s) motivo (s) do seu afastamento por uns dias desse espaço dezassombrado, onde você é a Diva. Não brilha mais do que Vivi, mas as duas se equiparam no caráter, na inteligência, na efetividade e na maneira de fazer e preservar os amigos da confraria.

    Minha avó materna Dona Dinda (encantada aos 91, sorrindo), dizia sempre: esteja sempre alegre. Isso atrai fluidos bons. Nunca deixe de amar e não deixe que o ódio, a mágoa e a inveja invadam seu coração, porque você já está derrotado.

    Vó Dinda do rabão, eu te amo. Ela adorava quando a gente dizia que ela tinha um rabão!

    Schirley, você está linda hoje na sua coluna.

    Por isso é que a xêro e abraço com toda força do amor que há dentro de mim!

    Vá, mas volte logo! No seu coração cabe todos nós!

Deixe uma resposta