CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

“Balas Zequinha”. Longe de mim mas (como viver sem ele) não posso, não devo, não quero e não vou ficar calada. (Já assistiram o vídeo do Gayer – O vídeo da semana?)

Gayer coloca um “nanoexemplo” (inventei isso?) do que está acontecendo no mundo.

Não estou aqui em uma cruzada pessoal. Também não sou de opinião fácil para aceitar argumentos falhos, pouco esclarecidos, questionáveis sobre a “terapia genética experimental”.

Só não esperava, mesmo, que meu país e seu povo dobrassem seus joelhos sem nenhum questionamento. “Tem que tomar e pronto”.

Deveriam ver a polícia francesa jogando algemas no chão gritando: DEMISSÃO e se juntando ao povo na recusa (um direito) de tomar a “vacina experimental” após começarem a perceber as centenas de mortes e sequelas dos “imunizantes” que não imunizam.

O povo está acordando. Em número muito reduzido ainda.

O que eu realmente não esperava era ver, mais uma vez, o STF atropelar a constituição com o “passaporte sanitário”.

Faço a mesma pergunta que fez Augusto Nunes ao Barroso: BASEADO EM QUE?

Basta pararmos por alguns minutos para perceber que estão implantando no mundo um “muro de Berlim invisível” separando os vacinados dos não vacinados.

Tolhendo absurdamente (e forçosamente) em vários países o direito de escolha.

Façamos a pergunta (e pesquisemos mesmo que superficialmente) o porque de tantas doses de reforço? O que realmente é essa “experiência, quais as consequências , etc, muitos etcs”.

Meu filho, que mora fora do país, já estava com tudo preparado para vir ao Brasil em Janeiro. Não vem mais pois exerce seu direito de não tomar a vacina.

Como eu estou diante da impossibilidade de poder abraçar meu filho ?

Respondo: Defendendo com unhas, dentes, fígado e coração o direito dele de escolher.

O meu país exigindo “passaporte sanitário”. Não aceito. Colocando pessoas contra pessoas como aconteceu no nazismo sem Hitler dar um único tiro. O medo, a mentira.

Chegaremos, caso nada seja feito, ao ponto de ver nossos cidadãos fazendo o que fizeram na Alemanha (Arquivo da Stasi em Berlim – hoje transferido para o Arquivo Nacional da Alemanha), cidadãos (centenas e centenas) se cadastrando escondido como espiões para denunciar seus compatriotas. Assintam o vídeo do Gayer. “Se você não está vacinado não pode estar aqui”. Mas os vacinados estão imunes ?

Estamos no mesmo nível: Uma insanidade coletiva.

Isso me assusta.

19 pensou em “SCHIRLEY – CURITIBA-PR

  1. Concordo plenamente com a Schirley, em grau, gênero e número!
    Não podemos permitir que a insanidade tome conta do nosso país, meu Deus!
    Como podem pensar em exigir que nos vacinemos com uma vacina criada em dois meses, quando sabemos que o tempo para se fazer uma vacina eficaz pode levar até 8 anos??
    Isso é um crime contra a humanidade!!
    Deu a louca no mundo, definitivamente??
    Quem está por detrás disso?
    Socorro!

  2. Pois é Schirley, é o STF implantando à olhos vistos o semipresidencialismo. Decretando, deliberando, determinando… se o próprio congresso (representantes do povo) dobra os joelhos para que o STF legisle, qual a função, então, dos parlamentares???

    Receberem para se furtarem à tarefa a que foram “selecionados e eleitos pelo povo” e receberam mandatos nossos??? Estão ganhando salário sem trabalhar(legislar)?

    Mas, espere! O semipresidencialismo não é uma espécie de governo compartilhado com o legislativo?

    Por não terem se vacinado, empresários estão fadados a condenação (por revelia) – Justiça do trabalho e comum – pois só adentram nos Tribunais quem estiver com o bendito passaporte sanitário.

    É phoda.

    Está sacramentado que não temos povo, apenas plateia.

    • Marcão,

      Sacramentado está…

      Hoje o Brasil economizaria considerável quantia (e bota bilhões nisso) se deixassem de existir os poderes executivo e legislativo, pois quem está a mandar na praça dos 3 poderes é única e exclusivamente a turma da toga, tornando-se, portanto, o presidente e os parlamentares totalmente inúteis e caros acessórios nesta estranha composição de democracia que vivemos.

      Isso me fez lembrar o Paulo Boca Torta que possuía 5 vira-latas em sua chácara em Atibaia e só resolveu o problema de furtos quando demitiu os vira-latas e colocou no lugar um Rottweiler de tamnho descomunal, que chamou de Gorr, o Carniceiro dos Deuses, fixando no portão da propriedade: “Este cão não faz prisioneiros”.

      O rei está morto? Viva o rei…

      Abraçação, Marcão…

  3. Concordar com essa arbitrariedade significa autorgar ao estado o direito sobre a integridade do indivíduo… Um treinamento de controle social muito perigoso… Hj eles obrigam a vacina… Amanhã ninguém sabe o que irá que ter de obedecer! Estamos entregando a nossa liberdade de escolha!!!

  4. E Barroso determina que brasileiro que saiu do país depois de 11 de dezembro não pode retornar sem vacina.
    E a “platéia” aplaudindo e pedindo BIS.
    Para Anita, Marcos e Sabdro.
    Achei que teríamos muito mais comentários a respeito. Não pra mim.
    Para a vergonhosa situação.
    Abraços

    • Doncella de Orleans y Doncella (???) de JBF.

      Achastes que teríamos muito mais comentários a respeito. Ora, minha cara, os velhinhos do JBF tremem de medo (quem tem …, tem medo) dos “Men in Black” em suas vistosas togas e de um Uber Black da PF às 6 da matina na porta.

      Já Sancho só não comentou antes em virtude de só agora ter visto sua postagem… Perdóname.

      Sancho, se lo lleva la corriente, eso es inaceptable. Eis um rio perigoso, mas (sempre há um), tomo fôlego e mergulho…

      E lá foi Schirley remando contra a corrente, inventando “nanoexemplos”…Explica a moça, para que não a comparem com Giovanna D’Arco, que “Não estou aqui em uma cruzada pessoal”; além do mais Jeanne d’Arc guiava-se por visões divinas do arcanjo Miguel, de Santa Margarida e da Santa Catarina (não se trata da mãe de Sancho, pois “mamacita” santa é, mas a Kathy de Sancho é com TH.), enquanto a “nossa” curitibana guia-se pela raiva, revolta, impotência (ao ver as portas da Nação fechadas para a entrada do feio filho e da bela dinamarquesa) diante do que ocorre no Brasil de agora.

      Como culpar uma leoa defendendo o direito de ter o abraço da cria? Joana d’Arc é atualmente uma dos nove padroeiros da França; quanto à nossa Juana de Arco, ops, Schirley do Arco, está aqui neste JBF armando-se de palavras com as quais anda a fazer certeiras flechas a incomodar o sono da turma do contra (sim, eles existem até no JBF).

      Longe de mim mas (¿Cómo vivir sen ella?) não posso, não devo, não quero ficar sem texto de Schirley…

      Sempre, até sempre e a água deste rio está gelada…

      • Bom dia nobre,

        Começa bem Alexandre Garcia hoje.
        A revolta não é só minha. Muito menos como mãe leoa.
        Prefiro ficar sem abraçar meu lindo filho de lindos olhos azuis a vê-lo cedendo ao sistema. É um direito dele.
        Hoje recebi um vídeo falando sobre o governador de Rondônia e seu feito. Só não vou abraçá-lo devido a distância.
        Homem de garra.

        Falamos em “liberdade”.
        Você quer exemplo maior de que não temos mais liberdade ?
        Fronteiras fechadas não me preocupam.
        O que realmente me enoja (a ponto de fazer como Berto e procurar um penico) são as arbitrariedades todas do STF. Essa do Barroso não tem embasamento algum.
        Pergunto: estão cá no Brasil todos vacinados ? Inclusive nosso Presidente ?

        Poucas flechas tenho eu. Mas fôlego bastante contra o que não é certo. Gelada a água ou não. Perigosa a correnteza ou não.

        O silêncio dos que se dizem justos é preocupante.

        Dominados por medo de um bando de urubus.

        Até sempre, sempre

        • Schirley,

          Gelada a água ou não. Perigosa a correnteza ou não, disse a destemida moça de Curitiba. Aplausos…

          Assim disse o cabra que solucionou o paradoxo da informação: “O paraíso é um conto de fadas para pessoas com medo do escuro.”

          Até sempre, sempre com a gelada a água ou não; mesmo sendo perigosa a correnteza ou não.

  5. Obrigada, Sancho, pelas palavras legais!! Adorei!
    Anita, pra vocês, ok?? sem o “senhora”, apesar dos meus 73!
    Só peço pelamordedeus: com um” tê” só!
    Ser confundida com aquela nobre senhorita, mesmo que apenas pelo nome, é a morte pra mim!!!!
    Quanto ao tema comentado acima, continua atual e ameaçador como espadas pairando sobre nossas cabeças!
    Não sei até quando veremos essa queda de braços, só sei que não podemos deixar cair a peteca, precisamos continuar pondo a boca no mundo contra a opressão dos que tudo fazem pra conseguir o domínio total sobre nós!
    Tempos bicudos, meus queridos!!!
    Abraço a todos!

    • Bella Driemeier,

      Só peço pelamordedeus: com um” tê” só!

      E foi pela confusão com a de dois “tês” que manterei o Driemeier, pois seria maravilhoso que todas as “anitas” fossem iguais a você.

      Tempos bicudos, minha querida!!!, tão bicudos que rebolar a bunda anda a fazer mais sucesso do que saber cantar… kkkkkkk

      Neste JBF tão testosterônico é maravilhoso quando “as meninas” dão o ar de sua graça.

      Até sempre, bella.

    • Prazer em conhecê-la AniTa.o menino dos cocos sempre galanteador.
      Comparo-o ao elegante Zorro.
      O primeiro.
      Como diz Sancho. O JBF anda muito “testosterônico”. Nós, mulheres, estamos anos luz à frente. Hehe.
      Apareça mais vezes.

      Beijão

  6. Sancho,

    Ainda bem que entre todos os defeitos que tenho não tenho o de ser possessiva

    Acha Sancho que o Furacão derruba a crista do Galo hoje ?

    Eu não tenho estrutura para assistir o jogo.

    Congelando mas (!!!) nadando

    Agora e até o infinito.

    • Cara Schirley,

      Em sua “coleção” de defeitos”não tens o de ser possessiva”… A frase carece de maiores esclarecimentos, pois a peguei em minhas mãos e mesmo tentando achar o espaço, não a encaixei em nenhum contexto. Virei até do avesso mas não enxerguei lugar para tal frase.

      Ah, os defeitos… quem não os tem?

      Estive in loco no antigo Palestra Itália, campo do Palmeiras, no ano de 2000 (Copa Mercosul – DECISÃO), num 20 de dezembro, quase 21 anos se passaram, vendo o meu Vasco terminar o primeiro tempo daquela decisão perdendo de 3 a zero para o Palmeiras. E no final a festa foi cruzmaltina…Romário não perdoou … 4 a 3 para o Vasco.

      Creio que todo vascaíno que ao jogo assistiu, seja de onde for, não acreditou no que seus olhos viram.

      A missão do Huracán beira ao impossível, pois no ótimo elenco do rubro-negro falta a vocês um Romário. O cara que desiquilibra quem possui é o Galo; falo do tal Hulk.

      Mas (ei-lo), o jogo só acaba quando termina. Um gol rubro-negro nos cinco minutos iniciais incendiaria o Caldeirão, pois aproveitemos que sonhar ainda não paga imposto.

      Agora e até o infinito, passando pelo apito derradeiro do árbitro na noite de hoje.

      • Sumiram os demais comentários entre Sancho e Schirley.

        Mágica ?

        Erro do Bartolomeu ?

        Gostaria de ter os comentários todos de volta.

        Ou alguém solicitou que fossem retirados ?

        Isso não está correto.

  7. Boa noite Sancho,

    Você solicitou a retirada de alguns comentários ? Algum problema ?

    Estou estranhando o “desaparecimento” de várias conversas.

    Aguardo seu retorno pois deve chegar pra você por email, OK ?

    Abraçação

    • Sancho não solicitou a retirada de qualquer comentário. Sim, teve problema. Problema com todo o sistema de edição do JBF. Não estranhe o “desaparecimento” (assim mesmo entre aspas) de várias conversas. Despareceu também meu sossego há várias horas. Vamos torcer e fazer uma corrente positiva pra que tudo se resolva hoje. Inclusive pra que eu volte a acessar o JBF através do meu celular. Coisa que eu (e também muitos leitores) não estou conseguindo fazer neste momento, 5:43 hs desta sexta-feira. Bom dia.

Deixe uma resposta