CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Domingo é dia, de pescaria …

Um certo nobre que sofre de insônia crônica (e adora cocos) resolveu ler Fiódor Dostoievski no original. Atrevido e corajoso.

Não tendo a mesma audácia lembrei que também nosso Português não é para amadores. (a minha lindíssima nora dinamarquesa está tentando aprender nossa língua) Assim sendo, resolvi repassar o texto abaixo:

Um poeta escreveu:

“Entre doidos e doídos, prefiro não acentuar”.

Ás vezes, não acentuar parece mesmo a melhor solução.

Eu, por exemplo, prefiro a carne ao carnê.

Assim como, obviamente, prefiro o “coco” ao cocô.

No entanto, nem sempre a ausência do acento é favorável …

Pense no cágado, o ser vivo mais afetado quando alguém pensa que o acento é mera decoração.

E há outros casos, claro !

Eu não me medico, vou ao médico.

Quem baba não é a babá.

Quem bebe não é o bebê.

Fui á secretaria falar com a secretária.

Será que a romã vem de Roma ?

Seus pais vieram do mesmo país ? (no caso do nobre não)

A diferença na palavra é um acento ou a escrita. Assento não tem acento.

Embaixo é junto, em cima é separado.

O mês de seria quente o suficiente para usar maiô ?

Quem mais encanta ? A sábia ou o sabia ?

Será que Pelé tem algum problema de pele ?

Nada em comum entre camelo e camelô.

Você sabe o que aquela fábrica fabrica ?

Tudo que se musica vira música.

Será melhor lidar com as adversidades da conjunção “mas” (ei-lo) ou lidar com pessoas más ?

Falando em mas, quem escreve mais ou mas achando que tanto faz, erra demais.

Mas, se prestar atenção, não errará mais.

E, poderá enfim, escrever mais ou mas na mais santa paz.

Será que tudo que eu valido se tornará válido ?

E, entre o amem e o amém, eu fico com os dois.

Na sexta, comprei uma cesta logo após a sesta.

Essa é a primeira vez que tu não o vês ?

Vão tachar de ladrão se taxar muito alto a taxa da tacha.

Asso um cervo na panela de aço que será servido pelo servo.

Para dar início ao Concerto precisaram fazer um pequeno conserto no palco.

Uma mulher vivida é sempre mais vívida, profetiza a profetisa.

Calça você bota (? ), bota você calça.

Oxítona é proparoxítona.

Na dúvida, se você duvida, verifique se o público entendeu o que aqui publico.

Ufa, deu. O texto já está longo mas serve para mostrar a importância da acentuação, dos parônimos e homônimos. Repetindo:

O Português não é para amadores.

… vamos sair de caniço e samburá.

21 pensou em “SCHIRLEY – CURITIBA-PR

  1. Ah, garota rubro-negra,

    Domingo é dia, de pescaria e festa rubro-negra no Mineirão (e na capital dos curitibanos) … como discordar?

    Projeto Caniço & Samburá by Schirley

    Um certo adorador de cocos e “discutíveis” textos, que sofre de insônia crônica, enquanto lia Fiódor às margens da Guarapiranga, deixou o russo de lado e foi ler a curitibana.

    Já sabedor que nosso “portuga das salas de aula” não é para amadores e anda a complicar a vida até das dinamarquesas (como é difícil ser feio quando se nasce em terras tão geladas), que tentam se aventurar por Camões e Pessoa, iniciamos a leitura schirleyana e só paramos no ponto final, com aquela vontade de perguntar: Quando teremos mais? Mas (esperançoso e afirmativo mas), virão muitos outros em um JBF pertinho de você.

    Sigamos, pois é um tesouro o texto que nos oferta Schirley…

    Há “mais mas” em certos textos do que sonha nossa vã filosofia.

    O “português” realmente não é para amadores, como comprovam os exames onde nossos estudantes teimam e se especializaram em tirar péssimas notas, como ENEM, ENADE, PROVÃO, PISA e um largo “etcétera” de exames e testes educacionais… Ficamos, conforme as avaliações estacionados entre o QI de ameba, do bagre e o da lagosta.

    Estamos, infelizmente, presos na teia do analfabetismo funcional, enquanto no som altíssimo tocam aquelas músicas que só servem para rebolar a bunda em coreografias de acasalamento…

    Uma frase de Mainardi que me marcou, dita em um época que o “diogo” era DIOGO (a frase é mais ou menos assim): “Os filhos dos pobres aprenderiam muito mais se ficassem o dia inteiro assistindo a reprises do Scooby-Doo na televisão”. Trocaria Sancho a frase, dizendo que os ricos, os remediados, os pobres e seus filhos aprenderiam muito mais se frequentassem o JBF, conforme texto da rubro-negra curitibana ensina.

    … vamos sair de caniço e samburá enquanto não “pinta” no JBF outra crônica da lavra de Schirley.

    Ah, e antes que me esqueça, sem arriscar prognóstico, estarei, hoje à tarde (domingo não há cocos), cerveja à mão, torcendo e muito por uma gente que se veste em rubro-negro na terra das araucárias.

    • Cá estou. Com a face mais rubra do que o rubro da camisa do meu rubro-negro. Reflexo da camisa ( amanheci de vermelho e preto ) ?
      Não, definitivamente não.
      O nobre foi quem provocou o rubor com seus exagerados elogios.
      Mas (olha ele aí) está explicado o exagero de Sancho.
      Hoje não é dia de cocos. Crise de abstinência. Sabemos que abstinência causa delírios dos mais variados, hehe.
      Represa de Guarapiranga. Que sossego.

      Falando em JBF, o Berto já deixou a edição de hoje pronta ontem no final do dia.
      Hoje ele está feliz. Confraternização de um monte de vagabundos (palavras do próprio) na casa dele. Farto almoço de cardápio nordestino (ele me mandou o cardápio e é de dar água na boca). Vai ter trio de forró.
      Vem gente do RN, da Paraíba e de … Palmares.
      Pena foi não poder ter ido até lá. A “zorra” deve estar grande.

      Mainardi. Bons tempos em que era Diogo. Hoje nem tenho notícias dele, do Mário, do Cláudio. Uma pena.

      Agora o ASSUNTO do dia ! Meu Athético !
      Chegando a hora e muitos foguetes por aqui desde já.
      Friozinho na barriga mas estarei também com uma cervejinha gelada para brindar com Sancho assim que a bola começar a rolar.

      Abraço

      • Hoje joga o vosso Huracán,

        E que o brinde se estenda para a festa 90 minutos depois,ao apito final… Calaremos o Mineirão? O futuro dirá…

        E lá pela sede do JBF… Confraternização de um monte de vagabundos (palavras do próprio) na casa bertiana.. Felizes como “pinto no lixo”, como dizia minha amada Catharina.

        E por aqui o caminhoneiro divide o apartamento apenas consigo mesmo, pois Quesli foi para o Rio de Janeiro e lá ficará até o dia 23, com a missão de adestrar o cão de minha filha, um lindo american bully negro. Coisas do viver…

        Sempre,para além do sempre

        • Chuva no Mineirão. Bom pra nós.
          Aqui ameaçando.
          Eu tinha nove cãezinhos. Sete Yorkshire e dois” tomba-latas” adotados.
          Agora restam quatro. Três yorks e uma indefinida.
          O cão de sua filha pode ser bonito mas (!) eu não teria um.

          Tim tim
          Vai começar

            • E, na Pampulha… descobriram os paranaenses, pelo pior modo possível, que o dono do galinheiro é bravo e o Galo é Doido. Disse minha sogra que a Tríplice Coroa fica muito bem na Crista do Galo (Campeão Mineiro, Brasileiro e da Copa do Brasil neste 2021).

              Não está morto quem peleia, dizem os gaúchos… Como o jogo na Caldeirão da Baixada só terminará quando acabar, sonhar ainda não custa nada.

              Na España chamam de “remontada” virar um placar adverso, mesmo que seja tão elástico.., Que venha a remontada no dia 15…

  2. Aula muito legal e divertida. Agora, se prepara para ver o Galo Mineiro aproveitar o furacão rubro negro para acender a brasa do galo que, certamente, vai ascender na tabela do campeonato. Um cordial abraço mineiro.

    • Terracota, meu caro, depois da aula muito legal e divertida da Schirley, vamos ao Esporte Bretão, pois não…

      Sabe o amigo do por que a Galoucura e demais mineiros, que sem vestem em preto e branco, chama os de belzonte e adjacências, que se vestem em azul de MARIA? Se não souber, Sancho explica.

      Recorro a Drumond, não o Carlos, mas ao Roberto: Se houver uma camisa branca e preta pendurada no varal durante uma tempestade, o atleticano torce contra o vento…

      Então, caríssimo, prepare-se para torcer contra o vento, pois vai ventar forte na Pampulha e adjacências neste final de tarde domingueira.

    • “Stai calmo” Terracota.
      Sabemos que o jogo só acaba quando ? Quando termina.
      Depois ainda temos a volta no CALDEIRÃO de cozinhar galos.
      Que seja um belo jogo e que vença o melhor. O Furacão claro.
      Como disse Sancho, prepare-se … vai ventar forte na Pampulha.

      Abraço

        • Sabíamos que seria difícil “mas” 4 x 0 ?
          Agora sem chance. Nem no Caldeirão.
          E as azeitonas que moram próximas soltando foguetes.

          Jogo é jogo.

          Sempre, infinitamente.

          • Ah, as azeitonas…

            Lhes resta exercer, como coadjuvantes que são, o papel de torcer contra…

            Há uma afinidade entre torcidas: a Império Alviverde e a Galoucura. Estarão irmanados no dia 15 em Curitiba.

            Sabíamos que seria difícil… Sabemos que não será fácil, mas (sempre há um) em futebol NADA é impossível.

              • Tanto na voz da Whitney ou com a da Dana, ao ouvir, sempre faço uma viagem por meus momentos e por onde o destino guiou minhas escolhas…

                Um´gosto musical apurado como o seu, certamente revela a mulher especialíssima que és.

                Sempre, infinitamente.

Deixe uma resposta