XICO COM X, BIZERRA COM I

Tinha um resto de festa nos jardins do condomínio. Uma sobra de música ainda soava nos meus insones ouvidos. Lagartixas corriam para todos os lados comendo os farelos que sobraram e rãs, alegres e saltitantes, brincavam no friozinho de Gravatá, na grama orvalhada da madrugada do sábado. A noite que se foi deve ter sido muito alegre para aqueles que participaram da festa. O que comemoravam? O aniversário de alguém ou o anúncio do noivado da mocinha da casa 23, que alguns já davam como improvável depois de 9 anos de namoro? Só sei que pedaços de bolo e copos plásticos sujos de bebida se misturavam às plantas denunciando a festa que houve. Que bom que tenha havido algo a comemorar em tempos tão escassos de festejos e tão repletos de males, sanitários e políticos. Ao aniversariante, se é isso que se comemorava, só posso desejar muitos anos de vida pela frente. Ao casal de recém-noivos, se esta tiver sido a motivação da festa, que o casório não demore tanto tempo quanto o namoro demorou daqui até o casamento. A mim, desejo apenas que novamente não me convidem para a próxima festa e que, desta vez, os restos da festa sejam recolhidos antes que a madrugada seguinte chegue. Para minha alegria e tristeza das lagartixas. Quanto às rãs, elas continuarão alegres e saltitantes independente de ter havido aniversários ou noivados nos jardins repletos de orvalho. Um sapo bonachão repousa e cochila à borda da piscina, indiferente a tudo que ocorrera na noite anterior.

* * *

Todos os Livros e a maioria dos Discos de autoria de XICO BIZERRA estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

4 pensou em “RESTOS DA FESTA

  1. Um recado limpo e bem explicadinho, Meu caro Xico. Deveria ser uma leitura obrigatória para os sujos do condomínio, rsrsrs.

  2. Belíssimo retrato de uma festa que já se foi depois de tantos anos de espera.

    Pena que os restos de sujeira tenha ficado espalhado no ambiente proibido à natureza mas sadio para o sapo, as rãs e as lagartixas, que fizeram a festa.

    Abraçaço, mestre!

  3. Pior de tudo, meus caros Ciço e Beni, é que são fatos reais acontecidos em Gravatá (enfeitei só ‘pouquim’). Abraços

Deixe uma resposta