5 pensou em “QUE DIFERENÇA DE BANÂNIA…

  1. A extrema imprensa já disse que ela dá ou deu aula em um colégio que defende casamento tradicional tal qual previsto na religião cristã. A juíza é demais.

  2. Não posso concordar totalmente.
    Não sou jurista nem magistrado, mas se for o caso de aplicar estritamente o que está escrito, para que serviriam os juizes?

    Qualquer cidadão que saiba ler pode proferir uma sentença.

    De qualquer forma há nuances em cada processo que podem levar a diferentes intepretações do que está escrito. Isto leva à multiplicidade de recursos possíveis.

    Mas o que me faz concordar parcialmente com a juiza é um fato que foi noticiado hoje: A sub procuradora geral, Lindôra, recomendou ao STF o arquivamento da ação instaurada contra o Dep Arthur Lira, que foi instalada a pedido dela própria no ano passado. Alegou “fragilidade dos elementos probatórios”.

    Cacildis

    O que ela quer dizer? Que o pedido de impetramento da ação que ELA FEZ estava errado e só percebeu neste mês? Deveria ser demitida por incompetência congênita, então.

    E os quase 100 (ou mais) recursos que o Luladrão fez? A suprema corte doa EUA teriam aceito?

Deixe uma resposta