JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Lilico concluía sua piada com o bordão “pra lá quesse negócio”!

Mais uma vez volto ao sertão, e novamente, ao povoado onde nasci – que, aliás, vivo pensando que nunca deveria ter saído de lá. Penso, também, que minha Avó jamais deveria ter-se encantado. Deveria estar contando as prosas dela, me dando cafunés, criando os passarinhos dela soltinhos e dando a cada um deles um nome de gente – para ela, bicho, principalmente ave, era melhor do que muitos seres.

Se alguém lhe perguntasse: Dona Doca, quem é melhor? Lula, ou aquele urubu?!

Não tenho dúvida que ela responderia:

– Meu bixim, o arubu é muito mais mió, ora! Apois, o arubu come a carniça dele, de bicho que morre. O arubu num rôba!

Pois, essa mesma Dona Doca Buretama, como já foi dito inúmeras vezes, criava patos, galinhas, perus, cabras e bodes como meieira do dono das terras. Ficava com uma parte, e entregava a outra parte para o “patrão”.

Mas, o “patrão” tinha outros moradores, que faziam a mesma coisa. E um desses moradores era o Cícero de Zefa, conhecido como Cicim (ele não aceitava que o chamassem de “Cissim”. Era “Cicim”, mesmo e tamos conversados).

Eis que, certo dia, sem avisar nem nunca ter falado nada, Cicim chegou na casa da minha Avó, com um galo enfiado no sovaco direito. Minha Avó achou que o galo tava com “gogue” e o vizinho precisava de uma meizinha pro bicho.

– Cumade Doca, sei que hoje num é seu niversáro, mais vim lhe trazer um presente. Tô lhe dado inté de papé passado o galo Gegê, com muita saúde, fogoso e bom quisó!

Como no sertão viaja há séculos, o dito popular que ensina: “cavalo dado, num si óia os dentes”, Vovó mandou que ele soltasse o galo no quintal, que de mais com pouquinho ela botava milho pro bicho.

Mas, Vovó ficou matreira com aquele presente. Porque, tão logo soltou o galo no quintal, Cicim foi fazendo meia volta, e pegando o caminho de casa.

Eis que, pra ter certeza que o galo num tava com fome, Vovó foi na camarinha e pegou uma cuia com milho para jogar no quintal. Se o galo estivesse com fome, com certeza procuraria comer.

Mas, o melhor vem agora. Vovó tinha o hábito de dar nome às galinhas que tinha no quintal. E aquela que mais botava ovos, ela dava o nome de umas “fuampas” que ela achava que viviam às custas do Vovô, João Buretama. E, uma dessas galinhas, ela chamava de Maria Francisca, pois a penosa botava dois ovos por dia, e ela achava que era porque os galos viviam “subindo nela”. Tal qual a “fuampa” que não podia ver os trocados de Vovô, e logo se engraçava, fingindo desejo de nhanhar.

Pois, mais parecendo uma águia, “Maria Francisca” tão logo o galo Gegê abaixou as asas e começou a fazer roda, olhando de soslaio, ela conseguiu arranjar forças nunca se sabe de onde, e saiu voando.

Vovó estava no girau, lavando alguns pratos e, ao ver aquilo, admirada, soltou um grito:

– Valha-me Deus! O que qui tá contecendo? Galinha num avua!

Ora, aqui todos sabem que o cruzamento ou a cobertura, ou o sexo, ou ainda a trepadinha entre aves, é feita com as cloacas, sendo que a cloaca do macho é diferente da cloaca da fêmea.

Mas, Vovó, ainda boa das vistas, garantiu que conseguiu ver que Gegê não tinha uma cloaca. Tinha era um “martelo” dependurado naquele lugar. E ela jura que, na linguagem com que se comunicava com as aves dela, a “Maria Francisca” ao ver o “martelo” de Gegê, saiu avuando e até dizendo:

– Pra lá quesse negócio!

Anos depois foi descoberto que Cicim agira de má vontade e por ciumeira, pois o patrão havia concedido mais umas linhas de terra pra Vovó e Vovô aproveitarem na roça.

Eita que ciúme é coisa feroz! Pra lá com esse negócio, siô!

2 pensou em “PRA LÁ COM ESSE NEGÓCIO!

  1. Ramos, sempre bom essas lembranças. No interior a gente sabe que Severino é Biu; Francisco é Chico; Joaquim é Quinca; José é Zé e Manoel é Mané….. Cícero é Cicim….na minha Terra tinha um poeta, se escrevia Cicinho, mas todo mundo chamava Cicim…. Cicinho morava perto da igreja, na lateral que havia três portas. Um dia Dedé Monteiro, outro grande porta de lá, parou pra conversar e a conversa saiu em glosas, cada um dizendo um verso. Uma das portas da igreja virou janela e a conversa começou por Cicinho

    Era porta no passado
    É janela no presente
    Não era porta da frente
    Mas era porta do lado
    O vigário encabulado
    Com que passava por ela
    Enfiou tijolo nela
    Quase que fechava tudo
    Mas depois de muito estudo
    Não fechou, deixou janela.

    • Maurício: entendo o sertão como sendo o lugar mais puro e reconfortante de qualquer Estado. Já pensou: frio durante a noite, sem ser tão frio e você no Rio Grande do Sul, num sertão qualquer de lá, embrulhado em agasalhos, espiando a noite para contar estrelas e sorvendo um belo de um chimarrão feito de uma boa erva?

Deixe uma resposta