PAULO LEAL – BRASÍLIA-DF

Boa noite meu amigo Luiz Berto,

Quero comunicar que depositei a módica quantia de 50 reais, para completar o salário de Chupicleide, o bisaco de milho do Polodoro, e também comprar uma passarinha para temperar o angu de Xolinha.

Afinal, Xolinha tem que estar forte, pois todos os dias a bandidagem de Brasília arromba a tabaca dela.

Berto, está difícil morar no Brasil.

Você está vendo o que os chefes de quadrilhas da Câmara e do Senado tem feito contra o Brasil e contra Bolsonaro.

Dr. Ulisses Guimarães estava certo quando reclamava da qualidade dos deputados eleitos. Ele dizia sempre: espere a próxima legislatura pra ver como vai piorar.

A maioria dos novos deputados vieram mais ladrões e achacadores.

Juntando os novos deputados e os ministros do supremo que estão fazendo miséria na interpretação do direito, só tem um jeito: botar todos eles no paredão.

Abraços.

R. Meu caro, ao invés de “botar no paredão”, eu acho que o melhor seria enfileirar essa turma e botar Polodoro pra enrabá-los, um a um, com a sua pajaraca de grosso calibre.

A pica de Polodoro no furico destes canalhas seria bem mais doloroso do que uma execução no paredão.

O trio fubânico Polodoro, Chupicleide e Xolinha agradece sensibilizado a sua generosa doação.

Que foi feita no mesmo dia da doação de 300 reais da nossa estimada colunista Violante Pimentel.

As doações dos generosos membros da comunidade fubânica já deram pra cobrir o pagamento da nossa hospedagem neste mês de setembro que está terminando.

E ainda sobraram uns trocados pra completar o salário atrasado de Chupicleide, pra comprar o milho de Polodoro e pra melhorar o angu de Xolinha.

Brigadão mesmo, meu caro amigo e companheiro de cachaça nos nossos velhos tempos aí em Brasília!

A audiência, a força e as doações de vocês é que mantém esta gazeta escrota nos ares, sempre aperreando e torrando o saco de muita gente.

O trio aí embaixo está relinchando afinadamente em agradecimento a você!

Deixe uma resposta