JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Dona “Nena” no pastoreio na janela

Cartão postal da Rua da Palma, bairro periférico da cidade histórica São Mateus, uma das poucas onde o progresso demorou chegar. Ali naquele bairro e cidade, quase todas as pessoas se conheciam. Sabiam os nomes, o que faziam e a qual família pertenciam. Era uma comunidade nascida, crescida e envelhecida com quase nenhuma mudança. Apenas alguns jovens tinham motivação para sair da cidade à procura de escolas mais avançadas. Tipo universidade. Mas, nas férias nunca perdiam o vínculo.

– Boa tarde, Dona Nena! Cumprimentava respeitosamente o passante.

– Boa tarde. Deus te abençoe! Respondia Dona Nena, com o braço direito no parapeito da janela e o cotovelo esquerdo segurando um lado da face.

Diferente de outras moradoras, que nos fins de tarde se punham sentadas nas calçadas, fazendo croché e aproveitando para “pastorear” os meninos que brincavam na rua.

Era comum que, mesmo com a noite chegando, as senhoras só entrassem de volta nas suas casas após a chegada dos maridos vindos do cansativo dia de trabalho. Alguns maridos até sentavam também na frente da casa, e só entravam duas ou três horas depois.

Ali, sabiam de tudo que acontecera durante o dia. Era um verdadeiro relatório passado pelas esposas.

Mas, a moradora da casa 22, Dona Nena, era diferente. Esperava na janela por nada. Ficara viúva fazia alguns anos. O que esperava realmente, era a chegada de Emerenciano, “Seu Cecé” para leva-la junto para aquela enorme constelação estelar.

Por alguns problemas de saúde, Dona Nena e Seu Cecé não tiveram filhos. Eles dois eram o fim da frutificação da árvore genealógica.

E toda tarde a rotina se repetia. Pouca louça usada no almoço, o que também significava pouco trabalho na limpeza. Depois, uma boa madorna vespertina, até ter coragem e disposição para preparar o café da tarde para apenas uma pessoa. Ela mesma.

Dona Nena permanecia naquela janela da casa 22 por muito tempo. Às vezes a noite chegava e ela não se dava conta. Na rua, quando as luzes da iluminação pública eram acesas, as mariposas começavam a dar o ar da graça, os maridos de quem permanecia ainda nas calçadas começavam chegar.

Ela, coitada, sofria ainda mais sentindo a ausência e a partida de Seu Cecé.

O corvo que substituiu Dona Nena

Dias e meses se passaram e a rotina continuava. O mesmo movimento das crianças na rua, as donas de casa na calçada, as mariposas se aquecendo no calor da iluminação pública. A nostalgia marcava presença.

Eis que, numa certa tarde de outono, aquela janela da casa 22 da Rua da Palma ficara diferente. A figura taciturna e observadora de Dona Nena, braço direito apoiado no parapeito e esquerdo apoiando a face pensativa, não estava ali.

Mas a janela estava aberta. Sem ninguém. Sem Dona Nena. No seu duradouro lugar de observação da vida pela janela, pousava um corvo.

Anos depois, as mesmas donas de casas que se postavam nas suas cadeiras na calçada, continuaram afirmando que aquele corvo fora enviado por Seu Cecé. Não dava mais para esperar tanto tempo pelo carinho e afagos de Dona Nena. Agora, uma estrela daquela constelação divina.

10 pensou em “OS FINS DAS TARDES NA JANELA

    • Rômulo: obrigado pela generosidade, irmão! Volte sempre que lhe der na telha e antes da chegada do corvo! Que Deus te abençoe e mantenha na sua janela, observando a vida e as belas tardes.

  1. Putz….os fins de tarde na janela…que expressão bonita da bixiga lixa, da mulesta dos cachorros. Zé Ramos, aparece no cabaré do Berto às quintas, homi de Deus. Zulivre de não contar com você

    • Assuero: muitos se deslocam para a orla marítima, para os pontos altos das serras, tudo para ver o belo por do sol. Dona Nena, linda e pura, via da janela dela. Via com o coração dos bons!
      Amigo para participar do “Curral das éguas” nas noites de quinta, ainda está me faltando “complemento tecnológico” (estou providenciando a tal da webcam – o resto já tenho). Em breve darei o Ok.

  2. Parabéns pelo texto bonito e emocionante, prezado José Ramos! A tristeza de dona Nena, pela morte do amado marido, tirou-lhe a alegria de viver., principalmente por ela ter ficado sozinha, Ela morreu de saudade e solidão…

    Um abraço.

    Violante Pimentel Natal (RN)

Deixe uma resposta