OS BRASILEIROS: Juscelino Kubitschek

Juscelino Kubitschek de Oliveira nasceu em Diamantina, MG, em 12/9/1902. Médico, militar, politíco, governou o País (1956-60) e fundou Brasília, quando o Brasil vivia uma onda de entusiasmo com seu futuro: o surgimento da “bossa nova”, do “cinema novo” e de um novo tempo. Os anos de seu governo são lembrados como “Os Anos Dourados”. Prometeu transformar o mandato de 5 anos em 50 de desenvolvimento e cumpriu em boa parte. É considerado um dos mais admiráveis presidentes do Brasil.

De origem humilde, estudou no Seminário de sua cidade e mudou-se para Belo Horizonte em 1920. Trabalhou como telegrafista dos Correios e. formou-se médico pela UFMG, em 1927. Foi estudar em Paris e especializou-se em urologia em 1930. No ano seguinte casou-se com Sara Lemos e ingressou na Força Pública, como capitão-médico. Participou da Revolução Constitucionalista de 1932, quando fez amizade com Benedito Valadares, governador de Minas Gerais, de quem foi chefe de gabinete em 1933, sem desativar o consultório. Disse que entrou na política por uma “imposição” de seu amigo Valadares. Mas, deu-se o envolvimento politico e desistiu de seguir a carreira acadêmica. Eleito deputado federal em 1934, passou a morar no Rio de Janeiro sem esquecer sua base eleitoral. Como secretário do Partido Progressista, organizou o partido no interior de Minas. Em 1937 foi dado o autogolpe de Vargas, inicio do Estado Novo, que deixou-o desiludido com a política, mas foi convencido, de novo, por Valadares a assumir a prefeitura de Belo Horizonte, em 1940, e aceitou o cargo sem apoiar o regime ditatorial. Cauteloso, não abandonou a medicina e chegou ao posto de tenente-coronel da Polícia Militar.

A cidade contava muitos poblenas e poucos recursos. Mesmo assim, costruiu avenidas e pontes, canalizou córregos, integrou o centro ao suburbio, criou a rede subterrânea de luz e telefone e o Conjunto Arquitetônico de Pampulha, projetado por Oscat Niemayer. Ficou conhecido como o “prefeito furacão”. Manteve-se na prefeitura até 1945; deixou a medicina; engajou-se criação do PSD-Partido Social Democrático e foi eleito deputado federal. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1946. Nas viagens que fez pelo norte do País, ficou encantado com as belezas do local e triste com precariedade do seu povo, “com o drama daquelas populações deserdadas, perdidas nos desvãos de um território imenso e quase sem um vínculo afetivo com a capital da República”. Em 1948, viajou para os EUA e conheceu várias idades. Tais viagens exerceram grande influência em sua visão política. Ficou convencido de que o Brasil só alcançaria o desenvolvimento através de uma industrialiação intensa e diversificada.

Em 1950 foi eleito governador de Minas, pelo PSD-Partido Social Democrático. Criou a CEMIG-Companhia Energética de Minas Gerais e 5 usinas hidreléticas, estimulando a industrialização. Em 1954 trouxe a Manesmann, siderúrgica alemá, e tirou o estado da condição agropastoril. Foram construídos mais de 3 mil km. de estradas; 251 pontes; 160 centros de saúde e quase dobrou o nº de alunos na escola primária. No mesmo ano lançou canditatura à presidência, tendo João Goulart como vice, numa aliança com 6 partidos. Antes de tomar posse, viajou por diversos países para apresentar seus planos, obter apoio e investimentos. Nos EUA não conseguiu muita coisa, devido a desconfiança com os boatos sobre o apoio que recebeu dos comunistas. A oposição tentou anular a eleição, mas o General Lott garantiu a posse em janeiro de 1956. Seu “Plano de Metas”, assessorado por Celso Furtado, tinha o objetivo de alcançar “50 anos de desenvolvimento em 5 de mandato”. Era composto de 31 metas, distribuidas em 5 grupos: (1) enegia, (2) transportes, (3) alimentação, (4) indústria de base, (5) educação e a meta principal: a construção de Brasília.

Mais de 2 bilhões de dólares foram destinados às metas; insentou de impostos a importação de máquinas e equipamentos; liberou a entrada de capitais externos em investimentos de risco, associados ao capital nacional e propiciou uma generosa política de crédito ao consumidor, visando ampliar o mercado interno. Afim de melhorar a condição do Nordeste, criou a SUDENE, em 1959, sob a direção de Celso Furtado. Implantou a indústria automobilística, com a vinda da Vokswagem, Ford, Mercedes Benz, General Motors; incrementou a indústria naval e siderúrgica; construiu hidrelétricas, como Furnas e Três Marias; criou rodovias: Belém-Brasília, Régis Bittencourt e Fernão Dias; amumentou a produção da Petrobrás etc. A crítica que se fez ao seu governo, é que para propiciar tanto desenvolvimento, o Brasil aumentou a dívida externa de U$ 87 milhões em 1955, para U$ 297 milhões em 1959. Com a constução de Brasília, a inflação passou de 19,2% em 1956, para 30,9% em 1960 e chegou a 81% em 1963. Conhecido como “pé de valsa”, enquanto construia a caoital, levou diversos artistas e cantores para animar o ambiente. Telefonou pessoalmente, convidando Inezita Barroso, mas quando ela ouviu o nome de quem estava falando, retrucou: “e aqui é a Rainha da Inglaterra” e bateu o telefone achando que era trote. Ele teve que ligar de novo.

Brasília era um antigo projeto para promover o desenvolvimento e a integração do País. Para justificar o feito, deixou dois livros publicados pela Bloch Editora: Meu caminho para Brasília (1974) e Por que construi Basília? (1975). Passou a faixa presidencial a Jânio Quadros em 1961 e no ano seguinte elegeu-se senador por Goiás. Tinha pretensões de voltar à presidência em 1965. Sua candidatura foi lançada em 20/3/1964, com o slogan ”JK-65 A vez da agricultura” Mas, 11 dias depois veio o Golpe Militar de 1964. Foi cassado e teve os direitos políticos suspensos. A partir daí entrou num exílio voluntário e passou a percorrer cidades dos EUA e Europa. Em 1967 voltou ao Brasil e uniu-se a Carlos Lacerda e João Goulart numa “Frente Ampla”, em oposição à ditadura militar. A intenção era retornar à política após os 10 anos de cassação de seus direitos. Porém, foi dissuadido pelos militares, que ameaçavam prosseguir nas investigações de corrupção e aliança com os comunistas. A intenção era desmoralizá-lo politicamente

Com o recrudescimento da ditadura, em 1968, veio o AI-5 e o sonho acabou. Foi preso, respondeu aos IPMs-Inquéritos Policiais Militares e ficou proibido de entrar em Brasília. Em 1975 tentou uma vaga na Academia Brasileira de Letras, mas uma articulação dos militares impediu sua eleição. Faleceu num acidente de carro na Via Dutra em 22/8/1976. O funeral em Brasília se deu ao som da música “Peixe vivo”, cantada por mais de 300 mil pessoas, que não deixaram o caixão ser levado pelo carro do Corpo de Bombeiros. Tomaram-o nas mãos e levaram até o cemitério.

Sua vida e carreira política foram retratadas no cinema, TV e livros. Silvio Tender realizou dois documentários: Os anos JK: uma trajetória política (1980) e JK: o menino que sonhou um país (2002). Em 2006 foi apresentada na TV Globo a minissérie JK. Em 2009 foi realizada a filmografia Bela noite para voar, dirigida por Zelito Viana. No centenário de seu nascimento foi montada a peça JK 1902-2002, apresentada no Museu da Repúbica. Dentre as biografias, destaque para JK, o artista do impossível (2001), de Claudio Bojunga; JK, o presidente bossa nova (2005), de Marlene Cohen; A saga de um herói (2006), de Francisco Viana; Juscelino Kubitschek (2011), de Ronaldo Costa Couto. Em 1981 foi inaugurado o Memorial JK, em Brasília, onde se encontra seu túmulo, constituindo-se num dos pontos turísticos mais visitados da cidade.

9 pensou em “OS BRASILEIROS: Juscelino Kubitschek

  1. Caro colunista

    Como assim “faleceu num acidente de carro na Via Dutra”. Na época e depois falou-se muito que foi um acidente provocado. Então, foi assassinado ou não?
    O senhor poderia me esclarecer?

  2. O veterano colunista político Villas-Boas Correa, em entrevista a Roberto d’Ávila, conta que presenciou o acordo entre o chefe de campanha de JK e o líder do proscrito “Partidão”. Deixou de dar a notícia, contudo, porque entendeu que favoreceria Lacerda. O evento aconteceu na sacada do antigo palácio do Senado no Rio de Janeiro. O apoio do PC não era boato, na verdade, é uma lacuna historiográfica.

  3. Quanto mais longa fica a noite de ódio, intolerância, ignorância e desrespeito ao cidadão, mais se agiganta a figura de JK. Para não falar da simpatia, respeito ao interlocutor e o eterno sorriso de quem cantava serestas e não xingava os desafetos ou jornalistas. Um homem do diálogo e do entendimento. Vivemos em Brasília há 52 anos. Aqui criamos os filhos que, embora nascidos no Rio, têm sua atividade identificada com a cultura da cidade e se consideram brasilienses. A visita ao Memorial JK é imprescindível, para conhecer melhor a história da cidade. E também ao Catetinho.

  4. Mestre Briquet de Lemos

    Em poucas palavra s nos dá uma boa pincelada no quadro da política atual, faz um belo retrato de JK e exalta sua cidade. Isto que é concisão

  5. Sempre admirei JK , nunca votei nele, mas o considerei um
    homem de palavra. Tudo o que prometeu ele cumpriu.
    Além de ser um visionário , era um democrata e nunca teve que eu saiba,
    suspeitas de improbidades na sua carreira política.
    Como cita acertadamente o colunista A,.Pinheiro acima, ele era um gastador
    compulsivo, dizem até que um dia faltou tijolos durante as
    obras de construção de Brasilia. Consultado, ele teria ordenado que
    levassem tijolos em aviões para o planalto, para a construção
    da cidade sonhada que queiram ou não , ainda é um marco divisório
    do Brasil de antes e depois de Brasilia.
    A propósito da construção da Brasilia, é interessante lembrar
    que a sua criação foi prevista muitos anos antes pelo padre
    São João Bosco. Que teve uma visão de grandes
    riquezas e progresso na região , onde hoje está construida Brasilia, além
    de outras grandes riquezas como grandes minas de preciosos
    minerais e uma riqueza enorme com imensos depósitos de
    petróleo, tão vastos que incluiria no seu total, até a região dos pantanais.
    JK foi um homem de grande visão, o seu ponto fraco é que ele sempre foi
    muito apressado e não admitia deixar nada para depois, pois ele conhecia
    bem os brasileiros, que vão sempre adiando, adiando e depois esquecem.

Deixe uma resposta