JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Ácaro em fotografia aumentada milhares de vezes

Não vou citar nomes. Não preciso, pois está muito fácil encontra-los. Basta dar uma olhada nos plenários das casas legislativas, para encontrar alguns dormindo, roncando ou peidando sem horário marcado, e até com baba escorrendo pelo canto da boca.

Partindo do princípio das exigências atuais da graduação de Mestrado/Doutorado para assegurar o direito de lecionar na maioria das universidades brasileiras, proponho esta pequena reflexão, indagando: “Quem graduou os que ensinam Ciência Política”?

Essa política brasileira praticada atualmente é fruto dessa “Ciência Política” tornada matéria em grade curricular?

Arre égua!

Votando desde 1960/61, tenho observado e deduzido que, um alto percentual de políticos brasileiros não conseguem ser superiores, tampouco diferentes dos insignificantes e invisíveis ácaros, ou dos cupins devoradores de madeira.

No exercício dos mandatos, sabe Deus conseguidos como e a que custo, se transformam em cupins. Fora dos mandatos, por incompetência de desempenho, se transformam em ácaros. Vegetam na poeira e se alimentam das bactérias produzidas nas frestas e casas de aranhas desenvolvidas nos armários, nos guarda-roupas e gavetas.

E é dali, daquele recôndito, que sabem e resolvem tudo aquilo que não fizeram no exercício dos mandatos. Opinam que é uma maravilha. Têm solução para tudo. Mas, repito: no exercício do mandato não fazem “porra nenhuma” ou “merda alguma”!

São siameses em qualquer lugar deste continente. Aqui mesmo neste Maranhão de rios abundantes e piscosos, onde por coincidência resido, encontramos alguns desses ácaros e cupins por excelência.

Esses, conseguem enxergar erros e defeitos em todas as ações propostas ou desenvolvidas pelo governo federal (não apenas no atual) – caso específico da malha ferroviária, que acena com a queda no custo do transporte de riquezas e alimentos produzidos no Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goias e cidades do Norte. Exemplo? O boicote ao “Ferrogrão”.

Eis que, num estalar de dedos, os ácaros aparecem para enaltecer o provável crescimento e desenvolvimento econômico do Estado, apontando créditos exclusivos para o governo estadual?

É mole? Não cabe aí mais um sonoro “arre égua”?

Como é que alguém que conhece e vive no Maranhão, principalmente em São Luís, pode encontrar motivos para votar contra o marco do saneamento básico?

Pois acreditem, o atual Prefeito de São Luís, quando no exercício do mandato de deputado federal, votou contra a aprovação do marco do saneamento – e faz tempo a “Ilha” vive atolada na lama e na merda. As praias estão sempre impróprias para o banho.

Outros, relembrando a fala popular do jabuti na árvore, que durante as enchentes foram ali colocados por alguém, e tiveram a chance de fazer alguma coisa pela educação, principalmente estadual, entraram num casulo e, de jabutis se transformaram em cupins.

Cupins da política devorando a madeira

Sabem de tudo, sugerem soluções para tudo, criticam tudo que outros fazem mas, no cargo que podiam ter feito o mínimo, continuaram sem fazer “merda nenhuma”.

Pior, é constatar que, um mandato de quatro anos demora muito terminar, além de projetar sofrimento eterno num mandato de oito anos.
E, pasmem: a Política é uma Ciência!

Pelo menos é o que o progressistas afirmam.

Arre égua!

8 pensou em “OS ÁCAROS E OS CUPINS DA POLÍTICA BRASILEIRA

    • Beni, na juventude, no momento em que saía do hoje “ensino médio” para a universidade, me envolvi com a política ideológica. Mudei para o Rio de Janeiro, comecei a trabalhar na COSIGUA (Companhia Siderúrgica da Guanabara) e me tornei “metalúrgico” por poucos anos. Assistindo alguns comícios e manifestações no ABC paulista, não tive dificuldades para perceber que, o que eu aprendera e sonhara não era aquilo. Deixei a ideologia e a política de lado e fui construir minha vida e família. Quero dizer: tenho meus motivos para ver a política com os meus olhos, e não com as teorias de outrem.

  1. Parabéns pelo excelente texto, prezado José Ramos!

    Concordo com você, quando diz que “um alto percentual de políticos brasileiros não conseguem ser superiores, tampouco diferentes dos insignificantes e invisíveis ácaros, ou dos cupins devoradores de madeira”.

    Grande abraço e uma ótima semana!

  2. Eu gostei do texto e confesso que enxerguei e ampliei o título do texto desta forma: “OS ÁCAROS E OS CUPINS DA AMÉRICA LATINA, DESDE O DESCOBRIMENTO”.

    • Deco: vamos dar alguns nomes aos bois. O que fazem na política ou até mesmo pelos estados que dizem representar, pessoas como Esperidião Amin, Luíza Erundina, Eliziane Gama, Renan Calheiros, Jader Barbalho? Que necessidade (com imaginação financeira) tem Tasso Jereissaiti para viver “cupinzando” a madeira da política?

Deixe uma resposta