JOSÉ PAULO CAVALCANTI - PENSO, LOGO INSISTO

Em 1778, a Academia de Berlim realizou concurso por inspiração de Frederico II da Prussia (1712-1786). Mais conhecido como Frederico O Grande (Friedrich der Grobe), era famoso por suas vitórias militares. Mas, também, pelo patrocínio das artes e do iluminismo. Esse concurso teve, como tema, “É conveniente enganar o povo?”. Dele se soube, só há pouco, quando o filósofo alemão W. Kraus localizou suas atas. Para além da frugalidade dos concursos literários, aspirava o imperador ser conhecido como o Antimaquiavel. D’Alembert apoiou sua pretensão. E até lhe disse, em carta, “Sem dúvida o povo é um animal imbecil que se deixa guiar pelos sinos, quando não se apresenta algo melhor. Mas oferece a verdade. E se essa verdade é sincera, e se vai diretamente no coração, me parece infalível que a adotará e não quererá nenhuma outra”. Por fim, animando o amigo a propor o tal concurso.

Assim foi feito. Frederico, no fundo, buscava compreender as relações entre ação política e sociedade de massas. A partir, segundo um dos 42 trabalhos apresentados, “da força plástica da visibilidade do poder sobre o hábito do segredo e da mentira em suas relações com a obediência política”. Retraduzindo o tema do concurso, para dar-lhe alguma dignidade, tratava-se da tentativa de estabelecer a real dimensão do espetáculo do poder e as implicações políticas de alguns de seus instrumentos de trabalho: artifício, simulação, sedução, farsa.

A Academia, na dúvida sobre as reais intenções de Frederico, prudentemente decidiu premiar autores que sustentaram teses opostas. Um desses dois autores premiados, Frederick de Castillon, entendia ser “útil, para aqueles que têm necessidade de ser queridos, sê-lo por quem os engana, quando para conduzi-los mais facilmente a um fim, e esse fim não seja outro que a verdadeira felicidade”. Enquanto o segundo, Rudolf Zacharias Becker, em sentido contrário, recomendava o compromisso com a verdade em uma dimensão ética. E concluía seu texto dizendo: “Se quereis ser felizes, o façais com a vista posta na eternidade; onde a mente do homem, que nesta vida terrena apenas germina, cresce até converter-se em árvore frutífera”.

Esse tema encontra agora, quase 300 anos depois, uma resposta complicada e tardia. Com as últimas decisões tomadas pelo Supremo. Entre elas, a que doeu mais, de dar fim à Operação Lava Jato. Inacreditável (quase). Nosso mais alto tribunal, que deveria ser responsável por evitar que a corrupção se dissemine pelo país, abre mão do seu dever. E concede estímulos a quem tem as mãos sujas. É desalentador. João Mangabeira disse, em livro famoso (Rui, o Estadista da República), que “o órgão que mais falhou à República (até 1937) não foi o Congresso; foi o Supremo Tribunal”. Tenho medo de que, olhando para trás, um dia façamos juízo semelhante do Supremo de agora. Antes, pelo que não fez. Hoje, pelo que está fazendo. Que nos fique ao menos então, como advertência, palavras de Lorinet (médico em Montpellier, França), sobre aquele concurso. Primeiro, quando reconhece que os poderosos mantêm seu povo em “ignorância, mediante o engano e o segredo, para poder subjugar”. Encerrando seu texto com a premonição de que, nesse caso, “nos libertaremos e os derrubaremos”. Pelo voto, esperamos todos, como sempre deve acontecer nas democracias.

5 pensou em “O SUPREMO E FREDERICO II

  1. Prezado Dr. José Paulo,

    Parabéns, mais uma vez, por mais este primoroso artigo.

    A única coisa que discordei foi do seu encerramento, ao dizer que “nos libertaremos e os derrubaremos”. Pelo voto, esperamos todos, como sempre deve acontecer nas democracias.

    Sinceramente, minha opção preferencial atual é que os derrubemos ao mesmo estilo de Robespierre: Guilhotinando-os todos e muitos mais. O nível de canalhice por eles atingidos não merece menos que isso, ou até coisa pior: Esquartejamento vivo, empalamento ou algo assim.

  2. Pode ter havido composições do STF que deixaram a desejar, porém eu não tenho dúvidas de que esta é a corte pior de todas, a que mais despreza o povo e a CF.

  3. Somos um povo imbecil e sem memória que se deixa guiar pelo som do cincerro. Como só a esquerda corrupta tem a capacidade de criar exímios tocadores de sinos, nas próximas eleições, ” não nos libertaremos e não os derrubaremos” ( Não pelas armas do voto) !

  4. O senhor não é Lula, não é Bolsonaro. É um ser inteligente que espera a 3ª via. Ela não virá porque o Brasil gosta de polarização. Atualmente é entre o gado de Lula e o gado de Bolsonaro. Acho o segundo bem mais perigoso porque apesar de não ter MST, não deve ser estranho ao nobre articulista que Bolsonaro o arma na esperança de que se perder pelo voto em 2022, se manterá no poder pela força da bala. Com sua política armamentista, aproximadamente 300 mil civis por ano compram armas. É a milícia civil bolsonarista, isso sem falar na fardada.

    Ao que me parece, o senhor compareceria à inauguração de uma estátua de Moro em praça pública. Faça isso não. Se erguerem ela será depredada, não pelo gado de Lula, mas por homens de notório saber que pagam anuidades à OAB.

    É claro que o distinto advogado é civilizado e não prega ódio ao Supremo, mas veja só, se não fosse o destemor de Alexandre de Moraes com o seu inquérito do fim do mundo, como estaria a situação do país com milhares de Daniel Silveira à solta?

    O STF é ruim? Pois muito pior seria sem ele com essa mesmíssima formação atual.

    Ode ao Supremo e aplausos sobretudo para Gilmar Mendes!!!

Deixe uma resposta