JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

Portão que estava sempre aberto

Aquele sol inclemente entre 12 e 13 horas, me obrigou a parar a caminhada por alguns instantes. Olhei para trás, e meus olhos só viam lagos, lagos e mais lagos – e nada mais era que a miragem que o calor provocava.

Olhei para a frente, recoloquei o chapéu na cabeça, e continuei a caminhada. Minutos depois, a sede perturbou. Trouxe a pequena cabaça que carregava nas costas, folguei a tampa feita com um pedaço de sabugo de milho, virei tudo na boca e só naquele instante percebi que não tinha mais uma gota d´água.

O sol torrava, e o chão parecia estar pegando fogo. As alpercatas feitas com restos de pneus pareciam derreter – sair dali à procura de uma sombra ou de alguma casa, onde pudesse beber e encher de novo a cabaça, naquele instante seria melhor que encontrar o paraíso.

Tirei o chapéu para limpar o suor que corria pelo rosto, e achei que o “quengo” estava queimando. Limpei o suor, repus o chapéu na cabeça, e continuei andando, enquanto lembrava versos da “Súplica cearense”, de Patativa do Assaré:

“Meu Deus, perdoe encher meus olhos d’água
E ter-lhe pedido cheio de mágoa
Pro sol inclemente, se arretirar,
Desculpe, pedir a toda hora
Pra chegar o inverno e agora
O inferno queima o meu Ceará.”

Olhando para o chão, de repente fui atraído por algo que nunca descobri o que era, e levantei a vista. Afastado dali por cerca de 80 metros, avistei uma casa grande, afastada uns 20 metros do caminho onde eu seguia o périplo.

Apressei o passo e senti que a esperança renascia – e era a única coisa que ainda resistia dentro de mim. Aumentava, à proporção que eu me aproximava daquela possibilidade de recomposição física e mental. Era uma casa, sim.

Parei de andar, e olhei para a casa. O portão estava aberto. Um portão não tão novo, cuja “tramela” era um pedaço de arame que o prendia ao poste de sustentação da cerca.

Entrei e fui obrigado a parar defronte à casa, ao observar que, sentado na varanda, havia um enorme cachorro me observando, mas, em posição de ataque. Parei e percebi que o animal estava acorrentado, além de preso numa coleira.

Fui para o lado direito, olhei e não vi ninguém. Bati palmas, o que acabou chamando a atenção do cachorro (foi nesse momento que observei que estava preso pela coleira). Não apareceu ninguém.

Cachorro que vigiava a casa abandonada

Chamei (“oi de casa”!) mais uma vez. Como não apareceu ninguém, resolvi dar a volta pela lateral da casa, e percebi que, num amplo, limpo e bem arrumado quintal, galinhas, pintos, e alguns patos futricavam restos de comida jogados ao chão. Um pouco mais afastado observei uma terrina com água. Ao lado, uma pata se jogava toda, demonstrando que estava satisfeita com o banho que acabara de tomar.

Procurei, e acabei encontrando um pequeno tanque com água. Água limpa, dando a impressão de que acabara de ser colocada ali. Isso me fez procurar a torneira existente naquele espaço. Acabei encontrando-a, e resolvi lavar o rosto, molhar a cabeça e encher a cabaça que carregava comigo.

Saí dali e voltei para a frente da casa. Foi então que percebi que o cachorro continuava no mesmo lugar, e na mesma posição – mas, agora, com a coleira, mas sem estar preso à corrente. Parei, muito mais assustado com a possibilidade de que aquele animal feroz partisse na minha direção, do que por falta de coragem para correr. Se eu corresse, com certeza ele avançaria e me pegaria.

Como o animal não se mexeu, continuei andando vagarosamente, de vez em quando olhando para trás, até atingir o portão. Saí da propriedade e fechei o portão, conferindo se a “tramela” estava bem colocada, garantindo que o cachorro ficava cada vez mais distante de mim.

Caminhei uns vinte metros e, só então, olhei para trás. Vi, perfeitamente, que o portão que eu fechara, estava aberto. Aberto, não. Estava literalmente escancarado. Senti algo estranho e percebi que estava totalmente arrepiado. Saí dali o mais rápido que pude.

Andei por aproximadamente vinte e cinco minutos, até que encontrei uma casa ao lado do caminho, com crianças brincando debaixo de uma frondosa e sombria árvore. Parei, e a minha atitude chamou a atenção daquelas crianças.

– O senhor deseja alguma coisa? Indagou uma das crianças.

– Sim, quero falar com alguém adulto. Respondi.

– Mããããeeee, tem um homem aqui e tá querendo falar!

Em seguida apareceu uma senhora aparentando meia idade, cerca de uns 50 anos, mais ou menos.

– Boa tarde, o senhor deseja alguma coisa? Perguntou.

– Estou indo na direção do Chorozinho, tentar resolver uns antigos problemas familiares. O sol está muito quente, e o calor é insuportável. Antes, parei naquela casa que está lá atrás, cerca de meia hora de caminhada. As galinhas e patos estavam soltos no quintal, mas não consegui falar com ninguém, embora tenha chamado. A senhora sabe informar se os donos estão viajando?

– Moço, ali faz tempo que não mora ninguém. A casa foi abandonada, depois que a mulher morreu, e o marido foi estrangulado por um cachorro enorme, e esse foi abatido por um caçador que passava e escutou o barulho. Garantiu a mulher, em resposta.

Agradeci a resposta da mulher, e me voltei para a estrada. Percebi, de novo, que estava arrepiado. Para amainar o susto, retirei a rolha de sabugo da cabaça e tentei beber um pouco d´água. Só aí me dei conta de que, a cabaça que eu enchera naquela casa, estava vazia. Sem uma única gota d´água!

Voltei para a estrada, e continuei caminhando, orando e pedindo à Deus para me proteger dos males e das coisas que o mundo segreda. Pelo menos a enorme sede havia passado, e, agora, uma brisa gostosa soprava na minha direção. Era a segunda metade da tarde que começava a chegar.

OBSERVAÇÃO: Este pequeno conto faz parte do segundo livro que estou escrevendo (“Trinta contos de réis”), que espero receber a bênção divina para imprimir ainda este ano, e lançar, junto com o primeiro (“Pintando borboletas & outras crônicas”).

Deixe uma resposta