O LADRÃO PRESTOU UMA GRANDE AJUDA

9 pensou em “O LADRÃO PRESTOU UMA GRANDE AJUDA

  1. W.W deseja ser a legítima figuração do rabo que abana o cachorro.

    Em breve, sua foto irá para a extensa galeria dos governadores presos por roubo no Rio de Janeiro.
    Parece até pré requisito pra se candidatar.

  2. Eu ia falar que o estado do RJ não merece o que está sofrendo.

    Depois eu pensei:

    Elegeram o Brizola duas vezes, Moreira Franco, Garotinho duas vezes (ele e a mulher), Cabral duas vezes (junto com o pezão) e agora o WW.

    Não dá para falar que o RJ não merece isso.

  3. Também concordo que o RJ merece isto mesmo. E ainda por cima tem o Freixo comendo pelas beiradas. O Brasil que não merece um estado deste

  4. Todos falando “maravilhas” sobre a extensa lista de homens inocentes, probos e ínclitos que governaram o tal Hell de Janeiro, mas (maldito mas), o problema é muito mais sério, é NACIONAL. O “nó górdio” é que quando estamos diante da urna, EM QUALQUER lugar do Brasil e olhamos a lista disponível (os candidatos que os partidos colocaram à disposição do eleitor) é um show de horrores. O capital humano no Brasil reflete nossa realidade. Somos OBRIGADOS a votar no menos ruim. Esse é o grande problema.
    Vou exemplificar: Nunca morri de amores por Jair Bolsonaro (sou de DIREITA e o considero social-democrata), mas olhei atentamente a lista de todos os outros candidatos a presidente em 2018, vi quem eram seus detratores e cheguei à conclusão de que não havia outra opção. Não me arrependi de meu voto.

  5. BÔNUS DE INADIMPLÊNCIA – O ministério da Economia estuda o anúncio de uma doação para pequenas empresas. O nome provisório do programa é bônus de adimplência, porque a doação será vinculada à capacidade que a empresa tem de pagar impostos no ano que vem. A informação é do site Poder360. Leia a nota completa:

    Se uma pequena empresa tomar o dinheiro –a ser distribuído Pela CEF (Caixa Econômica Federal) e/ou pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)– não precisará devolver esse recurso, desde que fique em dia com os impostos devidos em 2021. Daí o nome “bônus de adimplência”.

    R$ 10 BILHÕES
    Esse valor é usado como exemplo do que se poderia investir no bônus de adimplência. Mas não é a cifra definitiva, que pode ser muito maior.

    O objetivo é beneficiar 1 milhão de empresas. Nesse cálculo, os R$ 10 bilhões poderiam ser divididos em “grants”, como o ministro Paulo Guedes (Economia) chama o benefício, de R$ 10.000 para 1 milhão de empresas. No ano seguinte, esse valor não precisaria ser devolvido. A empresa iria zerando a doação ao pagar o que deve em impostos.

Deixe uma resposta