JOSÉ PAULO CAVALCANTI - PENSO, LOGO INSISTO

Noites dessas conversei, sobre nosso futuro, com o amigo Fernando Pessoa. Desencantado, comecei dizendo já ter perdido as esperanças num país limpo. Pouco mais limpo, ao menos. Ele pareceu compreender (Lisbon Revisited, 1926), “No fundo do meu espírito, onde sonho o que sonhei/ Fogem desmantelados, últimos restos/ Da ilusão final”. Pediu que explicasse. Relatei então que, na última eleição, parte dos brasileiros teve a ilusão de que pudéssemos construir uma nova ordem ética. Para que corruptos e corruptores ao menos hesitassem, antes de tentar enriquecer. Pediu que não desistisse (Desassossego), “Matar o sonho é mutilar nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso”.

Ocorre que nada sobreviveu. O projeto Anti-Crime foi abandonado. Ninguém cuidou dele. Nem mesmo, no Congresso, figuras endeusadas pela Grande Mídia. E o país vive, impotente, a vitória daqueles que se apropriaram do patrimônio público – Partidos, parlamentares, bolsos amigos. O Centrão fez parte disso. E, agora, é quem dá cartas. A pá de cal foi a indicação do novo Ministro do Supremo. Coerente com o desmonte da Lavajato que vem sendo feito, a mando, pelo Procurador Geral da República. Trata-se de alguém que deu sucessivas declarações contra essa operação. E que sequer assume compromissos com a prisão em Segunda Instância. Para piorar, vem apoiado por notórios ministros, no Supremo, que se dizem garantistas (só mesmo rindo). Pela OAB de Brasilia (pode?), advogados de réus importantes (e ricos), políticos processados (muitos), por aí. O triunfo da impunidade. Não tem como dar certo.

O Presidente, a esse descalabro, responde com uma frase medíocre: “Ou confia em mim ou não confia”. Perdão, Presidente, não dá. A contradição com o discurso anterior, da sua eleição, é cruel. Qual a razão da mudança?, eis a questão. Difícil precisar com certeza. Mas é inevitável considerar que a proteção dos filhotes está no centro dessa decisão lamentável. Pessoa insistiu (poema sem título), ainda, “Por que/ Esperar?/ Tudo é/ Sonhar”. Mas lhe disse que abandonamos, já, todas as ilusões, o último alento, a derradeira esperança. O amigo encerrou a conversa na sua natural ambiguidade. Primeiro, ao dizer (O Marinheiro) que “Nenhum sonho acaba”. Depois (Sonho), resignado, “Se tudo é sonho/ O sonho é nada”. Seja, pois. E este sonho, de um outro Brasil, não existe mais.

17 pensou em “O FIM DE UM SONHO

  1. Dr. José Paulo,

    Depois dessas palhaçadas do presidente Bolsonaro, em quem votei esperando moralizar esse país destroçado pelo petismo, perdi a esperança de ter esperança.

    Eu esperava tudo de um presidente cuja bandeira de campanha era moralizar o país, menos que viesse a proteger filhos marginais. Ao fazer isso ele está cometendo os mesmos erros do Bandidão-Mor, “A alma mais honesta desse país.”

    • Estarei vendo com satisfação uma certa mudança nos comentários aqui no JBF?

      Aos poucos vão acordando para a realidade nua e crua: Bolsonaro já quebrou quase todas as promessas de campanha.

      Como definiu Aparício Torelly (o Barão de Itararé) ou todos nos locupletamos ou restaure-se a moralidade. PELO VISTO ALGUNS SE LOCUPLETARÃO E A MORALIDADE NÃO SERÁ RESTAURADA.

      O que mais falta, meu Deus?

  2. Eu não tenho mais esperança em Bolsonaro. Um presidente que se alia à escória do do STJ, do STF e do Congresso (o Centrão) para livrar filhos bandidos e bandidos ricos da cadeia, para mim já perdeu a credibilidade, mesmo reconhecendo que ele venha realizando boas ações em benefício do País, no campo econômico e social. Mas isso não é tudo para ajustar um país que saiu de uma Guerra Corrupta.

  3. Escreve JPCavalcanti: E este sonho, de um outro Brasil, não existe mais.

    Escreve Cícero: mesmo reconhecendo que ele venha realizando boas ações em benefício do País, no campo econômico e social.

    Escreve Francisco:Estarei vendo com satisfação uma certa mudança nos comentários aqui no JBF?

    Escreve Sancho: como é difícil o Francisco dizer-se um cara que votou no Bolsonaro, quando suas palavras sempre disseram o contrário…

    Alguns aqui no jbf estão caindo direitinho na armadilha daqueles que sempre estão dizendo-se arrependidos de votar no Jair, quando sempre estiveram diante das urnas teclando 13 e confirmando com grande satisfação.

    Daí sempre residiu minha admiração por Goiano Braga Horta, que sempre escancarou suas preferências vermelhas. Sancho jamais votou e jamais votará nos vermelhos da extrema-esquerda e é fã de Goiano, que sempre que perguntado, disse: eu não voto e jamais votarei no Jair.

    • Caro Sancho, escrevo eu agora. Quando dizes que alguns aqui estão caindo na armadilha eu acho que não é que eles caíram, esperavam uma oportunidade para dizer: Tá vendo?

      O Dr. J. Paulo escreve: “..na última eleição, parte dos brasileiros teve a ilusão de que pudéssemos construir uma nova ordem ética.”. Eu digo que com o atual aparelhamento do congresso, da justiça, das escolas, mídia, cultura e demais órgãos, correndo tudo bem, ainda demorará uns 15 anos para começarmos a ver a tal nova ordem ética.

      Também disse o Dr. J. Paulo: “O Centrão fez parte disso. E, agora, é quem dá cartas.” . Ele sabe que há cerca de 350 deputados do dito Centrão que mandam no país desde 1988 com a Nova Constituição. Quem não se alia a eles cai. Só tem uma coisa que eles mais têm medo: ficar de fora do poder. Então foram eles que se aliaram a JB.

      Bolsonaro é muito popular hoje em dia, é preciso acabar com isso (a Globo está acabando). Se não há corrupção, se as obras andam, se o agro está bombando; então vamos inventar falácias para ver se derruba o cara.

      A atual falácia é a história de que Ele se vendeu ao Centrão. O gaúcho Francisco acha que está vencendo. Vamos aguardar.

    • Prezado Sancho,

      Votei mesmo no Bolsonaro, não gosto do PT e é meu exclusivo direito acharr que ele cometeu estelionato eleitoral.

      Não havia como manter a fé num camarada que foi traindo suas promessas pouco a pouco. Traindo a mim a a muitos de seus eleitores de primeira hora, aqueles que hoje ele chamou de “direita burra”

      Ele mais parece um touro miura numa arena, que ataca tudo o que se mexe. Pensei que a conselho do Centrão ele calaria a boca, mas não deu, é da natureza dele.

      Você pense o que quiser de mim, mas re afirmo: votei nele e fui me arrependendo aos poucos.

      E quando eu falei em que estava vendo uma certa mudança, era em relação aos comentários raivosos e cheios de palavrões que campearam por aqui um certo tempo.

      Pelo menos em ti, Sancho, gosto da cultura e e da ironia de suas postagens. Respeito e aprecio isto.

      • Prezado Francisco

        Sou um dos maiores críticos do Jair, pois sou de direita e o acho um social-democrata.
        Fez carreira política exatamente como integrante do Centrão. como estranhar ele estar com o Centrão?

        Ele falou em direita burra em um país onde não há direita. O que é a direita neste país?

        Temos apenas famílias conservadoras, uma sociedade pautada nos valores judaico-cristãos, mas direita, na concepção política não há.

        O que sempre valorizei em tal governo é ter JMB escolhido um grande time de ministros, que estão fazendo o dever de casa, com números fantásticos no desempenho, se descontarmos os efeitos da tal pandemia (para mim tal fato basta).

        Qualquer movimento contrário ao atual governo dos que o apoiam, jogará o Brasil novamente no colo da extrema-esquerda, com os efeitos que já conhecemos.

        Cuba, Venezuela, Nicarágua e Argentina me levam a apostar no menos ruim para o Brasil, ou seja, o ótimo governo que faz JMB.

        Quanto às caneladas que dá, quanto ao que fala ou deixa de falar, é problema dele e dos ofendidos. Quanto aos filhos e demais parentes, não os conheço e não pertencem ao governo.

        Bolsonaro nada mudou. Continua o mesmo sujeito que os de sempre diziam que não venceria ninguém no segundo turno. Cumpre suas promessas de campanha. Está no tabuleiro político (um jogo de xadrez com grandes mestres na arte política). Tem que movimentar suas peças a cada jogada do adversário. Assim o faz e comete erros durante o jogo. Tem acertado mais que errado, tentando evitar o xeque-mate.

        Quem joga xadrez sabe que peças são sacrificadas durante cada partida.

        O JMB idêntico a JC não existe. É um ser humano que você e eu, cheio de erros, com algumas virtudes e muitos defeitos.

        Votei nele em 2018 e votarei novamente em 2022. E continuo com meu grito de sempre: PRIVATIZA SAPORRA TODA, Bolsonaro!!!!!

        • Caro Sancho, não mudo uma vírgula de seu comentário.

          Acho que não tem apoiador mais exigente para um político do que o conservador de Direita. É cético, olha as coisas de uma maneira mais global e não se deixa enganar facilmente.

          Eu não defendo Bolsonaro, eu quero que ele se lixe, eu defendo o Brasil e hoje, para não permitir que tenhamos a volta da esquerda, temos somente Bolsonaro. O resto dos políticos todos estão envolvidos com o Sistema podre que nos tem levado ao atraso desde sempre.

          Até coisa de 6 meses atrás eu achava que depois do Bolsonaro viria o Moro para dar uma melhorada no que o PR fazia. Nem ele resistiu ao Sistema, ou melhor, fazia parte dele. Pegou o Lula, seus empreiteiros, mas nem chegou a arranhar o Sistema.

          Bolsonaro é perfeito? de modo algum, mas a alternativa é péssima.

          Peço aos colegas críticos do “Tá vendo?” qual seria a alternativa e somente o Goiano se posiciona. Os demais é um nhem nhem nhem só

          • Esses somos nós…

            Acho que não tem apoiador mais exigente para um político do que o conservador de Direita. É cético, olha as coisas de uma maneira mais global e não se deixa enganar facilmente.

            Eu não defendo Bolsonaro, eu quero que ele se lixe, eu defendo o Brasil e hoje, para não permitir que tenhamos a volta da esquerda, temos somente Bolsonaro.

            Quanto ao Moro eu sempre disse que o Bretas é mais eficiente. é só comparar o que Bretas fez com o Cabral e o Moro fez com o Lula.

            Quanto aos vira-casacas que estão se apresentando aqui no JBF, recorro ao mais phoda dos poetas:

            Com pedaços de mim eu monto um ser atônito.

            Manoel de Barros, Livro sobre Nada (Record, pg. 37)

    • Cheateia meu caro Jesus ler textos de pessoas que afirmam “votei no Bolsonaro, mas (estranho mas), me arrependi de meu voto. Aí você dá uma passada pelas postagens de tais pessoas e observa sempre a má vontade com tal presidente.

      Gostar ou não de Lula, Bolsonaro, Maluf, Jânio Quadros, etc, etc é um direito legítimo, mas (triste mas), não ser verdadeiro em seu querer não é correto, não é coisa de gente séria.

      Como não aplaudir Goiano com sua certeza sobre as coisas vermelhas?

      “A politician needs the ability to foretell what is going to happen tomorrow, next week, next month, and next year. And to have the ability afterwards to explain why it didn’t happen.” – Winston Churchill.

      Deixo aqui um beijo gigante em 2 jesuses: o Nazareno e o giganteno fubânico. Estendo tal beijo para o grande Goiano, um cara a defender suas convicções.

      Se querem um Bolsonaro perfeito como o Nazareno ou poeta como o outro Jesus, o de Ritinha, não terão.

      Jair é apenas um político, nada mais. Imperfeito como todos o são. Apenas é o menos ruim no cenário político nacional.

      Em 2022 já sabem meu voto e o do Goiano.

      • Não arrependo de meu voto. Como diziam. Bolsonaro não era o melhor remédio para o Brasil, mas era o melhor veneno contra o PT. Quem sabe em 22 aparece outro veneno contra Bolsonaro e seus filhos.
        Cavalcanti certissimo. Penso, logo desisto

  4. Votei no Bolsonaro por achar que Paris valia uma missa ! Agora, a minha próxima oportunidade de uma reconversão será em 2022, isto é, se Deus me der vida até lá.

  5. Paulo, é verdade, para muitos Jair Messias Bolsonaro não valeu uma missa. Mas há renitentes, como Sancho, João Francisco, Gonzaga e… até Jesus! que continuam de joelhos!

Deixe uma resposta