CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

Antiga sede do Banco da Lavoura de Minas Gerais, Recife, vendo-se do lado esquerdo o “Beco da Mijada” e um estacionamento de veículos

Meu leitor Fred Monteiro caiu na besteira de comentar sobre o passado bancário do Recife e isto me lembrou o “Beco da Mijada”, célebre ruela situada em plena zona da raparigagem portuária.

O primeiro emprego do meu caro leitor foi no Banlavoura, agência da Praça da Independência, mas a sede regional estava situada em plena Rua da Guia, “sede oficial” do Baixo Meretrício da Capital.

O Edifício Alfredo Fernandes, construído nos idos de 1930, foi um dos mais modernos do bairro portuário do Recife, formando, um quarteirão de um único imóvel, daqueles construídos nas Américas, após a Primeira Guerra Mundial.

O arquiteto definiu que a entrada lateral ficasse meio voltada para a Rua da Guia, mas transversalmente localizada, dando a impressão que não estava virada para lugar nenhum.

A entrada principal, recebeu a numeração pela Av. Alfredo Fernandes, 149, uma porra de rua estreita, mal pavimentada, que jamais teria fisionomia de avenida. Os trilhos dos bondes ainda estão lá para comprovar nossa história.

Vale nos reportar ao fato pitoresco.

O Restaurante Gambrinos sempre foi o chic do lugar. Seu maior movimento era justamente durante às noites. Entretanto, em que pese sua distinta clientela, sofria muito com a “putanagem reinante nas noitadas da alta boemia

A prostituição dava intensidade à vida do bairro e lucro aos restaurantes e bares. Incomodado com o fato de sempre estarem os sanitários do restaurante cheios e mal cheirosos, o Gerente José Pacífico decidiu só permitir o uso dos “WCs” para a clientela.

Não sendo cliente da Casa, que fosse urinar no inferno!… Para isto criou o velho sistema de mantê-los fechados, só permitindo o acesso através da obtenção de uma chave, que ficava em poder do Caixa.

Os cavalheiros desconhecidos não teriam direito às privadas. Acabaria assim com a esculhambação reinante. Isso motivou um fato “gineco-urológico” que ficaria no anedotário e na própria História do Bairro do Recife.

Tempo houve em que a cambada enchia a cara de cerveja nos bares menos “alinhados” e na hora de fazer o “depósito urinário” corria para o Gambrinos, a casa chic, que mantinha seus “aparelhos” impecáveis.

Impedidos de fazerem seus “derrames” no antigo local e estando com o saco cheio, corriam os mijantes para qualquer esquina, a fim de despejar o que já fora o “precioso líquido”; agora já um “líquido enferrujante”, além de mau cheiroso.

Havia uma ruela que separava a Rua do Apolo e a Rua da Guia, exatamente nos fundos do Edf. Alfredo Fernandes, local onde se havia instalado, em 1949, o Banco da Lavoura de Minas Gerais S.A. O local tornou-se mictório popular.

Às caladas da noite, “na moita” a “urinagem” fora da Lei de Posturas ocorria indecorosamente. Os que se viam “apertados”, iam até o meio da ruela, para melhor se ocultar e soltavam seus “jatos aliviantes”.

Nas manhãs dos dias úteis o funcionalismo do Banco da Lavoura – que ficava exatamente na esquina do beco- não suportava o mal cheiro; e para sanar a problemática, o Gerente, sr. Bravo Rodrigues, mandava jogar baldes de água com detergente, todos os dias, para aliviar.Mas de nada adiantava.

Como solução extrema, meses depois, veio outro Gerente do Banco e teve a “luminosa” ideia de mandar instalar um portão de ferro, com ferrolho e cadeado. Mas, mesmo assim não tinha jeito: a mijação continuaria. A “negrada”, como diria Capiba, arrodeava pela Rua do Apolo e tinha acesso da mesma maneira ao mictório indesejável.

Outra tentativa de solução veio depois de alguns dias, o Síndico do prédio resolveu fechar o lado oposto. Foi ainda pior porque os mijantes, com raiva, passaram a urinar nos portões, principalmente naquele situado na porta do Banco; ou seja ainda mais próximo da entrada de funcionários e clientes.

Ficou na história aquele espaço sem dono, batizado pelos usuários: “O beco da mijada.”

5 pensou em “O BECO DA MIJADA

  1. É um deleite ler suas crônicas meu caro Carlos. Lembrei do tempo de bancário lá em Fortaleza no Banco da Lavoura de Minas Gerais. Bons tempos. Boas lembraças!

  2. Carlos, meu muiito obrigado por recordar um dos empregos que me enchia de orgulho.. Ser bancário e ainda mais do Banco da Lavoura de Minas Gerais, onde fiz grandes amizades. Emprego que durou pouco tempo, pois em 66 passei no vestibular de Direito e a UNICAP só mantinha o curso diurno, só passando a incrementar o noturno quando eu já estava passando para o quarto ano. E assim, fiquei somente com meu emprego de músico.. O que foi excelente.. Hoje em dia, fiz o caminho inverso. Depois de aposentar-me como Procurador, reassumi a carreira de músico, com muito orgulho também. Suas crônicas têm esse condão, meu caro, de nos renovar nas lembranças de momentos que não voltam mais.., E quem não frequentou aquelas plagas zoníferas e mijadíferas do Recife Antigo, só viu a banda passar.

  3. Este “Beco’ salvou muita gente, digo, bebuns com as suas boas mijadas. Será que lá acontecia , nas madrugadas, somente as boas mijadas?

  4. Deco,

    A gente fica escrevendo e outros leitores, brincando, mas nada como uma “aliviada”, porque, mijar nas calças, meu caro, é desmoralizante, sobretudo se for véio.

    Certa feita fui apresentar um velho amigo, de 75 anos, a um departamento da Universidade Católica de Pernambuco e lá houve muita conversa durante uma reunião.

    Acanhado em solicitar licença para urinar, meu amigo Otacílio aguentou até o fim. U ato heroico.

    Quando saimos da sala e chegamos ao elevador ele comunicou que estava “apertadíssimo” e precisava de um wc. Optamos por procurar na Portaria.

    Apavorei-me porque se ele urinasse no elevador seria um escândalo e se entrasse mais algum passageiro teríamos que inventar alguma mentira, a fim de justificar a mijação no piso.

    Elçe ficou segurando a “tromba”, (já sem a mesma rigidez dos seus 14 anos), até que descemos e sem achar um sanitário ele não esperou e se dirigiu andando rápido e meio desengonçado até onde estava seu carro.

    Pensei no pior. Deu no que deu, ele sentou-se e mijou seu próprio banco, enquanto o motorista olhava aterrorizado, quando ele, comemorou sua “aliviada” com quase um grito de guerra:

    – “Tô me mijandoooooo!!!.”

    E o mel desceu pelo tapete do luxuoso Aero Willys.

    Por isso o Beco da Mijada facilitou apertos de muita gente.

    Grato por sua leitura.

Deixe uma resposta