A PALAVRA DO EDITOR

Passadas as emoções, alegrias e entusiasmos pela posse do presidente Joe Biden, nos Estados Unidos, o mundo inteiro principia a binoculizar seus amanhãs pós COVID-19 com o novo mandatário.

Milhões e milhões já se preparam para estruturar seus futuros, exceto as nações possuidoras de dirigentes insanos e incultos que persistem em continuar negativando fatos para aparecer nas telas como maior que os promotores das vacinas salvadoras.

Cansando-se diante da mediocridade estratégicas do Ministério da Saúde, comandado por um nunca médico metido a general, e no das Relações Exteriores, sob comando de um alucinado, um povo pra lá de arretado de ótimo, o brasileiro, gerado por três raças distintas entrelaçadas, já percebeu que os próximos tempos, a partir das eleições de 2022, serão de vital importância para uma efetiva caminhada na direção de um desenvolvimento social e econômico mais ajustado às necessidades das diversas áreas geográficas.

Três questões necessitarão de especiais atenções nos novos tempos, a partir de 2023: um ajuste estrutural do setor público, uma maior criatividade empresarial do setor privado e a consolidação de um novo modelo de desenvolvimento nacional, priorizadas as vertentes que dizem respeito aos princípios da cidadania e da profissionalidade.

O professor Antônio Kandir, em trabalho editado pela Editora Atlas, Brasil Século XXI – Tempo De Decidir, definiu as reformas estruturais que possibilitarão ao país ingressar num pós 2022 com uma classificação socioeconômica mundial menos incômoda, mais respeitada e menos espúria, digna por derradeiro: a) ajuste patrimonial do Estado; b) reforma fiscal que redefina competências e receitas entre as esferas federal, estaduais e municipais; c) reforma administrativa que eleve os níveis de competência técnica do funcionalismo público; d) reforma da Previdência Social que reequilibre financeiramente o sistema, impossibilitando a chegada de um déficit inadministrável; e) reforma tributária que estimule a modernização produtiva e multiplique a eficiência e a base da arrecadação, melhor distribuindo o peso dos impostos; f) reforma do setor produtivo estatal, elevando o nível de investimento e a eficiência em setores-chaves da infraestrutura; g) reforma política que estimule a constituição de partidos fortes e de um sistema político menos fragmentado, mais estável, a favorecer uma governabilidade dinamicamente democrática.

As diretrizes acima, discutidas e aprovadas por um Congresso Nacional devidamente pressionado pelas mais cidadanizadas partes da população brasileira, seguramente favorecerão os caminhos brasileiros na direção de um porvir mais próximo de uma configuração primeiro-mundista, sem as patologias sociais que hoje vitimam as áreas mais prósperas do planeta, consequência direta de um capitalismo que soube gerar dividendos, muito embora historicamente desatento ao todo planetário.

Particularmente, acredito que algumas iniciativas deverão ser classificadas como de prioridade máxima. A primeira delas relacionada está diretamente com uma urgente reestruturação constitucional, eliminando-se as obsolescências paternalistas e as minudências administrativas, estas mais propícias para regulamentações meramente administrativas.

A segunda, favorecendo o amadurecimento da cidadania coletiva, posiciona-se na direção de uma ampla reforma partidária, evitando-se prostituições eleitoreiras oportunistas. Com redução das representações na Câmara e no Senado, além de um número menor de agremiações políticas..

E uma terceira, intercomplementar com as duas primeiras, diz respeito ao rejuvenescimento do minguante sistema educacional brasileiro, hoje já bastante caquético, ainda que, aqui ou ali, trajando camisa de linho puro algodão, caneta Mont Blanc e telefone celular, embora tudo abaixo de um pescoço acima do qual se encontra uma mentalidade de décadas passadas.

Acredito no futuro brasileiro, sem falsos pieguismos, nem moralismos hipócritas. Como muitos milhões de outros companheiros, entendendo que a vontade de continuar sem medo de ser feliz não deve ser apenas vista como um simples mote de campanha política de outrora.

15 pensou em “NOVOS TEMPOS PÓS PANDEMIA

  1. Ès um idiota que como muitos esta enxergando com o olho do ” orifício rugoso ” vulgo Cú ,o Trump ( como ) o Bolsonaro compraram as vacinas antes de existir ,quando Trump saiu, tinha acabado de começar a vacinação e a CNN vergonhosamente um dia após a carniça assumir a Presidência a contagem de mortes que eles apresentavam 24 horas nos estudios, eles tiraram.

  2. Meu caro Fernando, a covid impôs novas relações produtivas, trabalhistas, etc. O governo economizou mais de R$ 500 milhões em diárias. Participamos de defesas de teses, de dissertações, de congressos, tudo de forma remota…. até criamos um Cabaré!!!
    O país precisa se ajustar e os três pontos colocados são importantes pra uma vida pós covid

  3. Fico espantado de encontrar num ambiente como este aqui, cheio de gente gabaritada e de alto nível, um sujeito que fala em “emoções, alegrias e entusiasmos pela posse do presidente Joe Biden”

    A roubada, fraudulenta, fraudada, manipulada e vergonhosa eleição do decrépito, demente e caduco Biden.

    Estamos diante de um defensor aberto de fraudes e bandidagens.

    Bem que se diz que neste jornal tem de tudo.

    Não consegui passar do primeiro parágrafo.

    Hoje vou rezar e pedir a Deus para que abra a cabeça desse demente.

  4. Prezado mestre,

    O senhor já escreveu muita besteira e imbecilidade aqui no JBF. Dessa vez o senhor se superou!

    Vá ficar “sem medo de ser feliz” lá na Venezuela, na Coreia, ou mesmo em Cuba. Lá o setor estatal é do tamanho que o senhor gosta. As eleições são bem parecidas com a de Joe Biden. As instituições de ensino são uma beleza também! Só ensinam marxismo-leninismo-bolivarianismo. Tudo bem a seu gosto.

    Só tem um porem: Trate de ser amigo dos ditadores do momento, ou então, vai ter de comer cachorro assado.

  5. vocês estão sendo injustos. não vejo nada de incoerência no comentário de fernando sobre biden. um velho senil caduco tem mesmo que prestar homenagem a outro.

  6. Agradeço ao gentil comentário luminoso do grande Assuero. Aos demais também agradecido fico pelos comentários. Costumo não apanhar as pedras do caminho, pois tenho coisas mais importantes pra fazer, preparando-me para uma senilidade ainda não chegada.

  7. Permito-me apenas comentar as declarações do Antônio Kandir, usando uma citação de Lawrence Reed que usei em um pitaco que publiquei um ano atrás:

    “Os estatistas estão constantemente “reformando” seu próprio trabalho. Reforma tributária, reforma trabalhista, reforma política, reforma da previdencia, reforma da educação, reforma sindical, reforma da saúde. O simples fato de eles sempre estarem ocupados “reformando” suas obras é uma admissão implícita de que eles não acertaram nada nas outras 50 vezes que tentaram.”

  8. Prezado Marcelo,

    Você matou a pau!

    O que esse bando de filhos da puta quer sempre é achar algum motivo para continuarem nos extorquindo, enquanto continuam mamando nas suas mordomias mil às nossas custas.

    Por mim, vai tudinho mamar em Polodoro!!!

    Isso se não forem devidamente guilhotinados, é claro. Neste caso, deverão mamar na pajaraca do Satanás, lá nas profundezas dos infernos, de onde vieram e nunca deveriam ter saído.

  9. Há uma sabedoria sagrada que diz que Nunca se deve atirar pérolas aos porcos. Acredito piamente nessa reflexão. Bem como na autonomia que se deve ter para pensar o que vier na mente. Um abraço dominical no Dia Nacional da Poesia para todos que opinaram. E homenageio o poeta cearense Bráulio Bessa: “Quando tudo for escuro / e nada iluminar, / quando tudo for incerto / e você só duvidar… / É hora de recomeço. / Recomece a acreditar.”

    • “Há uma sabedoria sagrada que diz que Nunca se deve atirar pérolas aos porcos. Acredito piamente nessa reflexão”

      Depois das críticas, esta reflexão demonstra duas coisas quanto ao Colunista:

      1 – Se acha o máximo (produz perolas)

      2 – Trata seus debatedores como porcos (não sabe lidar com criticas)

      Conclusão, é mais um esquerdista isentão mimizento.

      • Obrigado aos que possuem mentes luzidias, não autofágicas. Continuarei sempre um servo do Altíssimo, sem rebolar nem baixar a cabeça diante dos que se alimentam de negativismos materialistas pueris e grosseiros.

        • O Altíssimo é infalível. Um dia Ele irá abrir os teus olhos e te fazer enxergar a realidade verdadeira ao teu redor. Ele vai providenciar um saneamento total no teu cérebro e jogar luz nas trevas em que estás mergulhado. Vou orar e pedir que Ele tenha piedade de ti e cure a tua cegueira.

          • Que Deus te ouça, caro Aroldo. Minha fé é inabalável. Já minha esperança…

            Repito Nelson Rodrigues:

            “invejo a burrice, pois ela é eterna”.

            “Existem situações em que até os idiotas perdem a modéstia”

Deixe uma resposta