PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

Dedé Monteiro, o Papa da Poesia, nascido em setembro de 1949, no sitio Barro Branco, município de Tabira, Pernambuco

* * *

Dedé Monteiro glosando o mote

Saltei mas de mil cancelas
Na estrada dos desenganos.

Na estrada dos desenganos
Contei mais de mil palhoças,
Pequenas, pobres, singelas,
Passei por mais de mil roças,
Saltei mais de mil cancelas,
Dormi em mais de mil redes,
Saciei mais de mil sedes,
Desmanchei mais de mil planos,
Fiz mais de mil amizades,
Deixei mais de mil saudades,
Na estrada dos desenganos.

Passei por mais de mil cruzes,
Acendi mais de mil velas,
Divisei mais de mil luzes,
Saltei mais de mil cancelas,
Mais de mil vezes chorei,
E o pranto que derramei
Valeu por mais de mil anos…
Desfiz mil sonhos queridos,
Soltei mais de mil gemidos
Na estrada dos desenganos.

Ganhei mil cabelos brancos,
Fiz mais de mil sentinelas,
Venci mais de mil barrancos,
Saltei mais de mil cancelas,
Escutei mil passarinhos,
Pisei mais de mil espinhos,
Padeci por mil ciganos,
Ganhei mais não do que sim,
Deixei mil partes de mim
Na estrada dos desenganos.

* * *

Zé Mariano glosando o mote:

Vejo um quadro pintado de saudade.
Na parede da minha solidão.

Relembrando meus tempos de criança,
Os momentos alegres que passei
Na casinha de barro onde morei,
Muito simples, mas farta de esperança,
O orgulho que tinha a vizinhança
Já me vendo um futuro cidadão,
Quando lembro a ponteira do pião
Enrolando na minha mocidade,
Vejo um quadro pintado de saudade
Na parede da minha solidão.

Se fingir que dos anos me esqueci,
Se por ser vaidoso ou por desgosto,
Sem ter traumas, as rugas do meu rosto
Vão mostrar que de fato envelheci.
Na escola da vida eu consegui
Receber o diploma de ancião,
E na hora da minha conclusão,
No canudo manchado da idade
Vi um quadro pintado de saudade
Na parede da minha solidão.

Ela foi me dizendo que voltava
Eu fiquei aguardando seu regresso
Foi-se um ano, dois anos, sem sucesso
Nem recado, nem carta ela mandava
Quando alguém por capricho perguntava
A esquecesse poeta, sim ou não?
Respondia com a voz do coração
Implorando por sua liberdade
Tenho um quadro pintado de saudade
Na parede da minha solidão.

Pra poder esquecer quem certo dia
Fez morada na sombra do meu peito
Resolvi por em prática meu direito
De viver como um pássaro em harmonia
Dei um laço abraçando a poesia
E depois de tomada a decisão
Coloquei toda a minha inspiração
No lugar de quem era outra metade
E nunca mais vi um quadro de saudade
Na parede da minha solidão.

* * *

A TAMPA DO TABAQUEIRO –  Dedé Monteiro

Vovô morreu muito pobre
Sem nada deixar de herança
Mas me deixou por lembrança
Um tabaqueiro de cobre.
Nunca vi coisa tão nobre,
Era um troféu verdadeiro!
Na tampa tinha um letreiro
Que o velho escreveu pra mim
Pedindo pra não dar fim
A tampa do tabaqueiro.

Por isso eu nunca emprestava
O tabaqueiro a ninguém,
Mas quando chegava alguém
Pedindo tabaco, eu dava
O bicho nunca secava,
Pois quando estava maneiro
Eu machucava o tempero,
Torrava o fumo e fazia.
Tinha vez que nem cabia
A tampa do tabaqueiro…

Eu estava mais do que liso
Num dia que faltou fumo…
Fiquei vagando sem rumo,
Quase que perco o juízo…
Meu irmão, com ar de riso,
Me vendo sem paradeiro,
Falou: “Vá no bodegueiro,
Peça e diga: “eu depois venho”
Ou então deixe de empenho
A tampa do tabaqueiro…”

Eu disse assim pro meu mano:
“Já me deu dor e cabeça,
Mas inda que eu endoideça
Não faço ato tão tirano.
Embora que eu passe um ano
Aperreando o fumeiro
Não deixo de ser herdeiro
Desta coisinha estimada.
Morro e não deixo empenhada
A tampa do tabaqueiro.

Não sei como não virei
A bola naquele dia:
Nunca vi tanta agonia
Como aquela que passei…
Somente de noite achei
Quem me emprestasse o dinheiro:
Corri pra venda ligeiro,
Mas na carreira caí
E, nessa queda, perdi
A tampa do tabaqueiro.

Fiquei muito aperreado,
Procurei por todo canto,
Mas o escuro era tanto
Que nada deu resultado.
Já bastante encabulado,
Fui atrás d’um candeeiro.
Mas caía um chuvisqueiro,
O desgraçado apagou-se
E eu nem sei como encantou-se
A tampa do tabaqueiro.

Voltei pra casa tremendo
Que só badalo de campa…
E a condenada da tampa
Eu parecia estar vendo.
Continuava chovendo,
Eu escutava o chuveiro.
Subia do bolso um cheiro
Que me deixava doente,
Sem poder tirar da mente
A tampa do tabaqueiro…

Nessa noite aperreada
Não dei de sono um cochilo.
Escutei canto de grilo
Até três da madrugada…
Depois, sem café, sem nada,
Andei quase o dia inteiro.
Ninguém me dava roteiro
E eu me danava com isto.
Nem satanás tinha visto
A tampa do tabaqueiro.

Notei que jeito não tinha,
Deixei de mão d’uma vez
Passou-se um mês, outro mês,
Sem notícia da tampinha.
Um dia, de tardezinha.
Eu tive um plano certeiro:
Pedi ao Pai Justiceiro,
Filho da Virgem Maria,
Que me mostrasse algum dia
A tampa do tabaqueiro.

E eu não estava enganado.
Deus escutou minha voz.
A noite, dormindo a sós,
Eu tive um sonho engraçado:
Era um menino encantado,
Envolto num fumaceiro,
Dizendo: “Dedé Monteiro,
Vá lá no monturo, vá,
Que lá você achará
A tampa do tabaqueiro.”

Acordei, corri pro muro,
Estava quase sem tino,
Pois o sonho do menino
Era verdadeiro e puro!
Inda estava um pouco escuro,
Fiz café, tomei primeiro,
Depois chamei um lixeiro,
Fomos os dois para o lixo,
Procuramos com capricho
A tampa do tabaqueiro.

Procuramos sem repouso,
Até que o sol declinou.
Foi quando o lixeiro achou
A tampa muito orgulhoso!
E eu, muito mais jubiloso,
Paguei ao bom companheiro.
Depois mandei o ferreiro
Derreter um par de brinco,
Botar dobradiça e trinco
Na tampa do tabaqueiro!

Deixe uma resposta