CARLITO LIMA - HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA

Convicta dentro de sua insanidade, Ambrosina se orgulhava clamando aos quatro cantos da cidade: “Eu sou a Miss Paripueira”. Vestida de saias e blusas chamativas, enfeitada de colorares, diversas pulseiras enchiam seus pequenos braços. Baixinha e amável tinha paixão por sua peruca, amarrava uma fita na testa; os óculos escuros era peça imprescindível durante o dia e a noite.

A molecada gostava daquela figura excêntrica, que em sua imaginação ouvia música, cantava e dançava, marcava passos como uma bailarina, a dança estava no seu sangue, na sua índole, na sua loucura.

Nasceu não se sabe quando na comunidade de Paripueira, belíssima praia, atração turística do Nordeste, antigo recanto de poucos privilegiados, mar azul esverdeado. Marolas beijando os pés à beira-mar, andar dentro d’água ao fundo é um passeio, depois de alguns momentos mar à dentro, a água permanece pouco acima da cintura. Artistas, letrados, loucos e veranistas moram naquele paraíso promovido a cidade, perto da capital, um bairro de Maceió.

Ambrosina Maria da Conceição, era uma mulher saudável casou-se, teve filhos, até que um dia desatinou, sentiu-se linda, coroou-se Miss Paripueira. Em janeiro na famosa Festa de Santo Amaro era a alegria da meninada, divertida com seus colares, suas roupas coloridas e um sorriso constante na boca como se tivesse debochando do mundo, tornou-se símbolo da cidade. Nos carnavais ela percorria a maratona carnavalesca na Rua do Comércio em Maceió, o Banho de Mar à fantasia na Avenida da Paz e gostava de acompanhar os blocos pela cidade.

Ficava triste e irada quando a meninada a chamava de Sabiá, canela de Sabiá, perdia a alegria, se zangava, pegava pedra e pau sacudia na garotada. Certa vez acertou uma pedra no olho de um jovem, o levaram para no Hospital, o pai, influente político foi à Delegacia deu queixa do ocorrido, exigiu a prisão de Miss Paripueira. Entretanto, alguns moradores defenderam aquela criatura, não fazia mal algum. Para assegurar a liberdade levaram-na num jipe para Maceió, escondendo Ambrosina na casa de um primo no bairro do Poço. Morou algum tempo na capital. Todos os dias ela se arrumava com vestidos chamativos, seus inefáveis óculos escuros, a bolsa espalhafatosa e desfilava pela Rua do Comércio no centro da cidade. Empolgava-se em sua loucura ouvindo o povo aclamar, gritar: “Miss Paripueira!” Envaidecida, agradecia com uma reverência abaixando o corpo, dava uma volta, um adeus com a mão, continuava em frente, era a mulher mais bonita e mais feliz do mundo.

Em sua cabeça toda população lhe olhava, lhe admirava. Entretanto, seu maior prazer era dançar, quando ouvia música, a baixinha saía nos passos bem marcados, tinha ginga e balanço. Durante o carnaval ficava à frente dos blocos, seja o Vulcão, o Cavaleiro dos Montes, o Vou Botar Fora, Miss Paripueira era sempre bem vinda fazendo o passo no seu estilo alegre, contagiante. Sempre agradecendo à multidão, aos fãs, delirava em sua cabeça ao ouvir gritar: Miss Paripueira, Miss Paripueira.

Não se sabe o fim da doce, encantadora, louca, extravagante criatura que em sua época teve um pedaço do reino do mundo nas cidades de Maceió e Paripueira. Não se sabe onde ou quando morreu. O povo não a esqueceu, artistas anônimos lhe prestaram algumas homenagens anônimas.

Na entrada da cidade havia um bar com o nome de Miss Paripueira e um seu retrato pintado na parede com cores chamativas. O cineasta e ator José Marcio Passos dirigiu e produziu um curta documentário, “Meu Nome é Miss Paripueira”, exibido em 1978 no Festival de Cinema Brasileiro de Penedo.

Mais recente, na era da Internet nas redes sociais existe um grupo: “Eu sou fã de Miss Paripueira”. Em um carnaval houve um concurso de fantasia exclusiva de Miss Paripueira, foi um sucesso apareceram mais de 20 mulheres fantasiadas. Celso Brandão, premiado fotógrafo alagoano tem uma série de retratos de Ambrosina, nossa pacata e alegre cidadã. Não podemos relegar ao esquecimento os heróis e heroínas, famosos anônimos, de nossa cidade.

Obs. Essa crônica fará parte do livro: “FAMOSOS HÉROIS ANÔNIMOS”, historias biográficas de figuras simples ou loucas de nossa cidade.

3 pensou em “MISS PARIPUEIRA

  1. Grande Carlito,
    Seu leve texto, de forma empolgante, homenageia os destacados por ser, e não pelo ter. Parabéns, pois ele revelam mais de você do que dos próprios homenageados.
    Ontem tiver o prazer de ver sua entrevista na TV. Apesar de dificuldades do som foi excelente.
    Um grande abraço.

  2. Amigo Carlito, tenho publicado seus textos em meu Almanaque, com autorização, principalmente do fraterno Luiz Berto. Mas, desde janeiro deste ano, venho sofrendo seriíssimo problema no pé esquerdo, inclusive com internação em hospitalar, amputação de dedo, muito antibiótico, tratamento domiciliar e fisioterapia. Por isso, vejo-me impossibilitado de pescar assuntos em outros sites, como sempre fiz.
    Por isso, se você achar que devo continuar a publicar seus excelentes textos, que muito enriqueciam o Almanaque Raimundo Floriano, por favor, mande-os diretamente para mim, através do site abaixo.
    Obrigado!
    Deus conosco!
    raimundofloriano@raimundofloriano.com.br

Deixe uma resposta para Neto Feitosa Cancelar resposta