44 pensou em “MIRIAM M.R. SOUZA – MACEIÓ-AL

  1. O amor é lindo!

    Me veio um nome na minha cabeça agora: Artemísia.

    Quem é antigo aqui no JBF, sabe do que estou falando.

    Quem não é, fique na curiosidade.

    • O amor é sempre lindo em todas as suas formas
      Paternal, maternal, fraterno (no meu caso), incondicional, etc.
      Artemísia ? Pelo menos eu não tenho a menor curiosidade.
      “A curiosidade matou o gato”.

          • Que bom que aprendeu. Mas (irremediável) tem muito mais a aprender. Creio que você já é um “senhor” . Não queira aprender comigo. Como diz o Adônis “quero mais é ver o pau comer”.
            Dou um boi para não entrar em uma briga mas (!) dou uma boiada inteira para não sair dela se assim for preciso.
            Comigo não serafim.

            Lição 2 – Antiguidade (lembra mofo) não é posto.

            Lição 3 – Tente aprender com Sancho, Cícero, Magnovaldo, Violante, Beni, Pontes e tantos outros ( a lista é grande) o que é educação, admiração, respeito, amizade.

            Espero sinceramente não ter que chegar a lição 4.

            Hoje tenho todo o tempo do mundo (e paciência também).

            Tenha uma boa tarde

            • Shirley, eu não entendo a razão pela qual v. anda tão irritada comigo. Não lhe citei acima, caso tenhas entendido assim. Também não especifiquei a que tipo de amor me referia, porém se entende que a referência foi feita entre v. e o meu querido amigo Sancho, é o fraternal, não restam dúvidas.

              No mais, também não quero brigar com v., seria inútil e fraticida, no que se refere às ideias.

              Já lhe disse outra vez que nossas divergências são irrelevantes, diante do que mais me interessa, que é defender as ideias conservadoras.

              Se lhe ofendi de alguma forma, peço sinceras desculpas, pois sei que erro muito, às vezes e não de forma deliberada.

              Abraço

              • Pois bem, se reconhece que erra já é um começo. Então conte até 10 (ou mais) antes de escrever.

                Hoje estou de folga e passeando pelo JBF e outros informativos.

                Eu tenho (e todos sabem) uma admiração grande por tudo que Sancho escreve. Ele tem uma mente e uma alma privilegiadas.
                Como tantos outros também.
                Sancho tem catilogência (aprendi com Cícero).
                E que Deus o preserve assim sempre e pra sempre.

                Reforço mais uma vez. Sou da paz ! Mas (companheiro) tenho “calos” (figurativamente falando) e pobre do que pisar neles.

                Abraço

            • Ah, cara Shirley, para que se aparem todas as arestas, Artemísia era uma comentarista aqui do JBF por quem o grande Sancho nutria grande admiração. Ela não tem nada a ver com v., pois a referida desiludiu o nosso amigo de forma irremediável.

              • Sancho pode admirar quem ele quiser.
                Se ela o desiludiu também não cabe a mim “fuxicar”.

                É uma pena. Pensei que eu era a única por quem Sancho nutria grande admiração. Como nos iludimos facilmente nós mulheres.
                Cristal partido.

                Chorarei a tarde inteira ….

                (hehe)

              • Cheguei agorinha do “trampo” e encontro dois “lindos” se entendendo às mil maravilhas…

                Que João e Schirey, duas pessoas maravilhosas e que moram no coração de Sancho parem com a inútil e fraticida, contenda, pois muito possuem em comum em suas escolhas políticas e no que se refere às ideias (como não concordar com o que disse João Sem Medo?)…

                Deixem eu chegar chegando nesta postagem que começou muito bem, com um belíssimo “decotelli” à moda bolsonarista, o que me faz agradecer à alagoana Miriam por tão elogiável gosto na escolha da foto.

                No respeitado estabelecimento de Maria Bao Mole tais “decotelis” possuem imenso valor.

                Outro ponto… Artemísia (qe Deus a tenha) foi amor de verão, que acabou se revelando fruta com caroço, algo que me dá alergia, portanto impróprio para o consumo sanchiano.

                E termino, após olhar atentamente a foto apenas constatando que o time Bolsonaro vence de goleada os demais times da seguidoras políticas no quesito beleza, pois lembremos aquele timaço da vermelhas que Berto sempre coloca aqui no JBF para assombrar os leitores. kkkkk

                Um abração pro João e beijão na paranaense mais “esquentada” que o JBF já conheceu.

                Vida longa a Papa Berto, responsável direto pelos maravilhosos que circulam pelo JBF; BERTO/ALINE é dupla que mora de graça em minha estima e deixo aqui um beijo a todas as bolsonaristas deste meu Brasil varonil.

                • Ah, antes que me esqueça… que a Miriam continue a sessão colírio, colocando aqui, para alegria dos velhinhos fubânicos, as belas moças do time verde-amarelo.

                  Se não for pedir muito, que a próxima seja ruivinha…

                  E segue firme minha campanha para BB – Bolsonaro Presidente e Berto vice em 2022 e com Berto para presidente em 2026, tendo como vice o meu caro amigo Boão Brancisco. kkkkkkkk

                  Em 22 vá pra urna e digite 22. Depois é só confirmar para mais 4 anos de felicidade plena.

                  Deus, família, pátria. O resto é choro esquerdista…

  2. Sancho mediador ?

    Eu sou militante 24 horas por dia.
    Tenho mais a dizer sobre as eleições mas (incrustrado) não agora.

    Amores de verão …

    • Pois é, cara Schirley, pois é. Deste amor de verão entre e a “falecida Artê” da missa v. não sabe nada. Dá para escrever um livro.

      No fim deste nosso colóquio, me vem a pergunta: porque mesmo que eu me lembrei da “falecida” Artemísia? Ah, deixa pra lá e sigamos em frente.

      Abraço, minha aguerrida amiga.

        • Sobre a “amada” Artê era uma “burrinha” que vivia dando pitaco errado e sendo questionada pelo João e demais comentarista; Sancho, um gentleman, entrava na jogada para “defender a indefesa” donzela.
          Um belo dia veio à luz a identidade da “rapariga” que era, se não me falha a memória, uma mistura de John Doe, Hipólito ou algo que o valha… Depois que estes foram na base “de o vento levou”, surgiu o C Eduardo, que não tenho certeza se tem algo com o assunto ou apenas mera coincidência… kkkkkkkk

          • Pois é caro Sancho, tinha a Sra. Sônia Regina também, uma delicada Sra. que não gostava de baixarias, mas acho que também era do time da Artê. Velhos tempos. Hoje está melhor. rsrs

            • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

              Lembro da santista Sonia Regina que não aguentou a “pressão” e não mais voltou.

              Uma pena que a santista partiu….

            • Sancho, o homem das mil e uma mulheres.
              Estou começando a achar que uma mulher comentarista jamais terá respeito por parte de alguns.
              Será por isso que a santista partiu ?
              E vocês estão achando realmente que faço parte disso ?
              Artês, Sonias …
              Não se apequene Sancho.

              “Não aguentou a pressão e não mais voltou” (Sonia).

              E você Sancho falando em trazer mais comentaristas para o JBF.
              Para sofrerem “pressão” ?

              Sem palavras.

              Boa noite

              • Caríssima Schirley,
                1) A área de comentários é comum a todos, independente do sexo, da ideologia, da religião, como vc bem sabe;
                2) O não aguentar a pressão é porque as pessoas citadas entravam em rota de colisão, divergindo em gênero, número e grau do que alguns escreviam, surgindo, portanto vários debates acalorados; já houve até convite para briga de faca entre Adônis e Altamir; o Goiano entrava de sola em sua defesa ao Lula. Sendo um camarada que não fugia do debate, defendia tese sobre as maravilhas socialistas e seus seguidores.

                Não há como as trocas de farpas, por vezes, deixarem de elevar os ânimos, fazendo que, por exemplo a Sonia Regina, que não sabemos se era mulher ou mais um personagem do John Doe, tenha saído do debate. Essa jamais saberemos.

                Havia, ainda a Tia do Zap que tinha um perfil próximo ao da Nacinha.

                Falo em trazer mais comentaristas para o JBF e todos sempre são muito bem vindos, mas (sempre há um) há comentaristas que resolvem partir para a agressão verbal (coisa rara de acontecer neste espaço), mas que acontece.

                Sabe bem você que discussões políticas e religiosas possuem combustível suiciente para uma ou muitas guerras.

                Muitas vezes uma palavra mal encaixada gera muita confusão.

                Temos aqui você, a Nacinha, a Anita, a Vivi, a Dalinha, a Constância, para citar as mais assíduas e a Aline na central de comando do JBF e todas são muito bem tratadas por todos. Inclusive os comentaristas de sexo masculino convivem entre si, de forma harmoniosa, sendo atualmente o C Eduardo o único a abertamente defender a pauta esquerdista, sendo ele fã de Dória e Moro. e sempre que aparece parte para o debate, sem maiores consequências.

                Tenha uma ótima noite, querida amiga…

      • Que bom que dá para escrever “um livro” desse amor de verão entre Sancho e Artê. Se Sancho resolvesse escrever um livro seria muito bem vindo. Talento é o que não falta ao menino dos cocos.
        Quanto ao “da missa você não sabe a metade” se Sancho, algum dia, quiser me contar essa história escutarei com todo prazer. Se partir dele.
        Tudo que é passado deve permanecer no passado. Não faço parte do passado de Sancho. Sei do hoje. Muito bem casado como eu também. Temos amor (um, dentre todas as formas de amar), carinho, amizade, cumplicidade, conexão, etc …
        Naturalmente. Coisinhas que vão muito além das coisas mundanas.
        Temos paixão por livros, pela vida, pelos sonhos e muito mais do que você possa sequer imaginar João.
        Sendo Sancho o gentleman que é tenho certeza que se eu estivesse correndo algum perigo ele viria “montado” no Quixote Véi de Guerra pra me defender com todas as forças.
        E, se fosse o contrário, eu “criaria asas” e viajaria o mundo para defendê-lo também.
        Portanto João, nesta história Sancho e Schirley, quem não sabe da missa a metade é você. Sinto muito.

        “Se for possível amar alguém apaixonadamente, mesmo que só uma pessoa, então a vida tem salvação. Ainda que não seja possível reunirmo-nos com a tal pessoa”.
        Haruki Murakami

        Talvez João você devesse tentar descobrir o que é “amar as pessoas como se não houvesse amanhã”.

        Boa noite

      • “Porque mesmo que eu me lembrei da falecida Artemísia ?”

        Provavelmente para me dar uma luz depois de tudo que li entre você e Sancho.

        • Na boa Schirley, eu não tenho a menor dúvida de que v. realmente é uma mulher, v. teoriza demais, problematiza coisas que na verdade são simples.

          Nós homens somos binários. E pensar que tudo começou com uma postagem da Mìriam, de Maceió, lá em cima, que mostrou a foto de uma bolsonarista de belos olhos.

          Uma feminista ou uma mulher muito delicada (não estou me referindo a v.) realmente não aguenta o ambiente de “machismo tóxico” aqui da área de comentários desta Gazeta Escrota.

          Mas foi divertido, boa noite, vou dormir.

          Descanse, minha querida, que amanhã a vida continua e eu conto com sua presença aqui

Deixe uma resposta para maurinojunior Cancelar resposta