DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

Deus não me desmereceu
Quando não me deu altura
A minha língua cresceu
Pra cantar nossa cultura
A inspiração floresceu
No verso tenho estatura.

4 pensou em “MEU CALIBRE

  1. Concordo em gênero, número, grau e estatura. Principalmente quando vosmecê tá sentada na beirada daquele açude, cochapéu de paia na cabeça e pescando piaba prumode comer frita na banha de porco! Arre égua, que coisa boa! Tudo. Tudo é bo. Inté espiar vosmecê prumode lhe desejar paz e saúde – sabedoria você já tem é até de mais.

    • Olá, meu amigo José Ramos, até eu ando com saudades das beiras de açude do Ceará, depois dessa pandemia fiquei em um sitio, mas aqui no Rio, apesar de ter açude também, mas o clima é diferente. Mas que bom ter você me espiando aqui nos comentários. Meu abraço carinhoso.

  2. Parabéns, linda Dalinha! Estás cada vez melhor e permaneces bela! Conheço bem a estatura dos teus belos versos. Beijos do Boaventura, desde Fortaleza. Beijos do Caquim, desde Crateús.

  3. Ei meu amigo querido, obrigada por essa carrada de beijos, por esse olhar generoso e por não deixar de ser essa saudade que ficou grudada na lembrança. Viva as calçadas animadas do Barrocão e suas muitas histórias

Deixe uma resposta