DEU NO JORNAL

James Cadidé

Tenho 40 anos de atividade profissional.

Atividade muito intensa.

Em média 12 a 16 horas por dia, todos os dias, inclusive hoje, sábados e domingos, em plena pandemia.

Sou médico.

Sou professor na Faculdade de Medicina, para alunos de medicina que estudam numa Faculdade de Medicina.

Fiz especialização e fiz mestrado.

Mas vejo agora que estudei na faculdade errada: fiz meu curso de medicina em uma Faculdade de Medicina.

Só agora percebo que deveria ter estudado medicina numa Faculdade de Direito ou então numa Faculdade de Comunicação ou então ter sido eleito a um cargo político, sem nem precisar ir a uma faculdade qualquer.

É que fico bobo, de ver que neste mundo de pandemia, os jornalistas, os magistrados e os políticos acham que sabem muito sobre saúde. Muito mais do que eu e do que todos os meus colegas, que como eu, estudaram medicina numa Faculdade de Medicina.

Eles ditam regras sobre cuidados com a saúde, nesta pandemia de coronavirus, de uma forma tão dominadora e sem dar direito a contestação, em nome da ciência e da vida, que me deixa realmente bobo. Com uma arrogância e uma petulância tão intensas, com posições tão firmes e rigorosas e ditando regras inclusive contra o Conselho Federal de Medicina.

Conhecem os níveis de evidência científica dos tratamentos e decisões, muito mais que a constituição e muito mais que as leis e regras da comunicação e muito mais que as leis que regulamentam a atividade política.

Interessante é que eles, ao fazerem isto, esqueceram de ser jornalistas, de ser magistrados e de ser políticos, usando o que pensam que sabem de medicina, para ditar regras e impor condições.

Acham-se donos de uma verdade única, só deles. Absolutamente deles. Cada qual do seu jeito. Cada qual com a sua regra. Cada qual com a sua vontade, “para preservar vidas, em nome da ciência e sem negacionismos”.

Então…

Não sou médico, nem professor em uma Faculdade de Medicina?

Eu e meus colegas somos bobos? Muito bobos? Grandemente bobos? Infinitamente bobos?

Não.

Somos médicos e sempre seremos médicos, mesmo tendo estudado medicina numa Faculdade de Medicina.

Os jornalistas, os magistrados e os políticos estão perdendo o senso e deixando de ser pessoas humanas, inebriados que estão com o se fazer médicos, sem ter estudado medicina numa Faculdade de Medicina.

Em breve, constatarão que não são médicos e não mais serão nem jornalistas, nem magistrados, nem políticos e perceberão que estão com a cara pintada no centro de um picadeiro vazio, sem ninguém para rir.

Porque ser médico é ser muito além de tudo isto.

Especialmente se ele, o médico, tiver estudado medicina numa Faculdade de Medicina.

8 pensou em “MÉDICOS ESTUDAM MEDICINA NUMA FACULDADE DE MEDICINA

  1. Excelente explanação esta do Professor Cadidé. Professor sim, Doutor é para os médicos normais, Professor é para quem os ensina.

    O Professor coloca que hoje Jornalistas, Políticos, Advogados e Magistrados vêm ditar regras no combate à pandemia do vírus Chinês, sem ter passado um dia sequer numa sala de aula de uma Faculdade de Medicina.

    Gostaria de falar ao Professor que isso tudo tem método e faz parte de uma narrativa que visa uma mudança poder na geopolítica internacional, através da ditadura sobre hábitos da população.

    Estão dando uma guinada nas liberdades conquistadas na civilização ocidental, que sempre foi calcada no direito romano, filosofia grega e moral judaico cristã. Precisam acabar com os conservadores.

  2. Meu caro Doutor James

    Use teu formulário onde prescreve corretamente a mais de quarenta anos e receite:

    Para vocês, Políticos, Advogados, Comunicadores :
    COPULEM-SE DIARIAMENTE ENQUANTO DURAR A EPIDEMIA DE CORONA VÍRUS.

  3. Concordo que tem gente falando sem ter competência para tal.

    Mas vejo muitos comunicadores se apoiando em declarações de infectologistas, imunologisstas, OMS, etc…Aí estão cumprindo a sua missão apoiados em especialistas, como deve ser.

    E, prezado João, não acho que haja uma política conspiratória. Há competências e incompetências, apenas.

    Abraços

    • Caro Hipólito, é óbvio que atrás dos pitacos dos comunicadores, políticos, advogados e magistrados há sempre um argumento de autoridade; como a tal OMS, que já disse que o vírus chinês não transmitia entre pessoas, que podia viajar à vontade, que não haveria pandemia, além de passar um pano imenso para a China no tocante à investigação da origem do vírus.

      Ah, tem os “especialistas” como o Átila Tamarindo, que disse que até agosto do ano passado morreriam 1 milhão de pessoas no Brasil. O cara é tão recomendado que fez live com o Barrosão.

      Tem o Dr. Dráusio também, aquele que antes do carnaval de 2020 dizia que seria uma gripezinha, depois mudou. Nas eleições voltou a mudar de ideia novamente para dizer que não tinha problema uma aglomeraçãozinha. Veio a 2ª onda e prá variar mudou de opinião mais uma vez.

  4. O doutor James Cadidé.está certo.

    Se ele tivesse feito curso de gestão ambiental e fizesse carreira de assessor político poderia ter sido indicado e eleito presidente do Conselho Nacional de Saúde

    ( Fernando Pigatto é formado em Gestão Ambiental pela Universidade Norte do Paraná (Unopar). Desde jovem trabalhou na agricultura, depois tornou-se comunicador no Jornal Gazeta de Rosário, foi chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Santa Maria, em 2001, assessor no Projeto Consórcio Social da Juventude do Programa Primeiro Emprego do Governo Federal na região metropolitana de Porto Alegre, de 2005 a 2006, e assessor parlamentar na Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.)

    Se ao invés de estudar Medicina e se formar Médico , fizesse advocacia e também tivesse feito carreira como assessor de político tomaria posse na Secretaria de Saúde do estado do Maranhão e seria indicado pra ser presidente do CONASS ( https://www.blogdojorgearagao.com.br/2016/04/26/carlos-lula-assume-a-secretaria-de-saude-do-maranhao/ )
    https://www.saude.ma.gov.br/destaques/carlos-lula-e-eleito-presidente-do-conass/

    e se tivesse feito Sociologia poderia se tornar presidente da Fiocruz

    https://portal.fiocruz.br/nisia-trindade-de-lima

  5. Ficou proibido pela Oposição morrer de:

    1ª) Cardiopatia isquêmica
    2ª) Acidente vascular cerebral (AVC)
    3ª) Doença pulmonar obstrutiva crônica
    4ª) Infecções das vias respiratórias inferiores
    5ª) Alzheimer e outras demências
    6ª) Câncer de pulmão, traqueia e brônquios
    7ª) Diabetes mellitus
    8ª) Acidentes de trânsito
    9ª) Doenças diarreicas
    10ª) Tuberculose

    Só covid19 é permitido o óbito no país. Motivo: gera receitas para o município e para o governo estadual.

    Deu para entender os 400 mil mortos?

Deixe uma resposta