CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

A SUPREMA DIGNIDADE PARALIMPICA

Bandeira da Paralimpiada

“A maior deficiência não está no corpo do deficiente físico, mas, na alma do preconceituoso”.

A extraordinária fibra e capacidade destes seres humanos, em dar lições de perseverança e fé com superação física, psicológica, mental e espiritual, ao mundo, é emocionante.

Desde que se teve a ideia de se promover competições esportivas entre deficientes físicos como uma forma de reabilitar militares feridos na segunda Guerra Mundial. A ideia tomou força e vigor na Olimpíada de Roma, na Itália (1960), quando cresceram vertiginosamente. Incluem atletas com deficiências físicas (de mobilidade, amputações, cegueira ou paralisia cerebral), além de deficientes mentais.

As “restrições” impostas a esses heróis pela natureza e pela vida, são magistralmente contornadas e aniquiladas, bem ali, aos nossos olhos, a cada passada, braçada, arremesso, chute ou pedalada. Salvo engano, são 21 modalidades esportivas. A superação começa bem cedo na vida. Eles driblam as escassas condições pessoais e até sociais. Suplantam, inclusive, as denominações sórdidas. “aleijado, retardado, leso, doido” etc.

“O que não provoca minha morte faz com que eu fique mais forte” Friedrich Nietzsche

Enquanto as autoridades discutem se a correta denominação era PPD – pessoa portadora de deficiência ou PNE – portador de necessidade especial, a Convenção das Nações Unidas decidiu sobre o Direito das Pessoas com Deficiência – PcD. Indicando que, pelo fato de existir Pessoa com Deficiência, não signifique que esta condição inferiorize quem a tem. Ou se o termo correto é Jogos Paralímpicos ou Paraolímpicos. Os atletas, alheios a isto tudo, deram um verdadeiro show em várias modalidades. A cada conquista, a cada medalha, esses seres, pra lá de especiais, alcançara, o Olimpo! onde, merecidamente, são ovacionados como os novos deuses.

CHEGOU A HORA DESSA GENTE “ARRETADA” MOSTRAR SEU VALOR. PARAFRASEANDO MUSICA DOS NOVOS BAIANOS.

Entre esses verdadeiros heróis, destaque para o nosso risonho medalhista-recorde, com 27 medalhas, Daniel, que dá adeus as piscinas olímpicas, escrevendo para sempre seu nome na historia e nos dá enorme e sublime lição de vida.

O nadador paralímpico brasileiro Daniel Dias

2 pensou em “MARCOS CAVALCANTI – RECIFE-PE

  1. Parabéns pelo belíssimo texto, prezado Marcos André!

    Esses atletas, que participam da Paralimpiada, tem algo de sublime. São donos de uma força interior, que emana de Deus. São exemplos de fé e coragem, que nos levam a refletir sobre os mistérios divinos.
    Eles são seres predestinados, que nasceram com a missão de mostrar à humanidade o poder de Deus! O show de garra, coragem e Fé, que eles nos proporcionam é superlativamente belo!!!

    Bom fim de semana!

  2. Pura verdade, Violante.

    São pessoas dotadas de divinos dons e aptidões.
    Existem para nos dar lições de vida. Quantos dos ditos sem deficiência, sequer são capazes de realizar metade do que eles fazem.

    Obrigado e bom final de semana.

Deixe uma resposta