CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

S.T.F. BERTO

(Superior e Transnacional Filósofo) Berto:

Vendo todo o noticiário que vem do meu Brasil, particularmente as nojeiras produzidas pelo nosso Supremo Tribunal das Falcatruas, não posso de deixar de lado as lembranças de meu avô Manoel Julião, nascido em Lajinhas (perto de Caicó, RN), que veio ao mundo desdentado, pelado e analfabeto, mantendo apenas a última característica por toda a sua longa vida de 102 anos.

Contava meu finado pai que em 1909 dito macróbio fez a única viagem de sua vida fora do circuito Lajinhas – Jucurutu – Jardim de Piranhas – Caicó: foi de Lajinhas até Natal conhecer a capital potiguar e ver o tal “oceano”, algo que sua imaginação não conseguia compreender. Em lá chegando, depois de 31 dias viajando com mais 3 amigos e seus respectivos jumentos, ficou deslumbrado com a grandeza do montão de água à sua frente.

Provou da água e logo cuspiu fora, reclamando: “Pra que serve um açude tão grande, com tanta água, que nem pra beber serve? Lá em Lajinhas bastava um pouquinho de água decente que o chão e os animais ficariam felizes e mais bem servidos!”

Agora volto minha visão para Brasília, que conheci ainda em construção em 1959, onde se pode ver aquela avenida gigantesca, aqueles prédios impressionantes, aquela grandiosidade da Praça dos Três Poderes, e… bem, aquele palácio imponente que exala miasmas pestilentos vindos dos montes de bosta togados que vivem lá dentro.

Aí me vem à memória a pergunta de meu avô: porque tanta imponência que para nada serve?

A “água” que de lá vem é intragável.

A Suprema Corte aqui dos Estados Unidos é composta de um “Chief Justice” (o Presidente) e oito “Juízes Auxiliares” (os Ministros). Só existe, pela Lei americana de 1789, uma única obrigação para eles: terem “bom comportamento” em suas decisões. É isso mesmo. Quando deixam de lado esse “bom comportamento” podem ser afastados. Em toda a história um foi cassado. Na ocasião da indicação do Presidente, 124 foram confirmados para o cargo e 7 foram rejeitados pelo Senado.

A Suprema Corte tem cerca de 500 funcionários (quantos tem o STF?). O Chief Justice tem o salário de US$ 277.700 por ano (23.142 dólares por mês) e os ministros US$ 265.600 por ano (22.133 por mês), salários de um bom Diretor de uma empresa americana de médio a grande porte. Não existe mais nada: nada de auxílio moradia, auxílio Viagra, auxílio funeral, auxílio gasolina, auxílio fralda geriátrica, ou o que seja. O único que tem carro oficial, com motorista, é o Presidente. Os demais têm apenas uma vaga de carro específica dentro do prédio.

A Suprema Corte aqui não julga indivíduos, somente questões constitucionais ou especiais (para as questões especiais, a Suprema Corte recebe cerca de 10.000 petições anuais, mas em média somente 75 a 85 delas são aceitas para julgamento (há a chamada “regra dos quatro”: se quatro ou mais ministros entenderem que a questão é de importância nacional então a queixa é aceita). O sistema de justiça federal tem três instâncias: as cortes distritais (as que julgam), 94 em todo o País, as cortes de apelação, correspondentes aos nossos tribunais regionais federais, 13 em todo o País, e a Suprema Corte.

Não querendo mais tomar seu sacratíssimo tempo nem o dos queridos companheiros do JBF, venho de novo repetir a questão de meu querido avô: para que serve essa merda toda do STF?

Tenha um grande e glorioso dia, extensivo a Aline, Chupicleide, Polodoro e Xolinha.

R. Meu caro fubânico Magnovaldo, gratíssimo por esta magnífica aula que você nos deu sobre o tribunal máximo dos Zistados Zunidos.

Um recanto de mundo adonde os supremos togados não dão entrevista, não militam na política, não aparecem no noticiário, não ficam fazendo fuxico na internet e não vivem cagando goma pelos cantos.

Nem pensar na existência de um gilmarismo ianque!!!

Muito esclarecedora sua mensagem.

Agora, o que eu queria mesmo dizer é que fiquei ancho que só a porra quando você me nomeou Superior e Transnacional Filósofo.

Eu pensei que era apenas um Nacional Filosofofeiro, um mísero Peruador Banânico.

E não imaginava nunca ser um S.T.F. do jeito que você me designou.

Vôte!!!

Fiquei ancho que só a bixiga lixa!!!

Aline pediu-me para agradecer seu carinhoso cumprimento e manda um grande abraço.

Quanto a Polodoro, Chupicleide e Xolinha, ficaram felizes que só a porra porque você se lembrou deles.

Chupicleide e Polodoro relincharam de alegria, enquanto que Xolinha arreganhou a tabaca de tanta satisfação.

6 pensou em “MAGNOVALDO SANTOS – PALM COAST-ESTADOS UNIDOS

  1. Berto, esse cabra lá de nós tem estilo e coerência.
    Daria um excelente autor de crônicas sobre “um matuto nos esteites”.
    Mesmo eu desconfiando que de matuto ele só tenha o nome.

    • Correspondente internacional caberia bem ao cabra. E, como vi o faturamento do JBF no portal da transparência do governo, dá para pagar metade do salário do Bonner para o rapaz.
      Inclusive, quero aproveitar a oportunidade e o gordo saldo bancário da chefia, para candidatar-me a correpondente internacional, pois tenho parentes na Península Ibérica (os Pança na Catalunha, para ser mais preciso, Barcelona) e os Azevedo em Trás-os-Montes e Alto Douro) SOLICITO verba para me deslocar até tal parte do VELHO CONTINENTE para ser correspondente do JBF na Europa. Cinco mil euros “€uros” seriam suficientes.

  2. Meu caro Jesus: muito obrigado pelo seu comentário. Sou filho de retirantes nordestinos. Meu pai foi valente o suficiente para vencer a inércia, foi para Mato Grosso trabalhar na construção da Estrada de Ferro Brasil Bolivia entre Corumbá (onde nasci) e Santa Cruz de La Sierra. Operário, beradeiro, sem estudo, mas honesto até o tutano dos ossos, do que tenho muito orgulho.
    Continuo sendo ligado ao sertão. Formei-me Engenheiro e só Deus sabe o que passei para tal. Há 21 anos moro nos Estados Unidos, já tenho a cidadania americana mas sempre fui e serei brasileiro e simplório como a maioria de nosso povo.
    Tenha sempre uma grande apreciação de minha parte.
    Que Deus o tenha, a si e a sua família.
    Um abraço.

    • Sem cota, sem nada. Apenas esforço e dedicação. Essa é sua história. E é disso que o Brasil precisa: de gente sem mimimi, que arregaça as mangas e vai à luta.
      Tudo que Sancho possui (um quase nada), foi fruto de seu suor dentro do velho caminhão Quixote Véi di Guerra, comendo poeira nas péssimas estradas brasileiras (Alô, alô ministro da infraestrutura Tarcisio, aqueeeeele abraaaaaaaço!).
      Alexandre, magno como vós também foi capaz de grandes conquistas. Avante nosso grande Magno, o Valdo!!!!

  3. Bom seria neste caso a famosa frase que acho era da época dos militares. O que é bom para o Estados Unidos é bom para o Brasil. No caso da suprema corte americana seria ótimo.

  4. Injusto comparar a Supreme Court of the United States com o nosso egrégio, vetusto e colendo esseteéfe. Lá em ganham em dolar, aqui em real. Os cerca de 2.200 funcionários, entre fixos e terceirizados, são absolutamente indispensaveis aos bom andamento dos trabalhos. Pouco mais de 645 milhões é o magro orçamento deste ano. Os 82 automoveis mais 3 caminhões também são absolutamente indispensaveis. Finalmente, não existem requisitos constitucionalmente estabelecidos para ser um membro da Suprema Corte, enquanto aqui o cabra tem que ter reputação ilibada e NOTAVEL SABER JURIDICO. Por isso temos o sábio Toffoli, o sábio Alexandre de Moraes e demais sábios.

Deixe uma resposta