CARLOS EDUARDO SANTOS - CRÔNICAS CHEIAS DE GRAÇA

Os mais velhos – não se pode negar – são “professores de vida”. Devemos, portanto, estar atentos para sempre que possível transmitir aos nossos pósteros os valores que a vida nos ensina. Sobremodo em termos de precaução.

Eu, a exemplo, nos meus saudáveis 85 anos, ainda consigo com facilidade escrever meu besteirol aqui e ali, costumo sair sozinho, mas sempre estou dizendo à minha santa esposa – coitada, sofrida pelos 32 anos de convivência matrimonial – que estou começando a ficar velho.

Hoje confirmei. A PVC chegou! (Porcaria da Velhice Chega).

Ela estava no banho e havia deixado uma panela no fogão, com o fogo aceso, pois colocara uma macaxeira para ser saboreada durante o jantar, e pressentiu que estava na hora de fechar o gás. Aí apelou:

– Meu filho, – olhem só; de Meu Velho passei a Meu Filho – apague o fogo da macaxeira, por favor!

Rápido que só um preá, chispei da cadeira em que estava sentado, escrevendo, e fui e fui dar uma rodada no pitôco do fogão. Olhei pelo fundo da panela e vi que a chama se apagara.

Pra mim tudo certo. Só que, pensei em completar a “operação”, acionando novamente o tal pitôco, reabrindo, assim, o gás. Coisa de velho!

Saindo do banho e depois dos “complementos” ela foi para a cozinha e ao passar por mim, na sala, balbuciou em voz alta:

– Que cheiro diferente tem essa macaxeira!…

Ao chegar à cozinha, identificou a “desgraceira”. O gás estava escapando. Eu havia deixado o pitôco do butano aberto.

Logo que providenciou a solução de fechar o bico, abriu todas as janelas e a porta principal do apê e partiu pra cima de mim espantada, com os olhos arregalados feito uma garoupa do rio Amazonas:

– Meu filho, você está mesmo ficando velho!… Pois não é que deixou o fogão ligado! …

Ao que respondi com a maior seriedade:

Eu já repeti isso várias vezes. Acho que agora você entendeu! Comecei a ficar velho!…

Bendita a “macaxeira mal cheirosa”…!

4 pensou em “MACACHEIRA MAL CHEIROSA

  1. Bom dia prezado amigo! Mas isso nem prejuízo deu. Minha Mãe resolveu esquentar o café, ligou o fogo, pôs o bule em cima e acendeu. Enquanto esquentava, foi passar uma manteiga no pão, por a toalha na mesa e então…baammm. Uma explosão, cacos de vidro temperado por todos os lados, café espalhado pelo chão…Ela não tinha levantado a tampa de vidro…Resultou que: Semanas procurando um vidro que a fábrica não tinha mais, chororo por ter feito a proeza e reclamações sobre a estética de sua cozinha. Um fogão novo depois, ainda escuto histórias de como aquele fogão era bom.

  2. Sérgio amigo,

    Já pratiquei exatamente u’a besteira desta. Só que tive a sorte de apenas esquentar uma das borrachas de apoio do vidro e ao sentir o odor diferente voltei pra desligar. A tampa ficou manca, com apenas 3 apoios. Coisas de quem é portador da PVC.

    Estarei logo mais contando a história e minha tia Nana, nordestina que passou a morar em Sampa, 74 anos, abestalhadinha toda. Minha prima foi à feirinha alí por perto e deixou a empregada com ela.

    Ao entrar no wc para uma necessidade inadiável, a empregada deixou a véia na sala, toda agasalhada mas reclamando muito do frio.

    A prima retorna e não encontra a mãe na sala nem nos quartos. Correu pra cozinha e encontrou a mãe sentada no fogão, para onde subiu com a ajuda de um banquinho.

    Disse que o tempo estava muito frio e ela estava tentando acender o fogão para dar uma “esquentadinha por baixo”.

    Essa velharia né mole não! Velhos só deram certo quando eram jovens!

    Obrigado por seu comentário.

    Abração e Bom Domingo.

    Carlos Eduardo

Deixe uma resposta