CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Caro Editor,

Este nosso país é muito estranho mesmo.

Aqui acontece de tudo.

Do jeito que vai indo as coisas, pode ter certeza que o poste vai mijar no cachorro.

Abraços,

8 pensou em “LINDALVA – FEIRA DE SANTANA-BA

  1. Moro deve estar arrependido até o último fio de cabelo de ter apunhalado Bolsonaro pelas costas quando saiu do governo.

    Se tivesse ainda no governo a multidão que saiu no 1º de maio não deixaria o STF fazer o que faz com ele.

    Não sei o que deu nele. Parece que ele devia alguma coisa para alguém poderoso quando se demitiu.

    Quis “preservar”, mas jogou sua biografia no lixo.

  2. O Moro não apunhalou pelas costas, foi pela frente mesmo.

    E não acho que ele devia algo para alguém, aliás ele declarou à Carla Zambelli “não estou à venda”. E quem garante que ele seria nomeado para o STF se atendesse ao presidente?

    Abraços

    • Caro Hipólito, uma pessoa que avisa e convoca a imprensa com antecedência (O Antagonista sabia de detalhes 24 horas antes e lucrou com isso) antes de falar com o PR, apunhala pelas costas sim.

      O PR nunca lhe prometeu vaga no STF, A Zambelli disse que iria interceder, mas promessa, nunca.

      O PR nunca lhe pediu nada que não fosse cumprir as promessas que fez na campanha.

  3. É um grandessíssimo babaca!

    Quando foi depois, se vendeu (com biografia e tudo) para um escritório de advocacia bem suspeito.

    Tinha tudo para ser um dos maiores brasileiros, se não mordesse a mão que o alimentou.

  4. Prezado,

    O que ele faria? Renunciou à carreira de juiz, foi fazer o que sabia, advogar para um escritório. Este é um fato comum a todos os que deixam a magistratura (sem juizo de valor, claro).

    E nNão creio que tenha se vendido.

    E não acho que mordeu a mão que o alimentou, porque todos os seus projetos foram sendo retalhados. Ele saiu porque teve a sua autonomia diminuida, a despeito das promessas de campanha do presidente.

    Abraços

    • Hipólito, Bolsonaro não tinha Moro ao seu lado na campanha (este o procurou depois da eleição definida), portanto não lhe devia nada. Quanto à autonomia, ela ia até onde havia conflito com o PR.

      Exemplo? Moro era desarmamentista e isso ia contra o que o PR prometeu na campanha,

      Dar detalhes da saída 24 horas antes ao Antagonista / Empíricus (empresa de investimento) de sua saída, com uma queda de 10% na B3 e subida do Dólar é uma forma de usar informação privilegiada. Isso é crime.

      Detalhe, ele informou sua saída numa sexta feira meio dia, com as bolsas abertas ainda. Deu muito tempo para a empíricos apostar na baixa da B3 e subida do Dólar.

      Abraços

Deixe uma resposta