CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Reflitam:

Os Estados Unidos financiaram a reconstrução da Alemanha após a Segunda Guerra, e fizeram daquele país a segunda potência mundial em duas décadas; Tinham interesse em deter o comunismo, promovendo o progresso da Alemanha Ocidental.

Em seguida os Estados Unidos também fizeram aliança com a elite japonesa, no final da II Guerra Mundial, para desenvolver o mercado japonês e poder vender seus produtos. Os japoneses souberam aproveitar e em pouco tempo estavam concorrendo com os americanos.

Os Estados Unidos atenderam apelos dramáticos do ditador Joseph Stalin e mandaram ajuda militar para a Rússia, na II Guerra Mundial. Era seu interesse. Os russos souberam aproveitar a oportunidade.

Os Estados Unidos fizeram da China uma potência, processo iniciado quando Deng Xiaoping recebeu Richard Nixon e abriu a economia chinesa para o capitalismo, tirando da fome e miséria iminente quase um bilhão de chineses escravizados por Mao Tse Tung, o único barrigudo da China.

Os Estados Unidos fizeram da Coreia do Sul uma potência, financiando seu desenvolvimento para deter o avanço comunista no país. Os Sul coreanos souberam aproveitar a oportunidade.

Os Estados Unidos estão fazendo da Índia uma potência, ao privilegiar mais investimentos naquele país. Bastou os Estados Unidos desviarem investimentos da China para a India para que a economia chinesa parasse de crescer os 15% ao ano, que impressionavam o mundo. Não deixando dúvidas de que são os Estados Unidos que fomentam as grandes economias, com investimentos e importações;

Os Estados Unidos não fizeram do Brasil uma potência porque desde a década de trinta, século passado, que nossos governos preferem se alinhar com regimes de Esquerda e investir na ignorância do nosso povo, em benefício de suas ambições políticas.

Na década de 70 os Estados Unidos ofereceram ao Brasil o mesmo que ofereceram ao Japão e à Coréia. O acordo MEC USAID. Esquerda brasileira boicotou a REFORMA EDUCACIONAL que os dois países adotaram. O resultado está aí. Últimos lugares no PISA.

País nenhum vira potência sem Educação, e há oitenta anos que o Brasil vive às voltas com o arcaismo ideológico comunista, que investe na ignorância para controlar o povo e atrasar o país.

A introdução é para que atentem ao fato mais relevante do momento; é a primeira vez na nossa história que um presidente eleito encara os Estados Unidos como aliado sem restrição, o que não ocorreu nem durante o regime militar, que tinha nos Estados Unidos apenas um aliado político contra a expansão do comunismo. Mas tinha os EUA como adversário. Rompeu até o acordo militar para se unir à Alemanha num projeto nuclear.

Temos agora a primeira chance para o Brasil se transformar na potência econômica que sempre sonhamos.

Mas para que isso aconteça é necessário enterrar o que há de podre. Na política, na Justiça, principalmente no STF, e na Educação.

A vocação de vira-lata do brasileiro, identificada por Nelson Rodrigues, não é do povo, essa vocação é da elite, dos políticos. O povo é vítima dessa elite de gangsters, de esquerdistas.

Temos que destruir essa canalhada de traidores da pátria, para que o Brasil comece a se transformar naquele país do futuro que o mundo apregoa há muito tempo. O futuro é agora.

Para conseguir isso é imperioso destruir a imprensa comunista, os políticos canalhas e os quatro pilares do imoral, vulgar STF, o quanto antes. O Brasil tem pressa. São mais de oitenta anos jogados fora, que precisam ser esquecidos.

E esses idiotas que tentam desqualificar a aproximação do Brasil com os Estados Unidos, primeiro ato sensato de um presidente eleito pelo povo; esses traidores motivados por pura inveja e sensação de inferioridade, que vão todos para a Venezuela, Cuba ou Bolívia.

Assinado: por um brasileiro de verdade, que emprega e investe, em prol de uma sociedade verdadeiramente justa e solidária!

Abraços fraternos a todos que tiverem o prazer de ler esta mensagem e àqueles que discordam, com todo o respeito, mais uma vez afirmo, sigam para a Venezuela, Cuba e agora para a Argentina e vivam uma vida de caranguejo!

(autor desconhecido)

3 pensou em “JOSÉ ROBERTO – SÃO PAULO-SP

  1. Ninguém precisa de ninguém desse jeito não.
    O que impressiona em pleno século XXI é a falta de protagonismo intelectual.de certas nações, no nível de “em desenvolvimento”, ver e assistir outro povo inventar uma roda redonda, e querer inventar para si uma roda quadrada. Além das patentes, que devem ser respeitadas, existe a ideia, que essa sim, deve ser um norte provocador de pesquisa e realização de resultados.

  2. Enquanto os “cumpanheiros” viajam para Cuba, o dono do PT e “mui democrático Lula”, viaja pelo mundo, certamente em campanha presidencial, dizendo aos quatro cantos que vai “trazer a democracia de volta para este país”. Quem ouve sua fala até imagina o quanto democrático ele é. É tanto, que fala e sempre tentou “regular a imprensa livre deste país”. Pois é, o Brasil sempre fugiu como diabo da cruz e virou as costas para os democráticos “imperialistas americanos”. No entanto, os asiáticos, mesmo com os olhos pequenos e quase fechados enxergaram os EUA e não deram as costas.

  3. No império, sob o comando de Dom Pedro II o Brasil se aliava com os Estados Unidos e as potências europeias e e os resultados em termos de desenvolvimento foram impressionantes.
    Viana Moog (“Bandeirantes e Pioneiros”) fala que a armada brasileira naquela época, rivalizava com a norte-americana. Inventos novos, como o trem,, a eletricidade e o telefone foram implantados no Brasil antes da maioria das nações.
    A Doutrina Monroe , de 1823, rezava a não interferência europeia no continente americano com a filosofia “América para os americanos”. Infelizmente o restante da América entendeu que seria “América para os norte-americanos”. Poderíamos ser hoje uma vasta “NAFTA”.

Deixe uma resposta