CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Caro Berto

Hoje, 9/1/2020, para lembrar o centenário de João Cabral de Melo Neto, a coluna Memorial quer presentear os leitores do JBF com uma grande entrevista com o ilustre poeta pernambucano, conduzida por seu ilustre conterrâneo, o jornalista Geneton Moraes Neto.

Para ler, basta clicar aqui

Abraços

João Cabral de Melo Neto (Jan/1920 – Out/1999)

1 pensou em “JOSÉ DOMINGOS BRITO – SÃO PAULO-SP

  1. Hoje o JBF se superou-se, como diz o Editor.
    Vi lá a nota do centenário de Jpão Cabral, e fui ver a entrevista. Gosto do poeta e me interessa saber como é que um poeta, que foi projetado no mundo através de uma cantoria::”Morte e vida severina” pode não gostar de música”. A pergunta, feita em muitas entrevistas, nunca foi respondida a contento. Mas na entrevista com seu conterrâneo Geneton, também, Neto, a resposta veio cabal e explicada com dtalhamento. Uma beleza de esclarecimento O JBF está de parabens!!! Transcreo abaixo a resposta do poeta

    _________________________________________
    João Cabral: “Não tenho nenhum ouvido musical. Você pode tocar uma música conhecidíssima. Eu não distinguirei uma da outra! O que lembro é que, desde menino, eu era o filho desentoado. Já no coro do Colégio Marista, mandavam que eu fingisse que estava cantando, mas não cantasse, porque saía tudo desentoado. Você pode não ter ouvido musical, não saber cantar e, no entanto, gostar de música, a chamada música clássica. Mas vou dizer uma coisa que aconteceu comigo. Tive minha infância e adolescência no Colégio Marista. Nós éramos obrigados a uma missa semanal. Era uma missa cantada. Nós éramos obrigados a ir diversos dias à Igreja, para ouvir canto sacro. O que estragou um possível gosto meu pela música foi a música religiosa que me era imposta, quando eu era menino e adolescente. A música significava, para mim, tédio. Eu ficava naquele banco de colégio ouvindo aquela música de órgão, aqueles sujeitos cantando… E era incapaz de me concentrar naquilo. Ficava pensando em outra coisa. A música religiosa extinguiu em mim qualquer possível futuro em música”.

Deixe uma resposta