CARLOS IVAN - ENQUANTO ISSO

O ditado popular é tiro e queda. Dificilmente o provérbio dito pelo povo erra, geralmente bate na trave. Na maioria das vezes as frases curtas acertam na mosca. Vai na rede. Por razões simples. Como relata conhecimentos e situações pouco comuns, envolvendo experiência de vida das pessoas mais antigas, o ditado popular passa de geração a geração, principalmente no Nordeste. Terra de muitas crenças.

Existem diversos tipos de mensagens populares utilizadas pelas pessoas com endereço certo. A linguagem na comunicação popular tem o mesmo efeito dos discursos dos intelectuais, quando querem expressar um ponto de vista a uma plateia selecionada. Por isso os provérbios são muito utilizados na atividade religiosa, no folclore e até nos assuntos amorosos.

Os mais conhecidos provérbios são “Para bom entendedor, meia palavra basta”. “De grão em grão, a galinha enche o papo”. “Cada macaco no seu galho”. “Onde há fumaça, há fogo”. “Roupa suja, se lava em casa”. Dentre outros.

Todavia, tem um provérbio que caiu na graça dos romeiros. “A fé move montanhas”. Quando a pessoa solta esta frase, quer dizer que nada é impossível diante de um sonho. Nada, absolutamente é capaz de aparecer como um obstáculo para impedir a realização de sonhos e desejos.

É o caso das festas religiosas, onde milhares de pessoas viajam quilômetros, as vezes desconfortavelmente, como é o caso do nordestino que viaja até em pau de arara, na carroceria de caminhões, somente para realizar um programa de fé. Não importa a distância e as circunstâncias. Daí a numerosa lista de romarias pelo país.

A maior festa religiosa do Brasil é a do Círio de Nazaré. Desde 1793 é celebrada na cidade de Belém, capital do Pará, no mês de outubro, para homenagear Nossa Senhora de Nazaré. A procissão pelas ruas de Belém, em devoção à Santa, arrasta multidão de fiéis. Classifica o cortejo religioso como um dos maiores do mundo.

São vigílias e romarias realizadas de qualquer jeito. Pelos aeroportos, estradas e rios do Pará os devotos não se importam com aglomerações, cansaço, incômodos. Havendo oportunidade, até de motos, os devotos viajam quilômetros no desconforto. Neste ano, mais de dois milhões de romeiros e turistas encheram as principais ruas por onde passa a procissão de Nazaré para festejar mais de 200 anos de fé na Santa.

Outra tradicional festa de cunho religioso é a de Nossa Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil. Em outubro de 1717, a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi encontrada e retirada das águas do rio Paraíba do Sul. No dia 12 de outubro, três pescadores foram pescar no rio. Numa das tentativas, João Alves trouxe na rede o corpo da Santa. Noutra tentativa, apanhou a cabeça de Nossa Senhora. Como passou bastante tempo dentro d’água, e ser feita de terracota, que tem a cor negra, a imagem ficou enegrecida.

A festa, que acontece no município de Aparecida, no estado de São Paulo, é para comemorar os 40 anos de restauração da imagem da padroeira, quebrada num atentado acontecido no ano de 1978. No dia 12 de outubro, sábado, o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida recebeu 170 mil pessoas.

Outra festa religiosa de impacto é a dedicada ao Padre Cícero que na devoção popular é conhecido como Padim Ciço. Carismático, o sacerdote Cícero Romão Batista foi influente na cidade de Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, como criador de gado e dono de terras e imóveis.

Mas, o que despertou atenção e curiosidade foi o ato acontecido na missa de 1889, quanto o sertão cearense enfrentava rigorosa seca. Na liturgia da missa, Padim Ciço ministrava a hóstia. Na vez de Maria de Araújo, a hóstia se transformou em sangue na boca da religiosa. Como o fenômeno se repetiu por dois anos, os fiéis definiram o ato como milagre que imediatamente se espalhou pelo estado do Ceará, Nordeste e Brasil.

Então, todo dia de Finados, 2 de novembro, Juazeiro do Norte, distante 489 quilômetros de Fortaleza, caravanas de romeiros chegam à cidade para comemorar a tradicional festa que ficou conhecida com a Romaria da Esperança ou de Finados.

Como por coincidência, a cidade também festeja o cinquentenário da estátua na colina do Horto e 175 anos de vida de Padim Ciço, o santo milagreiro, neste ano, cerca de 500 mil romeiros estiveram em Juazeiro do Norte para as comemorações.

No enfoque turístico religioso, Juazeiro do Norte se beneficia. Localizado na região do Cariri, atualmente a cidade é a segunda maior do Ceará. O município implantou crescente parque industrial. O comércio é forte graças à visita constante de milhares de turistas. Juntando todos os prós, pode-se afirmar que o turismo religioso garante um desenvolvimento sustentável ao município. Distribui renda, gera emprego, acumula recursos, faz a cidade crescer permanentemente. Em todos os sentidos.

Deixe uma resposta