XICO COM X, BIZERRA COM I

Do tanto que chovia, o dia parecia noite, a manhã da cor do entardecer. Onde se escondia o sol que, preguiçoso, sequer avisou que não viria? Devia estar atrás de uma montanha alta e distante, descansando para os outros porvires que surgirão. A cidade, afogada em tantas poças d’água, nadava nos alagamentos que impediam o povo de chegar a alguns lugares. Barcos não havia. Locomoção, só a nado. Uma barreira cai e destrói uma família inteira. Deslizamentos afligem o povo. Os canais enchem, transbordam e espalham lixo. Quase uma Covid. E os Vereadores, subservientes e em irresponsável procedimento, se reúnem para dar nomes de suas gentes às vias que já tem nomes. Prevalecem suas conveniências políticas e interesses partidários. Esquartejam ruas e avenidas para ter mais gente a bajular, dando-lhes nomes nos vários pedaços em que se transformarão. Para isso foram eleitos? Para o simples ‘prazer’ da bajulação? Será que fazem por merecer os votos que tiveram?

Toda a obra do colunista Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida por e-mail xicobizerra@forroboxote.com.br ou através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.

2 pensou em “ESQUARTEJAMENTO URBANO

  1. Xico,

    Agradeço mais uma vez seu texto prosa com poesia; poesia com prosa.

    Isso é um dom divino; a ciência jamais explicará esse mistério humano.

    Parabéns, meu estimado poeta.

  2. Obrigado, meu amigo. Saiba que comentários como os seus são o alimento necessário para que eu ‘recarregue a caneta’, toda semana. Abraço dos grandes, XICO

Deixe uma resposta