FERNANDO ANTÔNIO GONÇALVES - SEM OXENTES NEM MAIS OU MENOS

Neste domingo de Ressurreição 2022, desejando uma Feliz Páscoa para todos os meus irmãos brasileiros, deparo-me com uma questão que ainda inquietando milhões de cristãos nos quatro cantos do mundo: é realmente importante, para uma religião cristã, a tradição segundo a qual Jesus teria ressurgido da morte?

Respondo sem titubear que sim, principalmente quando li, ainda universitário, a Primeira Carta de Paulo aos Coríntios, quando ele escreveu: ”Se Cristo não ressuscitou é inútil a vossa fé.”

Neste Domingo da Ressurreição, sempre espiritista estudioso e carente, permaneço solidário com a “vida e morte severina” de milhões de irmãos terrestres, vítimas de guerras, pandemias assassinas, fome e desinstruções. E revejo mentalmente a lavada de mãos de Pilatos, uma cena bíblica descrita pelo evangelista Mateus. E nela identifico as pusilanimidades de inúmeros dirigentes públicos, todos eles travestidos de Pilatos, acovardados, acuados, subservientes, jamais críticos por receio das retaliações das personalidades fantasiadas de messias, atualmente mais preocupadas com as táticas e os conluios reeleitoreiros.

Fico a imaginar o interior de Pilatos, naquele momento decisivo, tal e qual os que se estão omitindo diante das mortes proporcionadas pelo Covid-19, pelo desemprego, pela fome e pelas doenças primárias que há muito já deveriam estar fora das preocupações sanitárias. E repugnam-me todos aqueles que, não assumindo a responsabilidade dos seus atos, despojam-se acanalhadamente do direito de exprimir sua criticidade, mais preocupados com seus futuros políticos, pouco se lixando se transfigurados de vacas de presépio, classificados, para todo o sempre, de exemplos maiores de posicionamentos cagônicos.

No mundo contemporâneo ainda pululam inúmeros abjetos Pilatos, irresponsavelmente descomprometidos diante dos problemas que clamam por soluções imediatas e duradouras. Para citar apenas três estatísticas internacionais terrificantes, divulgadas por uma revista de circulação semanal: a) 1 em cada 5 adultos, na Europa e nos Estados Unidos, é atualmente classificado como analfabeto funcional; b) 1/4 do exército suíço não sabe calcular uma percentagem; c) 44% da população canadense nunca escreveram uma carta e 77% dela nunca puseram os pés numa biblioteca pública. Para não mencionar, no Brasil, a tuberculose, o dengue, a lepra e a malária que ainda pontificam em alguns cenários brasileiros. E as secas, enchentes, os desmoramentos e as inúmeras áreas não saneadas, inclusive metropolitanas, irmãos siameses, imbricações perfeitas, fenômenos sanáveis se vontade política séria fosse transformada em ações executadas efetivamente redentoras.

Inúmeros, atualmente, são os seguidores de Pilatos. Quedam-se desvirginados civicamente, lambuzam-se em imediatismos ridículos e grotescos, muitos se comportando incoerentemente com seus passados de altivez e dignidade. Chafurdam nas antessalas das autoridades, gozando freneticamente das desgraças alheias, as lágrimas e os desesperos sendo argumentações desimportantes, mesmo quando o assunto é a melhoria das condições de vida de populações na miséria.

Diante de tanta opressão e de tantas amarguras, inúmeras são as tentações de também pedir uma bacia para lavar as mãos, tornando-se mais um desses embrutecidos, moralmente desfigurados, que escrotamente tentam nos representar em diversos ambientes políticos do país.

Iludem-se, entretanto, os que se utilizam das técnicas de enganação. Embora seja possível enganar todos por pouco tempo, jamais se engabelará todos por todo tempo.

Sobreviver à tempestade é dever dos fortes de espírito. Renascer a cada instante é ter disposição para sempre travar o bom combate, quaisquer que sejam as circunstâncias adversas. Realimentar a pira da esperança é acelerar a derrocada dos reis, barões e príncipes consortes da maldade e dos cinismos antissociais, radicalmente desumanos.

Que entendam as lideranças legítimas nacionais: o desenvolvimento mental jamais poderá prescindir de uma habitação condigna, de educação integral, de uma nutrição adequada, de uma assistência médico-hospitalar mais que satisfatória. A insuficiência disso tudo redunda em prejuízos irreversíveis sobre o desenvolvimento de todos, mormente o infantil. E a insuficiência quantitativa de cérebros capacitados poderá acarretar uma definitiva condenação nossa à perene classificação de nação mentalmente subdesenvolvida. Sem eira nem beira, descendo em plena ladeira, calças nas mãos, cus ao léu.

7 pensou em “DOMINGO DE MEDITAÇÕES E ESPERANÇAS

  1. Prezado Mestre,

    Enquanto o senhor, juntamente com as multidões enganadas pela utopia marxista, ficam esperando e clamando por uma “Vontade Política” (SIC) da parte do “NOVO DEUS – O ESTADO”, para resolver o enorme rol de problemas citados, eu fico com as palavras de Gandhi, quando ele disse:

    “SEJA VOCÊ MESMO A MUDANÇA QUE DESEJA VER NO MUNDO!”

  2. Na minha modesta opinião , se vossência quiser :
    calças na mão e
    cus ao léu
    deve ser bem diferente
    que a pica do Léo
    no cu do colunista
    nada inteligente.
    Quem escreve o que quer , lê o que não quer.

    • Tão sábia como seus escritos ,
      que podem até iniciar com educação mas ,
      terminam mostrando a podridão de sua mente
      demente.
      Feliz Bolsonaro para ti ! .

Deixe uma resposta para Joab Cancelar resposta