DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

Xilogravura de Erivaldo Ferreira

1
Na estrada do Pai Mané
Na cidade de Ipueiras
Bem pertinho das Barreiras
De imburana tem um pé
Ele dá um bom rapé
Pra quem sabe preparar
Maria sabe torrar
E tem grande freguesia
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

2
E naquela arrumação
Meu pai era viciado
No dedo era colocado
Do rapé uma porção
Com o tabaco na mão
Pra no nariz esfregar
E logo após aspirar
Ele fungava e dizia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

3
Valdenira me indicou
Disse mulher acredite
Ele é bom pra sinusite
Aqui mamãe sempre usou
Depois que ela receitou
Comecei a melhorar
Nunca parei mais de usar
Acabou minha agonia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

4
Garapa ficou sabendo
Dessa história do rapé
Foi direto ao Pai Mané
Também estava querendo
Com Maria se entendendo
Resolveu logo pagar
E não saiu sem provar
do cheiroso nesse dia
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

5
Edgar acabrunhado
Com o nariz entupido
Sentindo-se já perdido
Com febre e com resfriado
Foi atrás desse torrado
Para tentar melhorar
Porém mesmo sem gostar
Do produto repetia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

6
Dão de Jaime que gostou
Do tabaco da fulana
Cheirou mais duma semana
E também se viciou
Da mulher ele apanhou
E não cansou de apanhar
Pois disse não vou largar
E gritando se exibia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

7
Lindicassia nascimento
Fugava como ela só
Cheirou um pouco do pó
Daí veio o seu alento
Falou sem constrangimento
Eu posso até me lascar
Porém nunca vou largar
O que já virou mania
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

8
Do torrado de imburana
Quis provar meu companheiro
Foi adquirir ligeiro
Nem teve pena da grana
Com a cara de sacana
E só para chatear
Chegava os olhos virar
Envolvido na folia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

9
O vigário da cidade
Pediu para o sacristão
Vá comprar uma porção
Uma boa quantidade
Um rapé de qualidade
Que estou querendo espirrar
Mas onde ele ia comprar
O vigário já sabia
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

10
Neto Alves da Cultura
Ficou logo interessado
Para comprar o torrado
Mandou uma criatura
E disse: – mas que loucura!
E esse bicho é de lascar
Hoje vou me empanturrar
Pois eu não tenho alergia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

11
É remédio natural
Eu também sou dessa linha
Disse Anilda pra Dalinha
Querendo provar do tal
Garanto que não faz mal
E tratou de encomendar
Ao começar a chuchar
Comentou com euforia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

12
Eu só sei que a imburana
Transformada em rapé
Muita gente levou fé
E Maria não engana
Pra Violante e Diana
Ela ficou de enviar
Se Cassiano esperar
Com certeza ela envia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

13
Tenho tabaco estocado
Pra Dideus e Acopiara.
A freguesia não para,
O de Chica está guardado.
Fátima Correia e Prado,
Só falta mesmo embalar
E quem fica a me cobrar,
É o Tião Simpatia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

14
Tenho um frasco pra Bastinha
Pra Vânia Freitas também
O Sérgio sei que já tem
De Rosário é na latinha
Eu fiz o que me convinha
Porém tenho que avisar
Já vi velho se peidar
Em frente a tabacaria:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

15
Eu só sei que esse rapé
Extraído da imburana
Fez uma corrida insana
Isso me falava Zé
Veio de Brumado a pé
Somente para comprar
Um tabaco singular
Que não tem lá na Bahia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

16
Meu cordel chega ao final
Porém o cheiro persiste
Penetrando nesse chiste
Que diverte e não faz mal
Com gosto dou meu aval
Pois consegui entranhar
Amigos para brincar
No mote que repetia:
O tabaco de Maria.
Todo mundo quer cheirar.

12 pensou em “CORDEL – O TABACO DE MARIA

  1. Pois é Airton, muita gente entrou nesse barato. Estou fazendo essas gracinhas para quebrar esse clima pesado. Meu abraço e boa Páscoa.

  2. Pois o Tonho Bilolinha
    (dizem que mordia a fronha)
    apelidado de Tonha
    Por não gostar da ‘florzinha’
    Preferia outras ‘coisinha’
    Para com elas brincar
    Mulher, deixava pra lá
    Isso ela não queria
    O tabaco de Maria
    Só Tonho num quis cheirar

    • *
      O Tonho de Bilolinha
      Nem sabe é o que perdeu
      O cheiro que ele não deu
      Mudou foi sua vidinha
      Hoje só caça rolinha
      E por medo de enfrentar
      Um tabaco singular
      Que quem cheirou repetia
      O tabaco de Maria
      Só Tonho num quis cheirar

  3. DALINHA AGORA ACERTOU
    VERSOS BONS E BEM RIMADOS
    BEM FEITOS E ESTIRADOS
    NEM UMA LINHA FUROU
    MAS NA FRENTE ADIANTOU
    ONDE TINHA PRA COMPRAR
    EU COMECEI A ANDAR
    PRA VER SE ENCONTRARIA
    O TABACO DE MARIA
    EU NÃO QUERO SÓ CHEIRAR…

    • *
      Eu gosto de rimar bem
      Amo a metrificação
      E se peco é na oração
      Isso quando me convém
      Não sou de dizer amém
      Nem de recado passar
      Mas se Maria aprovar
      Avance em sua ousadia:
      O TABACO DE MARIA
      EU NÃO QUERO SÓ CHEIRAR…

  4. VOU ATÉ PROCURAR SABER
    SE LÁ PERTO DO ESCRITÓRIO
    ALGUEM SABE ME DIZER
    SE TEM ALGUM EMPÓRIO
    P’REU PODER O PÓ COMPRAR
    POIS NESSE VICIO SOU NOTÓRIO
    E QUERO ME REFASTELAR
    TODA NOITE E TODO DIA:

    O TABACO DE MARIA
    TODO MUNDO QUER CHEIRAR.

    • *
      Um tabaco natural
      E desses do interior
      Afirmo para o senhor
      É tabaco sem igual
      Nesse eu boto meu aval
      Mas pra se refastelar
      É melhor encomendar
      A dona a mercadoria
      O TABACO DE MARIA
      TODO MUNDO QUER CHEIRAR

  5. relutei, terminei indo
    conhecer o tal tabaco
    foi aí que me vi fraco
    garanto, num tô mentindo
    Nunca vi nada mais lindo.
    Cherei, voltei a cheirar
    Não conseguia parar
    Sabor de cravo e canela
    cherei o tabaco dela
    bastou pra ‘meaviciar’

    • *
      O tabaco era cheiroso
      Cheiroso como ele só
      Do nariz não teve dó
      Esse caboco fogoso
      Achando delicioso
      O bicho vive a cheirar
      Ouvi o cabra gritar
      Debruçado na Janela:
      CHEREI O TABACO DELA
      BASTOU PRA “MEAVICIAR”

Deixe uma resposta