PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Alto, de frente ao revoltoso oceano,
e exposto à eterna rispidez do vento,
levanta-se ao prestígio soberano
dos músculos de ferro, o catavento.

Pulse-lhe a vida a cada movimento
e parece oxidar-lhe o desengano,
quando se lhe transforma num lamento
todo o seu vão clamor, vezes humano.

Pregado ao solo, numa infinda mágoa,
de mil sonhos, talvez, sobre os escombros,
chora, enchendo de pranto a caixa d’água…

É que ele, preso à angústia de existir,
sente a revolta de suster, aos ombros,
asas de ferro, e não poder subir!

Otacilio Ferreira de Azevedo, Redenção-CE (1892-1978)

3 pensou em “CATAVENTO – Otacílio de Azevedo

  1. Gen. Malta,
    O poeta Otacílio de Azevedo diferenciava bem desejo e posse. Ouvi da boca de seu filho Nirez, o maior colecionador de discos de cera do Brasil a seguinte definição:
    “Desejar é melhor do que possuir. A posse é o ponto primordial da morte do desejo”.
    O Nirez sempre lembra dessa citação quando perguntado qual peça da sua coleção ele mais gosta, pergunta que ele responde, após citar, falando: a próxima que vou comprar.
    Caso queira pesquisar sobre Nirez, grande colecionador, o nome dele é Miguel Angelo de Azevedo.
    Outro grande filho do poeta Otacílio é o escritor e Professor Sânzio de Azevedo. Se não os conhecer terá uma bela surpresa ao pesquisá-los.

  2. Caríssimo Neto Feitosa
    Agradecendo a gentileza do seu rico comentário , principalmente pela sugestão de pesquisa, informo que tenho encontrado valiosas fontes de cultura popular nordestina no Portal da História do Ceará http://portal.ceara.pro.br/
    Fraterno abraço

    • Obrigado, meu Comandante.
      Acessei o site e vi que uma das fontes de informação é o livro “Cronologia Ilustrada de Fortaleza” justamente de autoria do Nirez (Miguel Angelo de Azevedo).
      Abraços.

Deixe uma resposta