CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Berto,

Não obstante meus 84 anos emplacados e uma saúde de Tarzan depois da gripe, estou preocupadíssimo com o que o meu amigo Zanetti me mandou hoje.

Você tem conhecimento das declarações do jornalista Alfredo Bessow do CANAL DE BRASÍLIA?

Este velhote que está no vídeo anexo.

R. Não tenho conhecimento das declarações a que você se refere, meu caro.

Tô ignorando muita coisa nos últimos dias.

Só a estupidez zisquerdóide é que me ocupa o tempo inteiro e faz eu se mijar-se-me todinho de tanto se rir-se-me.

O vídeo que você mandou está no final da postagem.

Vou vê-lo agora, junto com os nossos leitores.

Aproveito a oportunidade pra fazer uma consulta:

Como é que eu faço pra chegar aos 84 anos que nem tu, e continuar safado, sacana e raparigueiro assim feito tu sois?

19 pensou em “CARLOS EDUARDO – OLINDA-PE

  1. Não pretendo dar crédito a um jornalista que, na idade em que está, com tanta vivência e décadas de aprendizado, ainda não aprendeu que a palavra “rubrica” é paroxítona, não proparoxítona.

    • “Rubrica, para um pequeno apontamento, e rúbrica, para uma assinatura breve” – assim pensa a “maioria das pessoas”.

      RUBRICA é, hoje em dia, CAMPEÃ em palavras utilizadas incorretamente, quer na oralidade, quer na escrita. Vamos percorrer o caminho traçado por tal vocábulo no decorrer dos tempos:

      Tendo a sua origem no latim rubrica, estava relacionada com “rubro” (vermelho) e designava “terra, argila vermelha” ou “giz de cor vermelha”. Os títulos dos livros antigos e dos manuscritos medievais eram sempre escritos a vermelho, daí a designação rubricas.

      Actualmente, os dicionários registam rubrica como o título dos capítulos de livros de direito civil, significado este que se foi alargando para “pequeno apontamento ou indicação”. Posteriormente, a palavra rubrica passou a designar também uma assinatura abreviada.

      Em suma, trata-se de uma palavra com acento tônico na penúltima sílaba -bri- e sem qualquer acento gráfico na vogal u. rubrica, portanto, em todas as acepções.

      Ao longo de minha caminhada neste planetinha, observei gente (inclusive as que se julgavam muito importantes) de todas as camadas sociais e de todos os graus escolares cometerem tal equívoco. Portanto não creio haver nenhum demérito em alguém incorrer em tal “engano”, mísero pecado cometido por quem ousa falar ou escrever no idioma de Camões.

      Como é mesmo aquela máxima do “atirar a primeira pedra?”

      • Excelente resposta.

        Muito bem fundamentada.

        E ao Francisco Sobreira:

        “Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e, então, verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão” (Mateus 7:5).

    • Pedirei ao Goiano para, mais uma vez, iluminar minha escuridão direitista com um belíssimo e longo texto sobre as maravilhas que a URSAL trará a todos nós, quando atingirmos o ápice da evolução como sociedade, “feitos até agora atingidos em sua plenitude” por Cuba e Venezuela. Aguardemos a cegante luz que virá em forma de palavras. Aguardemos: 5,4,3,2,1…

      • Zero, Sancho Panza, zero para ti!
        AS BOBAJADAS DA DIREITA BOLSONARISTA
        DENTRE ELAS A “URSAL”
        Uma pergunta do Cabo Daciolo a Ciro Gomes virou meme na Internet: O senhor é um dos fundadores do Foro de São Paulo. Tem algo a dizer sobre o plano para criar a União das Repúblicas Socialistas da América Latina (URSAL)?
        “Meu estimado cabo, tive muito prazer de conhecê-lo hoje e pelo visto o amigo não me conhece. Eu não sei o que é isso, não fui fundador do Foro de São Paulo e acho que está respondido.”, respondeu Ciro Gomes, com leve tom de ironia.
        Daciolo não se deu por vencido e disse que Ciro “sabia sim”, relacionando a Ursal a uma “nova ordem mundial”, que eliminaria todas as fronteiras do continente, surgindo uma única nação, a “Pátria Grande”.
        O termo URSAL ficou adormecido duas décadas e quase não aparecia, mesmo entre os conspiracionistas mais ferrenhos da direita brasileira – nunca foi citado nas atas do Foro de São Paulo. Antes de ser alçado à categoria de “plano” por Daciolo, era usado como metáfora pelo maior conspiracionista da direita brasileira Olavo de Carvalho e seus seguidores em suas críticas à integração entre as esquerdas latino-americanas. Iniciativas como a Unsaul, por exemplo, eram vistas como um perigo iminente à hegemonia capitalista no continente.
        URSAL é igual “rúbrica”, não existe, a não ser nas mentes bobocas dos seguidores de Olavo de Carvalho e dos bolsonaristas que, por pura vergonha, continuam a duras penas e envergonhados mantendo apoio a Jair Messias Bolsonaro para não darem o braço a torcer, mesmo que precisem garantir que as porcarias que ele diz e faz são a prova de que o cabra é peitudo.
        A piada virou verdade na cabeça iluminada do mundo bolsovique: Utilizado pela primeira vez em 2001, em em um texto da socióloga Maria Lucia Victor Barbosa, professora aposentada da Universidade Estadual de Londrina (UEL), era apenas uma chacota. Ela mesma declarou que ela inventou a União das Repúblicas Socialistas da América Latina, a tal da URSAL, de pura sacanagem, e admirou-se de ver a criação de uma teoria da conspiração bem idiotinha com base na palhaçada dela.
        Nas palavras dela mesma, a socióloga Maria Lucia Victor Barbosa: “Quando o Cabo Daciolo mencionou a Ursal, eu quase caí do sofá. Porque ele tá achando que é de verdade, ou ele se empolgou muito com a ‘União da América Latina’. Isso não existe, não. É totalmente utópico. Mas aí o termo ficou rodando por aí e virou uma verdade que não existe”.
        A sigla URSAL começou a se espalhar na blogosfera e fugiu a seu controle.
        Maria Lúcia afirma que pessoas telefonavam para ela para saber se a tal união existia mesmo, e ela explicava que era uma invenção. “Eu falava para as pessoas ‘não passa isso’ [adiante], mas não teve jeito, de repente espalhou”.
        Agora, está surgindo uma teoria de que a Lua é quadrada, sendo de esperar que Olavo de Carvalho aderirá a ela e será acompanhado da multidão de milhões de seguidores, incluindo Jair Messias Bolsonaro e Cabo Daciolo.
        E sabe-se lá quem mais.

        • Detestei o zero que me destes, pois sempre fui aluno aplicado, mas meu cérebro “direitista” deve ser o culpado. Mais uma vez, como se voleibol fosse, “levantei a bola” para sua cortada espetacular, mas…

          …como é difícil admitir a ideia socialista da Pátria Grande, sinônimo real da fictícia URSAL.
          Pátria Grande é um termo sempre presente nos sonhos e ideários de 9 entre 10 comunistas existentes em nossa América Latina? Como ganhei um zero do professor, busco na comunidade fubânica o socorro dos que possuem maior nota na escala numérica de zero a 10 do Goiano para comprovar ou enterrar minhas (in)certezas sobre o tema Pátria Grande.

  2. Aproveito a deixa do Berto e faço a mesma consulta:

    Como é que eu faço pra chegar aos 84 anos que nem tu, e continuar safado, sacana e raparigueiro assim feito tu sois?

    Por favor, preciso urgentemente da receita. É por uma causa nobre, pois estou enamorado de uma bela jovem de 53 anos e temo não dar conta do “recado”.

    • Sancho Panza, vou lhe dar a receita: se és idoso, deves estar com a próstata aumentada. Para que não chegue ao ponto de causar problemas à micção, alguns médicos urologistas receitam Tadalafila em doses de 5 a 8mg diárias, pelo tempo que eles acharem eficiente. Ocorre que a Tadalafila, em doses mais elevadas, é usada para garantir a ereção a quem está com o pau a meia bandeira, sendo que em pequenas doses diárias acaba também propiciando esse efeito.
      Ah, esclarecendo, a tadalafila é o princípio ativo do Cialis, que faz as funções semelhantes ao Viagra, mas… atenção: Essa fonte da juventude não pode ser usada indiscriminadamente, precisa ser receitada por médico, porque há restrições de saúde ao uso.

      • Lendo essas perguntas e respostas aconselhatórias (coisa de Odorico Paraguassu), intervenho e repito o que minha falecida Avó dizia: “o que dá tesão à véi, é muié nova que saiba fudê e num pense só nim dinhêro”! Uma cafungada no pé do uvido, é mais mió que uma caixa de azuzim! E até a Orélia do Dedão, puta e rapariga ao mesmo tempo, que dava o xiri dela lá num chatô onde num tinha nem água pra lavar a manjuba, se privinia, dizendo: “véi, paga logo, apois tu pode morrê na hora de gozá e vô ficar no prejuizo”!

        • “véi, paga logo, apois tu pode morrê na hora de gozá e vô ficar no prejuizo”!

          São essas e outras que me fazem passar a quarentena e a oitentena com os olhos vidrados no JBF. Agradeço aos céus, todos os dias da dádiva do nascimento do Berto (imaginem os senhores se o pai do Berto tivesse falhado na santa hora da fecundação, com uma tremenda brochada e tomado pela vergonha colocasse fim à propria vida? Simplesmente o JBF, nossa bíblia internética não existiria .

        • José, tu só podes ser novinho, para acreditar que depois de dobrado o cabo da boa esperança alguma coisa que não sejam Viagra, Cialis ou outros do ramo seja capaz de possibilitar que se faça continência à bandeira ou segurar o pau com uma toalha sem deixar cair.

  3. Como é que eu faço pra chegar aos 84 anos que nem tu, e continuar safado, sacana e raparigueiro assim feito tu sois?

    Por favor, preciso urgentemente da receita. É por uma causa nobre, pois estou enamorado de uma bela jovem de 53 anos e temo não dar conta do “recado”.

    Bem, meus camaradas, primeiro o cidadão tem que começar sendo punheteiro desde cedo; “comer” pé de bananeira como se fosse Ester Williams; botar no furico das cabras feito Capiba; cagar lendo revista de putaria; pedir a Deus que lhe dê dois paus, pra ficar um de reserva (tal qual a aberração contida na p. 335 do livro “Medicina Legal, do Prof. Hélio Gomes); livrando a mulher dos amigos, só trepar com desconhecida via orifício fedorento; finalmente, mandar operar a fimose e deixar o pau que nem propaganda de Lula: Pau Livre. E finalizando, escovar bem os dentes, lavar bem o cu e, pela vida afora, seja lá o que Deus quiser. Fica safado com diploma.

    • Misericredu diria minha vovozinha, a simpática e desbocada dona Matilde, viúva cinco vezes e exímia namoradeira. A Alice despejou feito metralhadora tanta coisa e eu li toda alista e só fui expert no quesito “punheteiro em tenra infãncia”.

  4. Por defenderem assim com tanto ardor e veemência o indefensável – um sujeito que sentou a bunda, por umas duas dezenas de anos, em bancos escolares, e ainda não aprendeu a escrever e a pronunciar corretamente uma palavra de uso tão corriqueiro, só posso imaginar que os senhores Adail e Pança sejam companheiros de profissão desse jornalista, e, em nome do chamado espírito de corpo, o apoiem e lhe relevem maus-tratos infligidos à língua portuguesa. Ou, por outra, (e no caso do primeiro dos defensores) até o momento incorriam no mesmo erro.

  5. na realidade uma coisa e certa , e verdadeira , materia da tv italiana , TG1 de 2015 , cnfirma que o virus covid 19 e um virus modificado em laboratorio , e portanto usado como arma biologica e inclusive usado pelo primeiro ministro japones que acusa, assim como o primeiro ministro britanico tambem o faz , o governo chines de ataquecom armas biologicas contra o mundo .

Deixe uma resposta