CAÇA E CAÇADOR

De mim mesmo sou um caçador feroz
Virei caça acuada sob uma grande planta
Tento esconder-me, mas pouco adianta
Pois quando corri em minha fuga veloz
Cansei meus pés, caí, presa do meu eu atroz.
Há nos galhos da árvore olhos arregalados
Bicos sedentos, como eu caça também calados,
Das aves de rapina espreitando a minha vida
Sou fera atocaiada e pronta para ser abatida
Oxalá meu algoz perdoe todos os meus pecados!
Eu miro em meu próprio rosto de vincos suados
Diviso o meu desgosto, aguardo o momento
Sob a dor do medo, vivo o meu sofrimento
Vendo-me mirado, são olhos esbugalhados
Do meu eu caçador, de dias tão cansados
Que logo se acabarão, porque serei vencido
Sou uma presa fácil, sou bicho sem bramido
Empunhando a arma da minha desolação
Carregada com os projéteis da minha aflição
Esperando o romper da carne, coração ferido.
(O que será de mim por mim?)
Paro de respirar por um momento
Fecho o olho, vejo a mim mesmo suando.
Sob a árvore.
Debaixo das aves de rapina.
Vejo nos olhos da minha caça, que sou eu
Em meu olhar temeroso, de bicho acuado
Miro.
Minha vida em minhas mãos, sem brilho
Puxo o gatilho
Fui atingido no peito.
(A carne rasgou. Meu coração atingido)
Cresci!

Natal/Julho de 2012

4 pensou em “CAÇA E CAÇADOR

  1. Valeu, grande poeta e cronista natalino.

    Suas crônicas e poesias são sublimes. Valem um abraço pela leitura prazerosa.

Deixe uma resposta