JOSÉ PAULO CAVALCANTI - PENSO, LOGO INSISTO

Esse vírus mudou nossas vidas. E o mundo inteiro. “O inferno tem suas leis”, dizia Goethe (Fausto). O historiador português António Araújo (Visão) sugere que, diferente de outras guerras, nessa “o inimigo é oculto, dentro de nós”. Como a sugerir que, de alguma forma, todos somos culpados. E precisamos estar juntos. O caso de Israel é exemplar. O Likud, de Netanyahu, apesar de ter feito maior número de cadevliiras, 58 cadeiras, não conseguiu maioria. Todos os demais partidos indicaram Benjamin Gantz, do Kachol ve Lavan, para Primeiro Ministro. Só que, por conta da crise, acabaram se acertando. Netanyahu permaneceu no cargo. E, no próximo ano, assume Gantz – que, até lá, preside o Knesset (Parlamento). Em grandes crises, os egos passam a ser secundários.

No Brasil, todos deveriam contribuir. A começar pelo Presidente. Ajudaria muito ficar calado. Sem dizer sandices. Desligasse o Twitter. Desse longas férias aos filhotes. E não fizesse tanta besteira (com o demite/não demite desta semana). Já governadores e prefeitos deveriam interromper, durante algum tempo, esse litígio pequeno, delirante e politicamente utilitário contra o Presidente, que vem desde antes da sua posse. O legislativo também contribuiria se adiasse a campanha golpista de Rodrigo Maia para Primeiro Ministro. E a grande mídia, sobretudo no Sul, deveria voltar a fazer jornalismo. O ministro Mandetta disse que os meios de comunicação andam “tóxicos”. Em alguns casos, “sórdidos”. Foi modesto, nos comentários. O momento é de apostar na convergência. Enquanto durar a crise. Apoiadores de Bolsonaro, por favor parem de se pautar só na reeleição. E opositores, esqueçam um pouco essa volúpia de tentar derrubar o presidente. Quando passar a tragédia, voltem a suas rotinas. Depois. Que o tempo, agora, é de união. Deveria ser.

Uma palavra final sobre os “panelaços”. Por haver, no revival do bater panelas, uma ironia. Melhor escolher outra forma de protestar. Essa, é quase um acinte. Posto que, findas as sinfonias latárias, voltam panelas amassadas para a cozinha dos apartamentos. Tantos de luxo. Onde lhes esperam comida boa e farta. Enquanto milhares de outras panelas estão vazias, em casebres modestos. O dos que convivem com a fome. São essas panelas vazias que precisamos ouvir. Não com os ouvidos, mas na alma. Bem dentro de nós. Bom senso pois, senhores.

10 pensou em “BOM SENSO, SENHORES

  1. Belas palavras, meu Caro Jose Paulo.Espero que encontrem ouvidos atentos e bem intencionado. Meu temo é que cheguem aos moucos e mal intencionados.

  2. Obrigado, Dr. José Paulo, por mais essa joia em forma de artigo. Como o Velho Graça, o senhor falou tudo, ou quase, em poucas e sábias palavras.

  3. Prezado Sr. José Paulo!

    Convergência é tudo o que Bolsonaro tem procurado desde o início desta crise.

    Quem foi que procurou os governadores para conversar?

    Quando estava frente a frente com o Dória quem partiu para críticas midiáticas e desnecessárias contra o Presidente da nação?

    Óbvio que JB não tem sangue de barata. Devolveu à altura o ataque do Dória e a reunião foi para o espaço.

    Os filhos 01, 02 e 03 estão ao lado do pai, têm liberdade de expressão e falam por eles; não governam, não tomam decisões e agem para defender o pai.

    A imprensa hoje torce pelo virus e tem no Grupo Globo o seu representante mais destacado.

    O que fazem hoje com a história da CLQ+AZT; desacreditando um remédio barato que pode mudar a curva de mortes é criminoso.

    “O legislativo contribuiria se adiasse a campanha golpista de Rodrigo Maia para Primeiro Ministro”.

    Deixa eu ver se eu entendi direito. Primeiro deixa a crise passar, depois pode derrubar o Bolsonaro? É isso?

    Sou apoiador do Bolsonaro e se tem uma coisa que não me preocupa, tampouco ao Presidente é a reeleição.

    Ele jamais se colocou como postulante à reeleição, ao contrário, disse várias vezes que se fizessem uma reforma política para valer com redução de partidos, voto distrital, sem reeleição, sem fundão, ele abriria mão da reeleição.

    Já Dória e Witzel, desde o primeiro dia de governo já declararam que estavam de olho na cadeira presidencial em 2022.

    • Confesso que sempre gostei dos textos do João Francisco, mas este foi de lavar a alma. O ministro Mandetta, que quase virou “queridinho” da mídia esquerdista, mas (bendito mas) disse que os meios de comunicação andam “tóxicos”. Em alguns casos, “sórdidos”. Taí um grande sujeito, pois poderia ter sido vítima da vaidade, neste momento em que a mídia ensaia tê-lo como ídolo, mas é em momentos de crise que se vislumbram os grandes homens. Voltou-se contra os aduladores de ocasião e ajuda Bolsonaro a conduzir a NAU BRASIL até porto seguro.

      “Não é em terra que se fazem os marinheiros, mas no oceano, encarando a tempestade.” Machado de Assis

      E lá vão os 22 marinheiros do CAPITÃO Bolsonaro provando o seu valor nas tempestades que surgem no horizonte. Algumas provocadas pela natureza, outras (99,9% delas) pela turma do contra.

      Um recado à turma do contra: se vocês tivessem, como nós, remado a favor do Brasil, a nação estaria hoje navegando unida para diminuir os inevitáveis danos da pandemia, para que brevemente possamos olhar para o nascer de um novo dia e olhar majestoso céu de brigadeiro. Mas isso não interessa AOS DO CONTRA.

  4. Prezado Dr. José Paulo,

    Muito obrigado pelas sábias palavras de bom senso clamando pela harmonia e convergência de interesses.

    Nosso país está precisando muito que pessoas sábias, como o senhor, preguem essas verdades.

  5. Seu ‘BOM SENSO, SENHORES”, levou-me ao discurso antológico proferido por um dos maiores presidentes que já passaram pela história dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, do dia de sua posse, no Capitólio em 1861, clamando a união de todos os Estados da Federação por uma só causa: o fim da escravidão, essa mancha negra que enojava os Estados Unidos.

    Por isso foi assassinado por um lunático covarde contrário a ideais tão nobres: a liberdade de todos sem distinção de raça, cor, religião, sexo!…

    A maior obra do presidente Abraham Lincoln e de todos aqueles políticos que querem ver seu país como a extensão do bem estar do seu povo, são o seu legado maior!

    Portanto, respeitos e bom senso, senhores políticos nesse momento! O país não é de vocês e sim de todas as gerações que virão depois.

    Obrigado mais uma vez, D.º José Paulo Cavalcanti Filho!

    • O presidente americano foi assassinado por um ator enquanto assistia uma peça no teatro.
      Teve mais sorte o deputado que levou uma facada , muita pancada da esquerda e da imprensa esquerdopática que queria vê-lo morto , conforme declararam sem timidez . Levou a facada e a faixa presidencial ,porém o teatro foi estabelecido . Os que queriam sua morte , dizem que foi armação , e os advogados não informaram que os paga. O teatro continua. E agora tem um ator mais virulento , ídolo dos criminosos e que muitos querem vê-lo firme e forte combatendo os brasileiros de bem , que tem família para sustentar, que não vivem de sugar o erário . Brasileiros que trabalham e produzem , e que sustentam a escória forçadamente. Podemos pedir bom senso e respeito , mas………..teremos ? .

  6. Pelo teor de alguns comentários, percebo que a união sugerida pelo dr José Paulo, jamais se concretizará nesse nosso dividido país.

  7. Não teremos paz nunca. Embora no resto do mundo as pessoas, independente de filiação partidária, estejam unidas pra combater a pandemia, aqui Bolsonaro parece pior do que o vírus. Certo que lhe falta polidez no cargo, que ele deveria controlar o impulso. Os filhos do mesmo jeito. Cada vez que falam municiam as críticas com infantilidades

Deixe uma resposta