JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

O silêncio reinante no “bem ali”

– Ei, bora “bem ali”!

– “Bem ali” é aonde?

– “Bem ali” é muito antes do “acolá”, e distante do “lá na frente”!

– O que é que vamos fazer nesse “bem ali”?

– Vamos saborear a natureza. Vamos escutar o cântico da cigarra, quando começar a anoitecer.

– Nesse “bem ali” só tem cigarras cantando?

– Não!!! No “bem ali” tem a profundidade do silêncio, a natureza, o céu límpido e claro.

Mas, o que tem de bom mesmo “bem ali” é o silêncio. “Bem ali” é tão silencioso, que apenas alguns conseguem escutar a conversa entre o vento e a brisa – e, claro, o vento sempre tentando convencer a brisa para um colóquio amoroso.

Mas a brisa sempre reluta, achando que a conversa pode evoluir para “os finalmente”, e dali nascer uma tempestade.

A sonata da chuva que cai “bem ali”

– Indo “bem ali” a gente pode conhecer o desconhecido, descobrir o encoberto. “Bem ali”, tem uma lagoa e a gente pode até banhar juntos. Banhar nus, como a natureza nos criou.

– E…. se alguém nos olhar banhando nus na lagoa desse “bem ali”?

– Na lagoa, banhando nus, estaremos só nós dois. Ninguém sabe onde fica o “bem ali”. Só nos, os despidos da maldade.

– E, depois do banho nessa lagoa do “bem ali”, o que faremos?

– Voltaremos para casa, pois a noite estará se apressando para chegar. Aproveitaremos para escutar o vem-vem e até para espantar as corujas que ficam na estrada. Vamos?

– Tá certo. Vamos. Mas, só vou porque você está dizendo que é “bem ali”!

A caminho do “bem ali” a estrada estará cheia de folhas que o outono derrubou

– Vamos andar um pouco mais rápido! Só assim, o “bem ali” fica mais perto. Bem distante do acolá.

Chegaremos em casa, comeremos alguma coisa e, escutando os vôos rasantes das corujas, sentaremos na ponta da calçada e contaremos estrelas. Separaremos aquelas com brilho muito intenso, das que não brilham tanto. Formaremos, ainda que apenas na imaginação, a nossa constelação estelar.

– E depois que contarmos as estrelas, o que faremos?

– Entraremos. Deitaremos, e faremos o que você quiser. Mas, não faremos tantas vezes pois, com certeza, o amanhecer de um novo dia estará “bem ali”!

8 pensou em “BEM ALI!

    • Assuero, ambos são perto, quando saem de nós em estado de graça e agradecimento. O bem ali é sempre muito próximo. Mais próximo de nós, que de qualquer outro lugar.

    • Beni, a bola é feita de couro. Couro de vaca. Vaca gosta de comer capim, a grama. Por isso a bola tá é com você, irmão. Obrigado pela generosidade transmitida no comentário.

  1. E bem “aqui” bem mais longe de “bem aí” está Sancho APLAUDINDO de pé ao primor de texto zérramiano.

    Cabra, se Sancho tivesse “catiguria” pra escrevê algo tão belo, com certeza eu me candidataria ao Nobel de Literatura.

    E como diria Dalinha, EU QUERO É MAIS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Beijão, Zé!!!!

    • Sancho, um beijo no teu coração amigo. Não vá dividi-lo com Altamir. É um beijo pra cada um. Vcs brigam mas vcs se amam. Como duas quengas da ZBM.

Deixe uma resposta