JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

Patrícia Rehder Galvão nasceu em São João da Boa Vista, SP, em 9/6/1910. Escritora, poeta, dramaturga, jornalista, tradutora, cartunista e musa dos “modernistas”, quando ingressou no “Movimento Antropofágico”, em 1928. Filha de Thiers Galvão de França, jornalista e advogado, e Adélia Rehder Galvão, mudou-se para São Paulo, aos 3 anos. Aos 15 passou a colaborar no “Brás Jornal”, assinando “Patsy” em seus artigos. Foi diplomada professora pela Escola Normal Caetano de Campos, em 1928, enquanto estudava literatura e arte dramática no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, dirigido por Mario de Andrade.

Aos 19 anos teve um de seus desenhos publicado na “Revista de Antropofagia” e conheceu seus editores, o casal Oswald de Andrade e Tarsila do Amaral. O comportamento extrovertido encantou os intelectuais modernistas e ganhou o apelido “Pagu”, a partir do poema –Coco de Pagu- de Raul Bopp. Apesar da pouca idade, era uma mulher avançada para os padrões da época, dada a algumas “extravagâncias”, como fumar na rua, usar blusas transparentes, cabelos curtos e falar palavrões. O poema alavancou sua carreira artística, pois foi publicado em vários jornais, foi interpretado por ela mesma no Teatro Municipal, em 1929, e virou letra de uma toada gravada por Laura Suarez em 1930. Oswald de Andrade ficou entusiasmado com a moça e em pouco tempo estavam namorando, mesmo casado com Tarsila. Em seguida, ele rico, boêmio e famoso, causou um escândalo na sociedade conservadora de então. Em 1930 separou-se de Tarsila e casou com a bela jovem. Para melhorar (ou piorar) o escândalo, o casamento se deu no Cemitério da Consolação, diante do jazigo da família Andrade.

No mesmo ano nasceu o filho Rudá e pouco depois viajou para Buenos Aires, onde participou de um festival de poesia. Antes disso, o casal já era filado ao PCB-Partido Comunista Brasileiro e ela aproveitou a viagem para um contato com Luiz Carlos Prestes, que se encontrava exilado, mas só conseguiu o intento pouco depois em Montevidéu. Aproveitou, também, para contatar o pessoal da revista “Sur”: Jorge Luís Borges e Victoria Ocampo. Voltou ao Brasil entusiasmada com o ideal comunista e o casal funda o tablóide “O Homem do Povo”, em 1931, que dura apenas 8 números. Sua coluna -“A Mulher do Povo”- fazia duras críticas à burguesia paulistana. Nesta época tornou-se também cartunista e passou a ilustrar a “Revista de Antropofagia”. Em agosto de 1931, ao participar de uma greve de estivadores em Santos, foi presa inaugurando uma série de 23 prisões ao longo da vida. Solta 15 dias após, passou a dedicar-se a escrita de um romance – Parque industrial -, publicado em 1933, sob o pseudônimo de Mara Lobo. Trata-se de um dos 10 pseudônimos que usava em seus textos É considerado o primeiro romance proletário do Brasil, traduzido mais tarde e publicado nos EUA e na França.

Como jornalista escrevia sobre tudo, publicando em diversos jornais; opinava sobre política, classe operária, a sociedade, homossexualidade feminina e até histórias policiais para a revista “Detetive”, dirigida por Nelson Rodrigues. Foi correspondente de vários jornais de São Paulo e Rio de Janeiro, quando viajou pela Europa, EUA. Japão, União Soviética e países da Ásia, enviando reportagens. Na França, contatou André Breton e outros surrealistas; entrevistou Sigmund Freud e assistiu à coroação de Pu-Yi, o último imperador chinês, através do qual conseguiu sementes de soja, que foram enviadas ao Brasil. Quem poderia imaginar que tal façanha viria a ser incluída em seu curriculum: introdutora da soja no Brasil, tornando-o o segundo maior produtor do mundo. Em 1935 foi presa em Paris como comunista estrangeira portando uma identidade falsa e foi repatriada. De volta a São Paulo e após um período de brigas e ciúmes, separou-se de Oswald e retomou sua atividade jornalística e militante política. Com a “Intentona Comunista”, em fins de 1935, foi presa e passou 5 anos na cadeia, enquanto o filho Rudá era criado pelo pai. Sofreu torturas na prisão e ficou bastante debilitada, com 44 quilos e sequelas físicas e emocionais.

Ao sair da prisão, em 1940, rompeu com o PCB e passou a defender um socialismo de linha trotskista. A partir daí não quis mais ser chamada de Pagu, padecia de forte depressão e teve sua primeira tentativa de suicídio. Foi recompondo a vida com a ajuda do amigo Geraldo Ferraz, critico de arte com quem se casou em seguida. Desse casamento, nasceu o segundo filho –Geraldo Galvão Ferraz– em 1941 e passou a morar com os dois filhos e o novo marido. Foi uma feminista antes do tempo e se declarava uma “mulher de ferro, com zonas erógenas e aparelho digestivo”. Em 1945 começou a trabalhar na agência de notícias France-Presse, onde ficou por 10 anos, e passa a integrar a redação da revista “A Vanguarda Socialista”, junto com Mário Pedrosa e a nata da intelectualidade de esquerda anti-stalinista. No mesmo ano lançou novo romance: A famosa revista, escrito em parceria com o marido, denunciando as mazelas do PCB. Incentivada pelos amigos, tentou ingressar para valer na política. Nas eleições de 1950, tentou sem sucesso uma vaga como deputada estadual pelo Partido Socialista. Por esta época decidiu se dedicar mais ao teatro e passou a frequentar a Escola de Arte Dramática de São Paulo. Em 1954, o casal foi convidado para trabalhar no jornal “A Tribuna”, em Santos, onde passam a residir. Aí iniciou um movimento em prol do teatro amador, do qual participava o jovem Plínio Marcos. Montou peças e iniciou uma campanha para a construção do Teatro Municipal.

Sua preferência dirigia-se aos autores de vanguarda: Ionesco, Arrabal, Alfred Jarry, Nabokov, Becket, Ibsn, Octavio Paz etc e traduziu as peças A Cantora Careca e Fando e Liz, dos dois primeiros autores. Escrevia, também, sobre música de vanguarda nacional e estrangeira e chegou a registrar notas sobre televisão em seus primórdios. Além da profícua atividade cultural, não abandonou a participação política. Assumiu a coordenação do Teatro Universitário de Santos (1956), a presidência da União dos Teatros Amadores (1961) e fundou a Associação de Jornalistas Profissionais de Santos, incorporada ao Sindicato dos Jornalistas mais tarde. Em seguida foi acometida de um câncer. Foi se tratar em Paris, mas sem resultados positivos. Desiludida e desesperada, tentou de novo o suicídio. Sobre o episódio, escreveu: “Uma bala ficou para trás, entre gazes e lembranças estraçalhadas”. Pouco depois, ainda jovem, foi vitimada pela doença aos 52 anos, em 12/12/1962.

Passou uns 20 anos esquecida e a partir da década de 1980 foi adquirindo uma “tardia e crescente” popularidade com a ajuda dos filhos no resgate de seu legado. Surgiram diversas biografias, iniciando com Pagu: vida e obra, de Augusto de Campos (1982); Patrícia Galvão: livre na imaginação no espaço e no tempo, de Lucia Maria Furlani (1988); Pagu: literatura e revolução, de Thelma Guedes (2003); Pagu, de Lia Zatz (2005); Dos escombros de Pagu; um recorte biográfico de Patrícia Galvão, de Tereza Freire (2008). O resgate não ficou apenas nas biografias. Em 1988, sua vida foi contada no filme “Eternamente Pagu”, dirigido por Norma Benguell. Em 2001 Rudá de Andrade realizou o documentário “Pagu: livre na imaginação, no espaço e no tempo”. Na TV, foi personagem na minissérie “Um Só Coração” (2004), interpretada por Miriam Freeland. Em 2005, houve em São Paulo uma grande comemoração pelos 95 anos de seu nascimento, que incluiu lançamento de livros, exposição de fotos, desenhos e textos da homenageada, apresentação de um espetáculo teatral sobre sua vida e lançamento do site Pagu.

No dia exato de seu nascimento, os convidados compareceram com trajes de época a uma “Festa Pagu”, realizada no Museu da Imagem e do Som. No mesmo ano foi lançada sua autobiografia (texto inédito escrito em 1940): Paixão Pagu: A autobiografia precoce de Patricia Galvão. Em 2006, foi tema do samba enredo da Escola de Samba X-9, de Santos. Em 2010, ano do centenário de seu nascimento, foi encenado o espetáculo “Dos escombros de Pagu”, baseado no livro homônimo de Tereza Freire. A comemoração do centenário foi encerrada com a publicação do livro “Fotobiografia Viva Pagu”, de autoria de Lúcia Maria T. Furlani e seu filho Geraldo Galvão Ferraz. A Unicamp criou um centro de pesquisa sobre gênero que leva seu nome e edita os “Cadernos Pagu”. Em Santos, a Casa de Cultura também leva seu nome. Em São Paulo é mantido o Instituto Patrícia Galvão, que mantém serviços dirigidos à defesa dos direitos da mulher e uma agência de notícias. Lucia Maria T. Furlani, autora de livros e tese sobre Pagu costuma dizer que “Ela sempre foi vista como muito louca, e é essa Pagu que precisa ser desmistificada”.

Deixe uma resposta