JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

Maria Queiroz da Silva nasceu em Grossos, RN, em 30/3/1929. Professora, economista, pedagoga, oradora e política na condição de deficiente física de nascença, desprovida das pernas e do braço direito. Pode parecer inacreditável que uma pessoa nestas condições pudesse realizar empreendimentos tais como ministrar aulas, fundar uma escola, construir uma igreja, viajar pelo mundo e assumir o cargo de vereadora na capital de seu Estado. No entanto, é tudo verdade e se constitui num dos casos de superação mais fabulosos em todo o mundo.

De origem humilde numa família de 9 irmãos, era uma criança alegre, comunicativa e dotada de uma inteligência privilegiada. Mas isto não impediu que sofresse preconceito em sua comunidade. Aprendeu a andar sozinha, utilizando joelheiras e queria estudar como fazia os irmãos e colegas, mas sua mãe não estimulava, temendo a discriminação que sofreria na escola. Passou a frequentar uma escola particular em Areia Branca e logo aprendeu a ler e escrever. Uma de suas brincadeiras era ler para as amigas e contar o que aprendeu na escola. Assim foi moldada sua vocação para o magistério. Era dotada de uma vivacidade incomum e rejeitava os sentimentos de preconceito ou compaixão diante de sua deficiência. Ao seu modo conseguiu relativa independência de mobilidade.

Aos 12 anos concluiu o Curso Primário no Educandário Padre Anchieta e decidiu ser professora quando crescesse. Como em Areia Branca não havia ginásio, a família mudou-se para Mossoró onde os filhos poderiam cursar o ginasial. Mas ela não foi aceita em nenhum ginásio, devido a deficiência e tiveram que se mudar para Natal na esperança de continuar os estudos. Passou no “Exame de admissão” ao ginásio, no Colégio Atheneu, mas foi impedida de se matricular. Não acatou a decisão da Diretoria e foi reclamar junto ao Secretário da Educação. Comovido com seu problema, o secretário determinou que sua matrícula fosse aceita.

Concluído o curso ginasial, entrou na Escola Normal do Estado para cursar pedagogia e se formar professora do curso primário. No 2º ano do curso, foi editada a Lei nº 2.889, de 11/1/1961, cujo artigo 21 dispunha: “Os candidatos a exame de seleção deverão apresentar diploma de conclusão de Curso Ginasial… bem como satisfazer os seguintes requisitos: a) Sanidade física e mental; b) Ausência de defeito físico ou distúrbio funcional que contraindique o exercício da função docente. Ou seja, a Lei exigia a sanidade física e reforçava, reiterava a necessidade de “ausência de defeito físico” para que não restassem dúvidas. Como se vê os legisladores da época eram muito “precisos” na sua função “social”.

Mas, como já estava no 2º ano, concluiu o curso em 1962 e foi escolhida como oradora da turma. Pouco antes da formatura, a diretora da escola entrou na classe e perguntou quem gostaria de receber o diploma com o nome escrito em letras góticas. Maria foi a primeira a aceitar. Mas para espanto das colegas, a diretora disse-lhe: “Você não, Maria! Você não receberá o diploma! A sua condição física não permite!” Ela retirou-se da sala em lágrimas e dirigiu-se ao Palácio do Governo. O governador, comovido com sua “via crucis”, revogou a decisão da diretora. O problema agora está em encontrar uma escola onde possa dar aulas. Não encontrou e para realizar sua vocação teve que fundar uma escola, o “Externato Santa Terezinha”, assumindo o cargo de professora e diretora.

Na administração de sua escola, passou a se interessar por economia e ingressou na UFRN-universidade Federal do Rio Grande do Norte. Diplomada em Ciências Econômicas, em 1967, passou a ficar conhecida em Natal como “Baía”. Era seu nome caseiro pronunciado pelos irmãos pequenos, que não sabiam falar Maria. Assim adquiriu popularidade, admiração e respeito na cidade. Em 1976 foi estimulada a candidatar-se a vereadora de Natal, pelo MDB, partido de oposição ao governo militar, e obteve 1636 votos, ficando na 1ª suplência e assumiu o mandato em 1978. Além destes trabalhos, manteve intenso trabalho social na Igreja ao lado do Padre Lucas Batista Neto em viagens internacionais. Comandou, na Praia de Areia Preta, uma campanha de arrecadação de fundos para a construção da Igreja de São Francisco.

Em 19/10/1981, após submeter-se a uma cirurgia cardíaca, veio a falecer. Como é nosso (mal) costume de se reconhecer os valores das pessoas somente após a morte, os políticos de Natal deram seu nome à uma escola pública, em maio de 1982, transformada num estabelecimento de ensino fundamental e ensino médio, em 2002. Mais uma homenagem póstuma lhe foi prestada pela Prefeitura com a inauguração da Rua Vereadora Maria Queiroz, no bairro de Lagoa Nova, bairro nobre de Natal. Em 2019 sua vida e legado foi registrado na biografia “Maria Queiroz BAÍA – Exemplo de superação e luta contra o preconceito”, escrita por Lúcia Eneida Ferreira Moreira, publicada pela Offset Editorial.

Obs.: Este relato biográfico foi realizado a partir da crônica de Violante Pimentel – “A superação” -, publicada neste jornal em 21/2/2020, e alguns dados e informações enviados posteriormente.

10 pensou em “AS BRASILEIRAS: Maria Queiroz da Silva

  1. Grato Violante. Seria possível enviar ao Deputado Ney Looes, ai de Natal? Eu trabalhei com ele em São Pulo e gostaria que ele visse o texto.

  2. Mestre Plínio

    Há quanto tempo não o vejo por estas paragens? Que beleza!!. Só posso dizer que encontro estas preciosidades nos relatos do povo brasileiro, uma nação riquíssima não só pela própria natureza, como diz seu hino. É plena de exemplos e riquezas humanas, infelizmente pouco conhecidas devido ao fato de não serem divulgadas.

    Ouvi dizer que os norte-americanos são melhores nisso. O mestre, que conhece bem este páis, o que me diz disso?

  3. Incrível, que grande força de vontade e inteligência.
    Somente um espírito indômito , não se deixa vencer pelos preconceitos e
    e falta de respeito por aqueles a quem a adversidade não deixou abater a sua
    coragem e desejo de aprender e criar alguma coisa de valor em prol da sociedade.
    Que grande exemplo.
    Nunca tinha ouvido falar em tamanha heroina,, pois na verdade
    aqui nesta terra os heróis são sempre sublimados pela arrogância e
    vaidades politicas.
    Brito, esta sua coluna está cada dia se tornando, além de grande
    divulgação dos nossos heróis quase esquecidos, uma oportunidade de
    mostrar um conhecimento de exemplos pouco divulgados e também
    certamente de muita utilidade pública,
    Abraços professor.

  4. Grato caro d.matt pelo estímulo. Digo a você o que disse ao mestre Plínio: o Brasil não é rico apenas pela própria natureza. Tem uma riqueza humana extraordinária

Deixe uma resposta