XICO COM X, BIZERRA COM I

Assim era ele conhecido em toda a região do Cariri cearense: Anduiá. Esse era o seu nome. 1 metro e 80 de pura classe, artilheiro nato, faro de gol aguçado, terror dos goleiros. Camisa 9 do Esporte do Crato, time treinado pelo meu tio Almir. Ao lado de Chico Curto, este com pouco mais de 1 metro e 50 e melhor que Zico, dizem, deixava os zagueiros do Crato Futebol Clube com insônia na noite anterior ao clássico local, contra o Esporte, no campo do Seminário. Digo que a sorte de Pelé foi o apego do craque cearense a sua terra, ao Cabaré de Glorinha e à cachaça local, fatores que o impediram de ir tentar a sorte num Vasco ou Palmeiras da vida. Se assim tivesse feito, certamente Guadalajara teria aplaudido o cabeça chata na Copa de 70. E Pelé teria sentido na bunda a dureza de um banco mexicano. Verdade. Os Deuses do futebol não me deixam mentir. Sumiu, ataque cardíaco, numa ladeira do Bairro do Gesso, no Crato, depois de mais uma noitada com as ‘meninas’ do cabaré de Glorinha. No domingo seguinte fez-se um minuto de silêncio antes do jogo do Esporte Clube do Crato contra a seleção de Juazeiro do Norte. Resultado: 0x0. Anduiá não fez gol.

Toda a obra de Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.

6 pensou em “ANDUIÁ

  1. Xico, Xiquim, Xicão: assino aonde? Apois eu vi Anduiá jogar no Presidente Vargas, em Fortaleza. Me alembro bem. Era fei pra peste, mas marcava gols – talvez por conta da feiúra! Vi o duelo imperdível: Filé de jia x Anduiá. Se somássemos a altur4a dos dois, quatro metros ficava pra trás. Filé de jia era o apelido de Alexandre Nepomuceno, zagueiro, ídolo do Ceará, capitão até da seleção cearense.

  2. Alexandre formava dupla de zaga com William, Aloísio Linhares embaixo das traves. Lá na frente, fazendo gol às pencas, o pernambucano Gildo, desprezado pelo Santa Cruz, idolatrado no Ceará Sporting (caso idêntico ao de Erandyr, o canela de vidro, este do Fortaleza, egresso do mesmo Santa Cruz). Bons tempos, José Ramos.

  3. Ainda bem, Mestre Xico, que a nossa memória armazena esses momentos deliciosos que não voltam mais, mas que a gente pode repassá-los aos apaixonados do futebol arte. Qualquer arte.

    Pelé não teria sido o que é se não fossem as oportunidades agarradas e no momento certo, embora reconheçamos que ele é um gênio. Mas gênios sem oportunidades para demonstrarem seu talento é como enxugar gelo.

    Quantos e em quaisquer campo da arte não já sucumbiram sem poder demonstrar a que vieram?, infelizmente.

    A vida é mesmo assim. Só as cartomantes preveem o futuro…

Deixe uma resposta