JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

A nova moradia do João-de-barro

São muitas as leis brasileiras que protegem as florestas.

O povo brasileiro é quem faz com que essas leis não signifiquem muita coisa – e, nisso, tem a conivência dos aplicadores dessas leis como forma de punir e coibir a repetição dos crimes ambientais.

Na Austrália, algumas leis não são diferentes das leis brasileiras. O que faz a diferença é a aplicação da legislação vigente com maior rigor – e isso garante o respeito às leis e a preservação do meio ambiente.

No Brasil, todo dia é dia de caçar.

No Brasil, todo dia é dia de prender e criar pássaros silvestres, em que pese a também corriqueira e repetitiva apreensão dos transgressores – mas a pena aplicada é que desmoraliza a legislação e incentiva a continuidade da prática do crime.

Conheci Timbaúba, um povoado localizado entre Queimadas, outro povoado, e Pacatuba, municípios atualmente integrados à Região Metropolitana de Fortaleza. Timbaúba é onde existia uma importante (ainda que pequena) mata no pé da serra do município de Pacatuba. Era ali, na Timbaúba, que muitos desenvolviam o hábito de caçar (e matar) passarinhos e outros animais silvestres (cotias, pacas, tatus, camaleões, teiús, mucuras e até alguns veados) para o complemento alimentar.

Mas, era lá, também, na Timbaúba, que as crianças e alguns adultos apreendiam pássaros e capturavam outros tantos, em arapucas e alçapões e, por vezes, ainda recolhiam nos ninhos os filhotes recém-nascidos.

Criavam os filhotes para o deleite de escutar o canto ou para uma futura venda. Sabiás, galos de campina, rolinhas, azulão, sanhaços, graúnas, corrupiões e xexéus. Frutas e papa de leite com farinha de mandioca serviam como alimento para os filhotes.

Naqueles anos, diferentemente de hoje, não eram tão numerosas as famílias que ali viviam por livre escolha. A capital não ficava tão distante e onde as principais dificuldades podiam ser resolvidas em pouco tempo.

Numerosa, a família de José Dourado, mais conhecido por “Seu Zeca” que, ao lado de Dona Amarilis, chegou naquela localidade no início dos anos 40. Mais precisamente, no ano de 1943. Cada ano, nascia uma criança. E assim foi em 43, 44 e 45.

Depois nasceriam outros. Duas meninas e mais um menino, num total de seis filhos.

Infelizmente, por total descuido da gestão pública municipal, as escolas de iniciação (primário, ginasial e científico) não eram tantas. Quem pretendesse ir à frente nos estudos, precisaria mudar de cidade para alcançar novas metas.

Não foi diferente com a família de “Seu Zeca” e Dona Mamá (Amarilis), que acabaram entendo que, por força da necessidade do estudos dos meninos, precisariam mudar para a capital, ainda que ali mantivessem aquele pequeno sítio. E assim fizeram.

Trouxeram parentes de Queimadas para morar na casa da Timbaúba e, só então, resolveram mudar para a capital.

Qualquer mudança de lugar de moradia por longo tempo será traumática para alguém. As antigas amizades, a vizinhança conhecida, as facilidades de locomoção e o conhecido estilo de vida. Quem parte sofre, ainda que sonhe com melhores perspectivas, e quem fica vai nutrir o sentimento da perda por algum tempo.

Os três meninos mais velhos precisavam dar continuidade aos estudos. Paulo, 13 anos; Moisés, 12 anos; e, Alfredo, 11 anos. Paulo, além dos estudos, tinha algumas tarefas domésticas em apoio aos pais e era o responsável por levar todo dia o almoço de “Seu Zeca” quando esse cuidava da roça – e lá havia sempre alguma coisa por fazer.

Moisés e Alfredo ajudavam a mãe nas tarefas domésticas e estudavam. Nas horas vagas, se dedicavam à caça de passarinhos, armando arapucas e catando filhotes. Os dois, diziam os outros meninos de Timbaúba, eram donos de ótima pontaria e tinham as melhores baladeiras. Sabiam quase tudo de pássaros e até conseguiam imitar o cântico de alguns deles, como o bem-te-vi e a graúna.

Alfredo, sempre mais tímido, mas também bom conhecedor de passarinhos, conseguiu tirar do ninho ainda em penugem, um casal de João-de-barro e dele cuidou por meses.

Chegara o dia da partida. Sem alcançar outra solução, Alfredo resolveu abrir a gaiola e soltar o casal de João-de-barro, antes, tendo o cuidado de acariciar demoradamente as cabeças das duas aves. As aves voaram, mas pousaram num florido ipê que havia ao lado da porteira de acesso para a casa da família.

O caminhão da mudança partiu, e algumas lágrimas impediram que alguém prestasse atenção no que acontecia em volta. Antes que o caminhão sumisse definitivamente na estrada, Alfredo e Moisés ainda viram o aceno do casal que ficara morando na casa da Timbaúba.

Na viagem poucas palavras. Paulo observava o casario diferente da vida urbana da capital, sem qualquer semelhança com as casas simples da Timbaúba. Moisés e Alfredo traçavam planos, antes mesmo de saber se ainda conseguiram matrícula numa nova escola da capital.

A primeira semana na nova moradia foi atribulada. Novas amizades e até dava para perceber algum tipo de rejeição entre as crianças que já moravam naquela rua e os que acabavam de chegar.

O tempo passou. A primeira semana, a segunda e a terceira. As aulas foram iniciadas numa escola não tão distante dali. Livros novos, amigos novos, professores novos e uma nova rotina.

Mas, jamais deixaram de ter espaço para o lazer. E tinham. Moisés e Alfredo se revezavam no pedalar da bicicleta que trouxeram de Timbaúba. Alfredo, quando chegou sua vez de pedalar, foi um pouco mais distante.

Enquanto esperava a passagem de um carro, teve a atenção desviada pelo destino.

É, só pode ter sido o destino ou a interferência da natureza das coisas. Ao levantar a vista para um poste, Alfredo nem acreditava no que estava vendo e falou mais alto para si mesmo:

– Meus bichinhos! São eles! Os meus passarinhos!

Alfredo acreditava mesmo que o casal de João-de-barro também resolvera acompanhar a família e, num poste de madeira, resolveu construir ali a sua nova moradia. E até foi mais longe: construiu quase que uma vila inteira, sinalizando que a família estava próximo de crescer. A fêmea pusera três ovos.

Coisas que só Deus pode fazer e nos permitir compreender.

12 pensou em “A VILA DO JOÃO-DE-BARRO

  1. Zé, quando eu vejo esse engenheiro civil da natureza, que nunca teve sequer um dos extraordinários professores do nosso querido Magnovaldo Santos, ficou pensando que ele atendeu aquele pedido de Zé Rodrix: “eu quero um casa no campo onde eu possa compor muitos rocks rurais”. Fico imaginando o João-de-Barro com as pernas cruzadas, as asas encostadas na parede lendo a coluna de Zé Ramos no Jornal da Besta Fubana.

    • Assuero, nenhum “professor” em nenhum lugar deste planeta, por mais qualificado que seja, com cursos disso e daquilo, vai conseguir ensinar mais que o “mundo” – com cada obstáculo ultrapassado sendo uma aula. Mais mió que a engenharia do João-de-Barro, é a engenharia do Xexéu. Constrói seus ninhos onde nem as cobras conseguem chegar.

  2. Bela estória . Sem contar as fotos dos triplex !, tudo depois de saírem do sítio . Haja promotores !.
    Mas pelo que vemos a fauna não foi muito desgastada pela caça do viados pois eles estão aí aos milhares. Ops, deixe-me voltar a ler ……….. a,veados . Temos que prestar mais atenção ao ler. Fazer como a alimentação , degustar bem devagar.
    Desculpe a brincadeira de domingo chuvoso , foi um belo e terno conto .

    • Joaquim, é quase tudo a mesma coisa, né não? “Quase”, eu disse. Quando teremos a audácia de comparar Clodovil com Jean Willys? Mesmo rótulo para dois conteúdos muito diferentes.

  3. Os joões aqui do Chuveste ainda não aprenderam a fazer triplex, pois ainda fazem moradas simples, para uma só passarinhada. E os zés aqui do ABC Paulista ainda não aprenderam a fazer textos tão interessates. Joões e zés nordestinos andam ligeiro na arte do bem fazer.

    Vida longa aos mestres, enquanto o ze´mané Sancho fica só na aprendizagem, bebericando e embucetando neste final de semana chuvoso aqui pelas bandas do Chuveste..

    • Sancho, embucetar será sempre algo melhor. Com a chuva, então! Embucetar dentro de uma rede, com uma manta Parahyba protegendo, qualquer um embuceta a noite inteira. Continue embucetando, amigo.

  4. Nem ia escrever sobre , mas já que Sancho começou , aquela primeira entrada no triplex ao lado do João de Barro tem uma forma diferente ou são meus zoios ?.

    • Joaquim, também observei. Provavelmente, esse primeiro foi construído pela OAS para o Lula, e a falecida Dona Marisa estava mandando reformar. Já o segundo bloco, foi obra do próprio João-de-Barro!

Deixe uma resposta