JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

A “bolandeira” tocada a boi que movimenta o caititu

Na prática, tudo começava quando Zarraimundo metia a mão no bolso lateral da calça, e dele retirava um relógio de algibeira. Pontualmente às 07:30 horas, fazia soar em alto e bom tom o chocalho velho que fora retirado do boi Genaro, quando esse precisou ser sacrificado. Não conseguia mais andar, dando voltas, para movimentar a bolandeira e essa o cilindro do caititu.

Chegava a hora do trabalho. Oficialmente! Era verdade que, para a maioria que ali estava, o dia começara com o cantar do galo, por volta das 05:30 horas. Ainda escuro, quando todos se aprumavam nos lombos dos animais e partiam para a casa dos Albanos, onde acontecia a farinhada tocada pela cooperativa.

Zarraimundo, o leitor haverá de descobrir, na realidade era o José Raimundo, mas duvido que ele atendesse, quando alguém o chamasse assim. Pequena estatura, conformado com o seu 1,56m de altura e 0,80m de largura, tinha contra si a desproporcionalidade do pé. Calçava 46 ou 48 e nunca comprara sapatos em qualquer loja. Ninguém fabricava essas pontuações. Calçava alpercatas feitas sob encomenda. Vestia calças com suspensórios e usava na cabeça um chapéu de palha que matava qualquer mosca que, desavisada, pousasse ali. Um suor medonho, acumulado de meses e meses.

Mulher no “caititu” cevando a mandioca

Ao som do chocalho o dia começava. O estalar do chicote tangia o boi que conseguia dormir andando em círculos para movimentar a bolandeira e, essa o caititu. A mandioca começava a ser cevada (ralada, ou moída, para muitos) e, dali era transportada em cuias para um saco branco posto numa caixa da prensa. A mandioca ralada transformada em massa, era espremida e, dali saía a massa para peneirar antes de ir ao forno para ser torrada.

A “prensa” espremendo a massa da farinha antes de ir ao forno

Foi hilário quando Dilma Rousseff, inadvertidamente e demonstrando que jamais vira uma “mandioca” entrar no caititu para ser devorada, falou que o tubérculo poderia ser de grande valia para a economia nacional, ávida por mandiocas grossas, fortes e produtivas. É difícil o nordestino conviver sem a farinha. Farinha “soma” em tudo e não “diminui” em nada.

E por mais incrível que possa parecer, a mandioca precisa da água, do vento (o mesmo que a mesma Dilma pretendia ensacar para exportar) como sendo uma Trade Mark de nossa propriedade. As regiões Norte e Nordeste sofrem com a escassez d´água, em que pese o Norte ser rico em rios perenes, mas sem serem utilizados como “tocadores da agricultura”. Peixe é o que tem nos rios perenes da região Norte. E é difícil comer o peixe, sem a farinha.

A farinha – culminância de meses de cultivo e dias de trabalho digno do agricultor

Deixe uma resposta