PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

Sebastião da Silva e Moacir Laurentino glosando o mote:

Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Sebastião da Silva:

Essa minha viola é companheira,
que dá tudo o que quero em minha vida,
é a deusa total e tão sentida,
que me serve de amiga a vida inteira,
essa minha viola é padroeira,
é a deusa que dorme no meu leito,
é a força que causa grande efeito,
é a deusa divina idolatrada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Moacir Laurentino:

Eu sem esse pedaço de madeira,
já não tinha alegria em minha vida,
minha face seria entristecida,
porque falta a legítima companheira,
ela toca comigo a noite inteira,
eu com ela decanto satisfeito,
da maneira dum caboco do eito,
arrastando no cabo da enxada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Sebastião da Silva:

Com a minha viola em minha mão,
penso, toco, divirto, bebo e canto,
vou com ela feliz pra todo canto,
pra exercer muito bem a profissão,
é com ela que eu tenho inspiração,
o meu verso no ato sai direito,
no repente que faço eu aproveito
caminhando feliz na minha estrada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Moacir Laurentino:

Essa minha viola é ganha pão,
misturada com minha cantoria,
sacrifício, talento e melodia,
e um pouquinho da minha inspiração,
a palheta pegada em minha mão,
e o baião tão saudoso sai perfeito,
que eu com ela pelejo e me ajeito,
e num instante fazer bela toada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Sebastião da Silva:

É a viola que espanta as minhas dores,
é quem mata as mágoas que eu sinto,
com a minha viola em meu recinto
canto modas em músicas e tenores,
gosto muito de ouvir dois cantadores,
para o povo ficar mais satisfeito,
um poeta canhoto, outro direito,
e a cantiga bastante fermentada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

Moacir Laurentino:

Sem a minha viola eu vou sofrer,
mas com ela inda gozo em meu destino,
que ela segue o poeta Laurentino,
e acompanha o que eu posso dizer,
que me dá de comer e de beber,
e com ela eu não tenho preconceito,
ao contrário aumentou o meu conceito,
ela é minha eterna namorada.
Sem a minha viola eu não sou nada,
mas sou tudo com ela no meu peito.

* * *

Sebastião da Silva e Moacir Laurentino glosando o mote:

Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Se não fosse você na existência,
não seria o que sou nesse momento,
não teria o menor conhecimento
do trabalho, da vida e da sequência,
não teria também a doce essência
de uma vida tão boa e divertida,
se não fosse você minha querida
a alegria da vida eu não sentia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Se não fosse você na minha estrada,
eu teria cansado pelo meio,
e devido ao fracasso e aperreio,
eu achei minha vida fracassada,
você veio de mão tão levantada,
com a imagem divina e esculpida,
hoje tenho a lição bem aprendida,
que me serve de riso e alegria.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Se não fosse você meu bem amado,
eu não tinha alegria de viver,
eu não tinha sequer razão de ser,
você veio por Deus abençoado,
eu não era um homem apaixonado,
eu não tinha uma vida bem vivida,
não teria um pouco de bebida,
nem a musa pra minha companhia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Se não fosse você minha paixão,
eu estaria aqui insatisfeito,
não teria o amor dentro do peito,
e um calor de uma mão na outra mão,
um pouquinho na vida de emoção,
a lição que por mim foi recebida,
essa imagem bonita e colorida,
que hoje em dia me serve de poesia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Se não fosse você meu bem-querer,
o meu filho não teria nascido,
eu também não seria seu marido,
e não teria alegria de viver,
não teria você pra proteger
minha vida por Deus oferecida,
já estava passada e esquecida,
mas você me atendeu como eu queria.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Se não fosse você mulher amada
minha deusa perfeita e tutelar,
companheira invencível do meu lar,
eu teria perdido minha estrada,
hoje eu tenho também minha morada,
minha mesa sortida e prevenida,
que não falta água fria e nem comida,
feijão, fava, arroz, milho e melancia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Se não fosse você querida dama,
eu vivia sem riso e sem carinho,
nesse mundo eu estaria sozinho,
sem sentir do amor aquela chama,
eu não tinha você na minha cama,
como Deus da imagem esculpida,
pra fazer minha vida aquecida
no momento que a minha parte esfria.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Se não fosse você sagrada dama,
não teria nem casa, nem parede,
nenhum pote pra matar minha sede,
nem lençol engomado em minha cama,
não teria a mulher que hoje me ama,
e a lição não seria transmitida,
a viagem pra mim era perdida,
envolvido na triste travessia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Foi você que me deu o doce ego,
que me deu alegria de viver
e que me fez muito bem compreender
e entender esse fardo que carrego,
se não fosse você seria cego,
nessa rota bastante dividida,
nesse curso de ida e de descida,
como cego chorando atrás de um guia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Me perdi na metade do caminho,
encontrei essa deusa em minha frente,
hoje em dia o meu mundo é diferente,
no meu lar canta alegre o passarinho,
tenho sempre o amor e o carinho,
a mulher verdadeira e prevenida,
eu não canto a saudade, despedida,
o que eu canto é o riso, a alegria.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Sebastião da Silva:

Sem você que já foi contribuinte,
não teria viola no meu peito,
não teria o repente agora feito,
não cantava também no século vinte,
sem você eu seria algum pedinte,
sem ter lar, sem família e sem guarida,
talvez fosse esmoler na avenida,
sem ninguém botar nada na bacia.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Moacir Laurentino:

Se não fosse você me dar lição,
inda hoje pelejo até aprendo,
na lição do amor ainda rendo,
porque sinto paixão e emoção,
estaria caído pelo chão,
atraído do vício da bebida,
como folha que já fica perdida,
sob os braços da louca ventania.
Se não fosse você eu não teria
aprendido as lições de amor da vida.

Deixe uma resposta