UMA GLOSA

Dalinha Catunda

Sou trocista e faço graça
Dos versos sou alquimista.

Mote desta colunista

Eu sei que o mundo não é
Só graça, só alegria,
Mas por nada eu perderia
No bom Deus a minha fé
E por isso estou de pé
Não sou mulher pessimista
Sou poeta cordelista
Não dou aval a desgraça
Sou trocista e faço graça
Dos versos sou alquimista.

4 comentários em “UMA GLOSA

  1. Dalinha poeta querida, veja a seguir o que consegui:

    Já estou meio moribundo
    Tô mais pra lá que pra cá
    Não me apraz descansar
    Vou vivendo neste mundo
    Meio sem tampa, sem fundo
    Mas não abaixo a crista
    Sou um ás em qualquer pista
    Venço no braço e na raça
    Sou trocista e faço graça
    Dos versos sou alquimista.

    Meu abraço de poeta.

    Itaerço
    Imperatriz-ma

    • *
      Eu não me canso da vida
      E nem sou de chocar dor
      Com coragem sem pudor
      Eu permaneço atrevida
      Vou tocando minha lida
      É dando uma de artista
      Tem horas que sou fadista
      Me avisa o vinho na taça:
      Sou trocista e faço graça
      Dos versos sou alquimista.
      *
      Meu abraço, poeta.

Deixe uma resposta