A PIPA

Pipa – poesia no fazer e no botar no ar

Eu nunca quis muito – e sempre tive mais da metade do que merecia. Privilégio divino, creio!

Três palitos de coqueiro, alguns pedaços de linha, panos velhos, e liberdade para escrever os versos da minha poesia, numa pipa, ou numa arraia – como aprendi a falar na minha terra.

Mas, ainda há quem a chame de papagaio???!!!

Bem amarrados, como num primeiro soneto, os palitos montados formavam o “esqueleto” e tomava forma do que eu, criança ainda, imaginava ser a êxtase da liberdade. Quase, ou muito próximo do orgasmo.

Papel fino, grude de goma feito numa colher aquecida na chama da lamparina. Tudo formava o segundo soneto – e a poesia da vida em liberdade estava quase pronta.

A rabiola, nada mais era que pedaços de pano velho rasgado e reunidos, agora por uma linha, e tudo junto para dar equilíbrio à minha primeira obra poética a caminho dos ares.

Linha, muita linha e um bom lugar onde o vento pudesse, levar ao ar, como uma pintura de Vincent van Gogh, a poesia concluída com ingenuidade e liberdade.

4 pensou em “A PIPA

  1. José Ramos:

    Extraordinário A PIPA!

    Lembrei-me do excelente compositor caririense Luiz Fidélis quando disse numa entrevista ao empresário Emanoel Gurgel da SONZOOM: “Sou feliz com o pouco que tenho!”.

    Não almejo ganhar o mundo para ser milionário e ser infeliz! Sou feliz pisando todo dia em bosta de boi e vivendo no Alto da Serra!

Deixe uma resposta