DEU NO TWITTER

* * *

De fato, uma situação surreal e revoltante.

Uma coisa asquerosa, nojenta, impensável, repulsiva.

Me digam os juristas fubânicos entendidos no assunto:

Não existe uma lei contra a tortura?

Hein?

Uma lei que proíba essa violência inominável praticada pelo supremo contra um jornalista brasileiro???

Esposa e filhos do combativo profissional estão em situação de desespero.

Essas porras desses onze urubus só vão mesmo é na pedrada.

Xô, xô, xô!!!

 

37 pensou em “TORTURA SUPREMA

  1. Mesmo sem uma acusação formal, sem ser réu, sem o advogado poder ter acesso ao inquérito, o Jornalista Oswaldo Eustáquio continua preso em prisão domiciliar, por ter cometido o Crime de investigar a situação das mulheres dos Ministros Tóffoli e A. Moraes..

    Oswaldo foi preso por ordem do ministro A. Moraes em 18/12/2020, preso domiciliar que estava, ao ir ao Ministério dos Direitos Humanos relatar sua situação. Na cadeia, colocaram-no em uma cela que alagava. Ao tentar resolver esta situação, caiu e está paraplégico. Fez denúncias de tortura física e psicológicas depois de sei “acidente”.

    A OAB, a Associação brasileira de Imprensa, Sindicato dos Jornalistas, as ONG’s dos direitos humanos, a Grande imprensa, ninguém se manifestou ou se indignou com tal situação. Não se trata de estar ou não a favor do que o Jornalista pensa. É uma questão de Direitos Humanos.

    Na década de 30 e 400, o Grande Advogado Dr. Sobral Pinto, católico, conservador de direita invocou o Direito dos Animais para que o Comunista Carlos Prestes fosse solto. Atualmente também estão sendo invocados os Direitos dos Animais para que o Jornalista deficiente físico tenha recobrada sua liberdade.

    Estou aguardando ansiosamente uma posição do Goiano sobre esta situação. Sua opinião sobre o silêncio da OAB e das esquerdas sobre este flagrante caso de violação dos direitos fundamentais de uma pessoa. Para mim bastariam Três palavras:

    “Eu condeno isso”

    Será que desta vez ele me surpreende?

  2. A posição do Goiânia de estar ja explicada e defendida quando o abutre do marco Aurélio soltou aquele traficante que fugiu. Claro ne , porque o pedido veio de um ex estagiario do ministro.

  3. João Francisco e Carlos,

    1) o que está errado está errado, seja da esquerda ou de onde for, assim como declarei que o deputado Paulo Pimenta deveria desculpar-se por ter publicado um vídeo de uma manifestdação a favor de Jair Messias Bolsonaro, de maio de 2020, como se fosse da carreata contra o próprio realizada no dia 23 de janeiro em curso. Também registrei esse pensamento na publicação feita no Facebook.

    2) Há quem seja ágil em exigir posicionamento dos outros a respeito das coisas, mas que não o faz e fecha olhos, ouvidos e boca quando se trata dos seus interesses.

    3) Quanto ao caso do jornalista, não sou capaz de acompanhar todos os processos judiciais que correm, ainda que os assuntos me interessem, não sendo fácil compreender os meandros de cada caso e a fundamentação legal, jurídica, de cada caso, como, por exemplo, no caso do jornalista Oswaldo Eustáquio, ter a capacidade de analisar e dar parecer sobre a decisão judicial de mantê-lo em prisão domiciliar.

    4) Porém, a respeito da transformação da prisão, de domiciliar em prisão não domiciliar, consta que ocorreu pelo fato de ter ele desrespeitado a ordem judicial e se afastado do domicílio.
    Também consta que esse afastamento foi amplamente comprovado – é o que relata o ministério da Damares Alves, órgão do próprio governo federal comandado por Jair Messias Bolsonaro.

    5) Diz o seguinte:
    “MINISTÉRIO DA MULHER, DA FAMÍLIA E DOS DIREITOS HUMANOS
    Nota sobre o jornalista Oswaldo Eustáquio
    Publicado em 22/12/2020 12h28 Atualizado em 22/12/2020 12h58
    Diante das informações divulgadas nos últimos dias, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) esclarece, cronologicamente, a atuação relacionada ao caso do jornalista Oswaldo Eustáquio.
    1. No último dia 23/11, Oswaldo Eustáquio Filho apresentou demanda de ingresso no programa de proteção a defensores de direitos humanos, por meio do portal gov.br. Nessa mesma data, a equipe técnica federal (membros de organização da sociedade civil que operacionaliza o programa em cooperação com o MMFDH), responsável pela triagem dos casos, manteve contato telefônico com demandante para obter informações adicionais que possibilitassem avaliar o cumprimento de requisitos para ingresso no programa.
    2. Tendo recebido do jornalista a informação de que este se encontrava em restrição de liberdade, a referida equipe deu ciência do fato à Coordenação-Geral de Proteção a Testemunhas e a Defensores de Direitos Humanos e adotou as medidas legais cabíveis.
    3. No dia 25/11, o jornalista solicitou, em e-mail enviado às 18h16, uma audiência com a ministra Damares Alves, segundo ele para relatar “a maior violação de direitos humanos contra jornalistas no Brasil”. Essa nova solicitação foi respondida dia 11/12, por e-mail, com a marcação de audiência virtual para o dia 14/12, às 18h.
    4. Para evitar a exposição do requisitante, preservar o sigilo das informações prestadas e evitar a quebra da prisão domiciliar, a qual ele estava submetido, o Ministério decidiu que o encontro deveria ser presencial e no domicilio dele. E a partir daí, em diversas oportunidades, solicitou que a oitiva ocorresse na residência do jornalista.
    5. Às 15h02 do dia 14/12, Oswaldo Eustáquio foi enfático e afirmou que o encontro deveria no Ministério. Sabendo de sua prisão domiciliar – e para evitar que ele descumprisse essa determinação, mas, ao mesmo tempo, garantir a ele o direito de ser ouvido – o Ministério solicitou, em e-mail enviado às 17h42 daquele mesmo dia 14/12, com um dia de antecedência, portanto, que ele apresentasse uma autorização judicial para realizar reunião fora de casa.
    6. Como o documento de autorização judicial não foi apresentado, às 11h43 do dia 15/12, foi encaminhada mensagem eletrônica cancelando o encontro presencial no Ministério e, novamente, ofereceu-se a ele a oportunidade de ser ouvido em casa. Ainda assim, não acolhendo todos os e-mails e tentativas de realização desta oitiva na residência do requisitante, o jornalista e seu advogado compareceram ao Gabinete do Ministério, às 16h do dia 15/12. Antes, a assessoria de Oswaldo Eustáquio publicou em rede social que ele estava a caminho do Ministério. Ou seja, foi a própria assessoria do jornalista que anunciou publicamente a ida ao local.
    7. Mesmo sem autorização, e por insistência de sua defesa, ele foi ao final atendido, ainda nas dependências do Ministério, pela Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, narrou o que se propôs, e o órgão do Ministério tem dado encaminhamentos às solicitações formuladas na audiência.
    8. Em momento algum o Ministério comunicou ao Judiciário sobre a presença do requisitante nas dependências do MMFDH. O que de fato ocorreu é que, previamente ao comparecimento dele, ainda pela manhã, às 11h43 daquele dia 15/12, ou seja, bem antes do comparecimento dele, que ocorreu às 16h, e já com a audiência cancelada, dois ofícios foram encaminhados, um ao STF e outro à Vara de Execução Penal. O objetivo era saber se havia autorização para deslocamento do jornalista ao Ministério e indagar como proceder caso ele comparecesse, justamente para proteger seus direitos, além de evitar eventual desconforto institucional. Todo esse procedimento foi comunicado ao jornalista, no mesmo e-mail em que foi informado o cancelamento, ainda pela manhã.
    9. Dois dias após esse encontro, dia 17/12, ele foi preso. Segundo informações divulgadas na imprensa, por um histórico de violações à prisão domiciliar, prisão esta que o Ministério tentou evitar desde o primeiro pedido de audiência.
    10. Às 20h30 desta segunda-feira (21), o Gabinete Ministerial foi oficialmente comunicado que o senhor Oswaldo Eustáquio Filho sofreu um acidente dentro da cela onde estava preso. Imediatamente, um assessor do Ministério foi designado a comparecer ao hospital para acompanhar o atendimento e conversar com a defesa do jornalista. A Secretaria Nacional de Proteção Global e a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos também foram acionados pelo Gabinete, acompanham o caso e já começaram a tomar providências. Vamos trabalhar para que todos os direitos dele e da família sejam preservados. O MMFDH faz votos para que o jornalista tenha uma pronta recuperação e para que nada de mais grave tenha ocorrido.”

    6) A respeito de ter o jornalista ficado paraplégico em decorrência do acidente ocorrido na prisão, proponho que João Francisco atualize a informação que deu no comentário acima, de hoje mesmo (27jan2021), pois ela pode estar incorreta.
    Notícias de 23 de dezembro de 2020 falam em “susto”: Manchete: Oswaldo Eustáquio não está paraplégico e é transferido de hospital, diz deputada (Bia Kicis – PSL) – Blogueiro bolsonarista sofreu um acidente em uma cela no presídio da Papuda e fraturou uma vértebra”

    7) FINALMENTE, quanto à decisão do STF, pelo Ministro Alexandre de Moraes, de determinar a prisão de Oswaldo Eustáquio, blogueiro e apoiador do presidente Jair Bolsonaro. investigado desde junho de 2020 no inquérito que apura o financiamento e a organização de manifestações com pautas antidemocráticas, vocês devem estar acompanhando melhor do que eu as circunstâncias do caso: acusado, foram feitas as investigações, mesmo tendo sido proibido de deixar a cidade ele descumpriu a ordem, tendo sido determinada a prisão domiciliar ele a descumpriu e por isso perdeu o direito que adquirira a esse tipo de confinamento.
    Moraes justificou a prisão preventiva dizendo que Eustáquio “continuou circulando livremente além do limite permitido” e que “após sucessivas oportunidades concedidas ao investigado, ele continuou a insistir na prática dos mesmos atos que lhe foram anteriormente vedados por expressa determinação da Justiça, situação que revela a inutilidade das medidas cautelares impostas, bem como a própria ineficácia da prisão domiciliar, haja vista que Oswaldo Eustáquio Fillho, ao invés de permanecer no interior da sua residência cumprindo o que lhe fora determinado, continuou circulando livremente além do limite permitido”.

    8) RESUMINDO: Eustáquio teve o pedido de prisão domiciliar cumprido pela Polícia Federal em 17 de novembro de 2020. Essa medida, imposta por Alexandre de Moraes foi motivada por descumprimento de restrições impostas pelo próprio magistrado em junho do mesmo ano. O ministro havia proibido o jornalista de sair de Brasília e de usar as redes sociais, mas Oswaldo Eustáquio foi a São Paulo gravar vídeo no qual aponta suposto esquema de uso de empresas fantasmas pela campanha de Guilherme Boulos, que foi candidato do PSOL à prefeitura da capital paulista. (A Justiça Eleitoral considerou que o vídeo contém informações falsas e ordenou sua retirada do ar e também obrigou o WhatsApp a bloquear sua circulação).

    9) Assim como vocês consideram que a prisão preventiva de Lula feita por Moro foi legal, que seu processo e condenação correram regularmente, que ele teve todas as garantias processuais, contraditório, ampla defesa e tudo o mais, é de supor que o STF procedeu segundo as normas jurídicas, investigou, prendeu e tudo o mais, o investigado descumpriu as ordens, o que levou ao arrochamento das condições de sua prisão, mas o preso está sendo assistido por advogados, que eu não sei quem paga nem se esse advogado é pago com lagosta ou com bombom a oitenta e nove reais, mas ele tem quem o defenda e que certamente está entrando com habeas corpus e o caralho a quatro para defendê-lo e provar sua inocência.

    10) A palavra está aberta aos costumeiros muxoxos e xingamentos. Procurei saber a respeito do Oswaldo Eustáquio e vi as informações de que ele é jornalista, há um testemunho de que ele trabalhou em jornal, que é jornalista sério, e também que ele se declara, além de blogueiro, religioso e conservador.

    • Goiano, como sempre v. não me surpreende nem me decepciona. É previsível. Falou, falou, falou e não disse nada.

      Para mim bastariam apenas as 3 palavras que pedi acima e a surpresa aconteceria.

      V. não pode opinar pois não tem acesso ao inquérito? Jura? Os advogados do jornalista também não têm acesso ao inquérito.

      Os advogados de defesa não sabem do que ele é acusado, qual o crime que cometeu, o art. do CPC que há o enquadramento. A PGR já pediu o arquivamento do processo.

      Contra o que diz a CF, o STF é a suposta vítima, denuncia, investiga, acusa, julga e manda prender. É ou não é uma graça?

      Comparar o atual caso com o do Lula? Sério? Lula estava condenado em 2 instâncias e naquela época se podia iniciar o cumprimento da pena após condenação em tribunal.

      O que está em jogo aqui é o estado de direito.

      • E tu, João Francisco, me surpreendes sempre, sendo capaz, cada vez mais, de dar nó em pingo de azeite para justificar tuas tresloucadas ideias.
        1) Então o Oswaldo Eustáquio não sabe do que é investigado? Manda ele perguntar para os advogados dele e ele saberá que as investigações apuram atos antidemocráticos e a existência de rede para espalhar fake news, em que ele está envolvido. Esse inquérito tem sido criticado, alega-se que não se inclui nas hipóteses em que pode ser desenvolvido pelo stf, mas até agora as oposições não surtiram o efeito de anulá-lo.
        O pleno do STF, por dez votos a um, concluiu que o inquérito é regular.
        2) Ainda que a prisão de Oswaldo Eustáquio tenha seguido trâmites regulares, que ainda não puderam ser vencidos por seus advogados, pois ele continua preso, não é aceitável que qualquer arbitrariedade seja admitida, quando ocorra. Assim, se a prisão é irregular é preciso que medidas de soltura, como habeas corpus por exemplo, sejam apresentadas e consideradas pela autoridade competente. Seus advogados devem estar cuidando disso.
        3) A demora no acesso de advogados ao inquérito foi objeto de protestos da OAB, do Mato Grosso do Sul e da Nacional. Os advogados, quando têm obstado seu acesso a inquéritos, costumam invgressar com mandado de segurança. Ademais, é importante destacar que ter acesso aos autos do inquérito ou das investigações é um dos direitos dos Advogados, elencado no art. 7º, XIV, do Estatuto da Advocacia e OAB (Lei 8.906/1994):
        Art. 7º. São direitos do advogado: […]
        XIV – examinar, em qualquer instituição responsável por conduzir investigação, mesmo sem procuração, autos de flagrante e de investigações de qualquer natureza, findos ou em andamento, ainda que conclusos à autoridade, podendo copiar peças e tomar apontamentos, em meio físico ou digital;”.
        4) A paraplegia é o termo médico utilizado quando o paciente não consegue movimentar ou sentir as pernas, uma situação que pode ser permanente e que geralmente é causada por uma lesão na medula espinhal. Pode ser permanente ou transitória. Quem disse que ele não ficou paraplégico foi gente dele, a deputada Bia Kicis, do PSL. Liga para ela aí e pergunta.
        5) Não estou com vontade de dar parecer sobre se o STF é competente para esse inquérito, até porque o plenário já decidiu com larga maioria (10 a 1) que sim. Mas uma coisa é certa: o regimento interno do STF prevê os casos em que ele é competente para todas as fases que mencionas e isso não é nenhuma gracinha. Cabo aos advogados demonstrar que o caso não se enquadra nas previsões regimentais: ou, ainda, provar que a disposiçãlo regimental é ilegal.
        6) A democracia defende a liberdade plena, mas com ressalvas: a incitação ao ódio público, a propagação de ofensas com esse fim e as ameaças a pessoas e instituições não estão abrangidas pela cláusula constitucional que protege a liberdade de expressão e do pensamento.
        7) A comparação com Lula é apenas para levantar a suspeita de que no caso dele pode tudo, toda a sacanagem que houve, amplamente demonstrada, inclusive nas provas gravadas do comprometimento do Ministério Público e do juiz Sérgio Moro, e no caso do Lula bateste palmas. É como diz o velho ditado: pimenta no cu dos outros pé refresco.

        • Goiano, meus argumentos são simples e diretos, não tenho necessidade de escrever mais que algumas linhas para defendê-los.

          Oswaldo ou seus adv não sabem do que é acusado (diferente de investigado), qual o crime que cometeu ou o art. do CPC em que está enquadrado. Sequer têm acesso ao inquérito completo.

          A PF, depois de 10 meses de muita investigação, concluiu que não há nada contra ele ou qualquer pessoa no âmbito deste inquérito, que a PGR mandou arquivar.

          Sabe o que A. Moraes fez com esta informação? Manteve-o preso incomunicável em prisão domiciliar.

          Pode isso?

          • Sem essa de “argumentos simples e diretos”, João Francisco.
            Quem defende uma ideia precisa expô-la.
            Tens de dizer de suas certezas, quais as bases e origens, onde as contradições e dúvidas, não apenas revelar crenças.
            Por exemplo, todo o mundo sabe por que Oswaldo Eustáquio foi investigado, porque foi preso, como foi convertido em prisão domiciliar, quando e como ele desrespeitou, porque foi preso novamente. Só tu e ele não sabem.
            Eu não sei e tu não informas de onde tiras tuas informações, como, por exemplo, a de que a PGR mandou arquivar o processo depois de dez meses de investigações, portanto cabe a ti indicar de onde vêm tuas informações de cocheira.
            Também conseguites acesso ao processo para saber que o Ministro recebeu informações e as ignorou )ou terá justificado suas ações no processo?)
            Eu não costumo falar do que se passa na minha cabecinha e nas redes sociais – eu falo do que consta de notícias confiáveis (ou do que leio em algum processo, quando tenho acesso a ele, seja fisicamente, seja pela Internet, como acompanhei os processos e julgamentos do Lula, não ouvindo falar, mas lendo os elementos importantes dos processos que foram publicados, assistindo as audiências disponibilizadas ao público, lendo e anotando o teor das sentenças e acompanhando o noticiário contra e a favor.
            Quer defender pontos de vista? Faça-o com competência.
            Um ministro do STF, como qualquer magistrado, erra, para corrigir isso existem os recursos e ações, mas não se pode supor o erro por supor, é preciso identificá-lo, destrinchá-lo, e adotar as medidas judiciais amplas.
            Esse negócio de conversê em frases de efeito comigo não funciona.

    • Goiano, o jornalista Osvaldo não está (atente a esta palavra) paraplégico? Quer dizer que ele já anda, corre pode até empreender fuga sozinho? Caso contrário, ele está paraplégico.

      Agora, se ele vai se recuperar ou não, aí é outra coisa. Bia Kicis acredita que sim. Tomara

      • João Francisco, não sei se ele está paraplégico. A Bia Kicis não disse apenas acreditar pela cabecinha dela, ela disse que os exames demonstravam isso.
        Quanto a correr, não é só estar paraplégico que impede isso. De modo que não define “paraplegismo” o “estar impedido de correr”, embora o paraplégico sofra essa restrição também.
        Desse modo, esse argumento vai precisar ser reformado mediante recurso à instância competente.
        Por último, o Oswaldo Eustáquio não ficou ferido por tortura ou violência policial, mas, ao que se sabe, por um acidente, por descuido ou infortúnio, o que de qualquer forma é lamentável.
        Torço para que a justiça se faça, que os processos regulares sejam cumpridos, que o que for injusto seja afastado e que, se e quando o OIswaldo Eustáquio for solto, para de ficar espalhando mentiradas e armando sacanagens (o site The Intercept fez um levantamento interessante, jornalístico, sobre o caso, mas a leitura desse site, assim como assistir a Globo e ler a Folha e o Estadão, são coisas proibidas por Jair Messias Bolsonaro, que já mandou até cortar o fornecimento de quem não gosta dele nos Ministérios e avisou que vai tirar a licença da Globo e que os empresários que publicarem lá ele vai ficar de mal.

        • Goiano, deixa eu desenhar: se uma pessoa sofreu lesão de uma vértebra que impede movimentos da cintura para baixo, ela está paraplégica. Se ela recuperar os movimentos ela não está mais paraplégica. Viu? É simples.

          Oswaldo estava sob a tutela do estado, foi colocado em uma cela em que havia vazamento de água impedindo-o de ficar ali. Foi tentar resolver o problema, sofreu um tombo que o deixou paraplégico. Isso não é tortura, no seu modo de entender.

          Ah, se fosse um esquerdista. Quando mostraram José Dirceu algemado caiu o mundo, houve intervenção do STF. Oswaldo foi algemado junto à sua maca sem condições de mover-se da cintura para baixo (v. foto acima). Isso é normal?

          Hipocrisia é o nome que se dá a isso.

          • João Francisco, tocaste em um ponto do politicamente correto no qual sou incorreto: Eu sou a favor de algemas para todos, a critério da autoridade policial que prende. Se ela acha que o cara oferece perigo, seja pobre ou rico, deputado ou senador, soca as algemas nele. Já tivemos caso de preso não algemado matando policiais e fugindo.
            Também acho que o cara foi preso a dimprensa pode dar o nome e fotografar à vontade, porque se foi preso é porque graves suspeitas, pelo menos, recomendaram a prisão. Se for inocente deve ter o direito de reparação posterior, inclusive com notícias proporcionais na imprensa. Outra coisa que fico puto é agora os noticiários não poderem filmar uma rua e apresentarem a cara das pessoas que estão passando, mostram da barriga para baixo ou t|êm de manchar os rostos – que porra é essa? Eu saio à rua e não posso ser visto? Talvez se deva proibir as pessoas de olharem para mim. O que não se deve admitir é que as pessoas sejam mostradas e que elas sejam alvos de comentários pessoais negativos.
            Quanto ao José Dirceu, a questão depende de nossas leis: se era para ser algemado, que fosse, não esou nem aí. Até se vierem me prender podem algemar, porque se der sopa eu fujo, seja culpado ou inocente. E de mãos livres sou mais eu – conheço as técnicas, já ficam avisados.

        • “Torço para que a justiça se faça, que os processos regulares sejam cumpridos, que o que for injusto seja afastado e que, se e quando o OIswaldo Eustáquio for solto, para de ficar espalhando mentiradas e armando sacanagens”.

          Goiano, para mim, esta é a diferença entre a esquerda e a direita.. Dr. Sobral Pinto defendeu Prestes pro bono, por acreditar no estado de direito. Não pediu nem desejou que Prestes deixasse de ser comunista ou defendesse sistemas assassinos.

          Sabe porquê? Porque era um direito dele pensar o que quisesse.

          Isso é um dos pilares do que um conservador de direita defende, a LIBERDADE INDIVIDUAL, mesmo que a pessoa faça aquilo que me desagrade. Se e quando infringir a Lei, que sofra o devido processo penal, com todas as garantias previstas.

          • Então tá, João Francisco, me corrijo, vê se te agrada: Espero que seja feita justiça e que caso inocente o Oswaldo Eustáquio seja solto e continue o seu trabalho de blogueiro bolsonarista inventado mentiras e espalhando falsidades para comprometer a honorabilidade de pessoas e instituições e que se não for crime que ele não seja preso nem condenado. É mais oumenos isso?

            • Goiano, antes de mais nada, o jornalista O. Eustáquio precisa ser solto e ter todos os seus direitos recobrados.

              Também precisa ter um pedido formal de desculpas feito pelo STF, por ter sido preso sem acusação formal ou crime previsto no Código de Processo Penal.

              Depois, o que ele vai fazer com sua Liberdade Individual (direito sagrado de todo cidadão de bem) é coisa Dele, e v. não tem nada a ver com isso.

              Até mais.

    • Como disse o Adonis…da nojo…nao do país mas de pessoas como o Goiâno. Não vi está sua ladainha quando quando o abutre Marco Aurélio concedeu um HC pro traficante André do rap comprovadamente criminoso. Vá tomar o remédio milagroso do maduro na bunda seu advogado de porta de cadeia

      • Gonzaga, quem for completamente neófito em matéria de direito tem dificuldade de compreender certas coisas, por isso não compreende que quem pode estar errado são as leis que obrigam os juízes a determinar a soltura de determinados presos nas circunstâncias que a lei o exigir. Muitos juízes se sentem desconfortáveis de serem obrigados a relaxar prisões que eles gostariam de manter. O Brasil mantém em sua legislação ampla garantia ao direito de defesa e à liberdade, de modo que, salvo em determinados casos de preventiva, que deve ser feita segundo os rigores de sua previsão, ainda temos aquela garantia de que a pessoa só pode ser presa definitivamente após esgotarem-se todos os recursos no processo.
        Como se sabe, isso é difícil de mudar, porque os termos da Constituição impõem essa condição.
        Quanto às prisões temporárias, é aquilo que falei, o juiz se depara com o fato de que a prisão, em face da lei – e como o demonstra a defesa do preso – não pode ser sustentada por ilegal, por vários motivos, inclusive decurso de prazo.
        É difícil de compreender essas coisas sporque a revolta fala alto, mas dá para ter uma ligeira noção lendo algum material a respeito, como, por exemplo, aquela reportagem do UOL procurando entender por que o Gilmar manda soltar (para ter acesso basta digitar essas palavras aí na barra de pesquisas do Google).
        Reparei que continuas a ofender-me ao invés de arrazoar-te, mas não sou advogado de porta de cadeia, raras vezes atuei na criminal.

  4. Mais previsível que a excelência dos cocos de Sancho… Como sempre o causídico do coração bertiano não me surpreende nem me decepciona,muito pelo contrário e vice-versa. Falou, falou, falou e não disse nada que iluminasse o debate eustaquiano. Mas (incongruente mas), permanece alugando imóvel com vista para o mar no coração de Sancho, mesmo com o aluguel ainda sem quitação de uma mensalidade sequer.

  5. Caro Sancho, quando escreves tuas crônicas, tuas matérias, em tua coluna, és uma coisa.
    Quando entras nos comentários és outra e eu vou dizer od que penso: És superficial.
    Não alegas, não debates, não argumentas, fazes o que se costuma fazer por aqui, reclamas e te queixas, nem explicas, nem complicas, apenas rolas uns cocos sem água.
    Eu acho lamentável: gostaria de ver os direitistas de rabo grosso, aqueles que batem no peito e dizem sou direita e c onservador pra caraljho, explicarem suas posições e oposições, aceitações e contrariedades, mas… (acaraceáceo mas) ficam no nhémnhémnhém. Enquanto isso, a esquerda cresce, engrossa e endurece, querendo entrar de novo.

        • É que o Goy veio com muita sede ao pote e tive que dar a real…
          Exemplifico: você coloca nos comentários 99,9% do que pensa Sancho, portanto esgrimir para o amigo esquerdista os mesmos argumentos seria plagiar seus textos, caríssimo João. Quando leio seus comentários digo de mim para comigo: eu teria respondido o mesmo. Portanto, fico com as amenidades e a observar seu exemplar manejo do florete.

          E, cá pra nós, o Goiano me parece um pouco enferrujado nos argumentos, pois ele e os demais canhotos escrevem tanto sobre Bolsonaro que se tornaram repetitivos… acabarão nas urnas votando no tal Jair.

          O que nem o goy e muito menos os demais esquerdistas que aqui buscam respirar benfazejos ares fubânicos nos explicam é QUAL a maravilha que viram nos possíveis concorrentes à faixa em 2022.

          Exemplifico: Temos Bolsonaro e eles possuem apenas mais do mesmo (gente que está sempre se candidatando a algo sem entusiasmar ninguém) e duas novidades no pleito de 2022 (apresentador de tv e ex-juiz).

          Sem desmerecer ninguém, concluo que o BRASIL JÁ TEM presidente e que não é o caso de tentar qualquer aventura.

          Bolsonaro 2022. Não por achar o sujeito a oitava maravilha, mas (eleitoreiro mas), por ser um cara que ama o Brasil, montou ótimo time de ministros e QUANDO DEIXAM apresenta projetos que estão melhorando o país.

          Grandes defeitos de Bolsonaro, na visão de seus inimigos:
          1)falastrão como Sancho, Berto, Goiano, Maurino, Adônis, Jizius Ritinha e uma porrada de outros fubânicos;
          2)sem medo de ser feliz como são todos os fubânicos;
          3)Partidário da tríade Deus, Família e Pátria, como a maioria de nós (o JBF é conservador).

          Abração, manu véi!!!!!!!!!

          • Sancho, há uma coisa que tenho perguntado e esperado explicação, que insiste em não vir.
            Algumas pessoas, tu inclusive, afirmam que não há partido de direita no Brasil, apesar da existência do DEM, do PL, do NOVO, do Patriota, do DC (antigo PSDC), do PP, do Republicanos, do PRTB, do PSC, do PSD, do PSL, do PTB, classificados por diversos analistas ora como direita, ora como centro-direita, ora como centro…
            De modo que a pergunta é:
            – O que falta para algum desses partidos ser “de direita”, de direita de verdade, direita mesmo, aquela direita que tu e tantos outros aguardam com ansiedade?

            • Escreves: classificados por diversos analistas (???????).

              Analistas? Especialistas? Só leio os que são EXCEPCIONAIS e ESTES estão no JBF.

              Sempre dou a mesma resposta e você insiste em não ler. Mais uma vez explicarei: Todos os partidos que você citou são de esquerda. já os partidos que você ama são extrema-esquerda.

              Um partido de direita teria desde sua origem a tríade DEUS, FAMÍLIA E PÁTRIA a nortear suas ações políticas,coisa que não vemos em nenhum dos partidos existentes no Brasil.

              Boa parte de nossos partidos políticos foram paridos do ventre do antigo MDB (lembra-se das disputas ARENA vs MDB?) .

              Nossos partidos, nos anos petistas apoiavam toda e qualquer ação dos donos do poder sem fazer a devida oposição. Não esqueça que o antigo PMDB era vice de Dilma… Só os tucanos se apresentavam como oposição (?????).

              Inclusive a revista Veja fez extensa e bonita matéria sobre o caso:

              O incrível caso do país sem direita | VEJAveja.abril.com.br › o-incrivel-caso-do-pais-sem-direita
              3 de abr. de 2011 — O incrível caso do país sem direita. Não há partidos conservadores no Brasil. O único liberal de peso agoniza depois de perder nomes …

              E tem mais: Jair se diz de direita e Sancho o classifica como social-democrata.

              Por que?

              Porque um político verdadeiramente de Direita não circularia por 30 anos de vida parlamentar em partidos de esquerda.

              Não esqueçamos que até bem pouco tempo não havia grande dificuldade para a fundação de partido político. Se o fosse não teríamos tantos.

              Por que Jair em nenhum momento fundou o PARTIDO CONSERVADOR? Por que com tantas legendas, num festival de letrinhas, nenhuma delas teve o nome de PARTIDO CONSERVADOR?

              • Sancho, parece pouco objetivo estabelecer como de direita aquele que tenha como filosofia, Deus, Família, Pátria e Conservadorismo.
                Assim também, um partido político que estabelecesse como seu programa estatutário atingir objetivos determinados pelo conservadorismo orientado por Deus, Família e Pátria não estaria sendo claro.
                Logo, não estás sendo claro.
                Se perguntares ao DEM se ele é conservador e se ama Deus, Família e Pátria ele responderá que sim.
                Se perguntares o que significa ser “conservador” poucos serão capazes de responder.
                Então, o tal partido de direita de verdade precisaria definir seu conservadorismo, o que ele pretende conservar, e como defenderá a ideia de Deus, quais as providências tomará para a manutenção da Família e para o sentimento de Pátria.
                Enfim, acho isso tudo muito subjetivo e eu gostaria de entender como se definiria, objetivamente, um partido de direita mesmo, já que os modelos que temos não a representam, a teu ver.
                Talvez haja qualquer coisa de quixotesco nisso aí.

                • “O CONSERVADOR pensa na política como um meio de preservar a ordem, a justiça e a LIBERDADE.
                  O IDEÓLOGO, pelo contrário, pensa na política como um instrumento revolucionário para transformar a sociedade e até mesmo transformar a natureza humana. Na sua marcha em direção à Utopia, o ideólogo é impiedoso.” Russell Kirk (1918 – 1994), teórico político americano

                  O conservadorismo é um pensamento político que defende a manutenção das instituições sociais tradicionais – como a família, a comunidade local e a religião -, além dos usos, costumes, tradições e convenções. O conservadorismo enfatiza a continuidade e a estabilidade das instituições, opondo-se a qualquer tipo de movimentos revolucionários e de políticas progressistas. Mas é importante entender que o conservadorismo não é um conjunto de ideias políticas definidas, pois os valores conservadores variam enormemente de acordo com os lugares e com o tempo.

                  Referências
                  Casalicchio, Emilio; Dickson, Annabelle; Cooper, Charlie (29 de setembro de 2019). «Cleverly Does It». Politico. Consultado em 15 de dezembro de 2019
                  «Local Council Political Compositions». Keith Edkins. 24 de junho de 2013. Consultado em 1 de outubro de 2013
                  «Tories secure centre-right deal». BBC.co.uk. 30 de junho de 1999
                  The Electoral Commission (26 de agosto de 2008). «New figures published showing political parties’ donations and borrowing». Consultado em 3 de janeiro de 2009
                  BLAKE, Robert (1997). The Conservative Party from Peel to Major. [S.l.: s.n.] pp. [4]
                  SAFIRE, William (2008). Safire’s Political Dictionary. [S.l.]: Oxford University Press. pp. [144]
                  BULMER-THOMAS, Ivor (1965). The Growth of the British Party System Volume I: 1640–1923. [S.l.: s.n.] pp. 66–81
                  PATERSON, David (2001). Liberalism and Conservatism, 1846–1905. [S.l.: s.n.] pp. [5]

                  Referências
                  «European Election Database (EED)». nsd.no. Consultado em 18 de outubro de 2020
                  «Valgomaten: Riksdekkende 2007». Aftenposten. Consultado em 31 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 27 de junho de 2011
                  «Centre-right wins Norway election». BBC News (em inglês). 10 de setembro de 2013. Consultado em 31 de outubro de 2019
                  Thompson, Wayne C. (2012). Nordic, Central and Southeastern Europe 2012 (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield. ISBN 9781610488914
                  Tvedt, Knut Are; Notaker, Hallvard; Garvik, Olav (17 de outubro de 2019). «Høyre». Store norske leksikon (em norueguês)
                  Helljesen, Vilde (24 de julho de 2009). «Høyre – skatter, skole og frihet». NRK (em norueguês). Consultado em 1 de novembro de 2019
                  «Partienes Historie». Eidsvoll 1814 (em norueguês). Consultado em 31 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 21 de abril de 2014

                  • Referências
                    «Conservative Party of Canada | political party, Canada». Encyclopædia Britannica (em inglês)
                    Austen, Ian (28 de maio de 2017). «Canada’s Conservatives Choose Andrew Scheer as Their New Leader». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331
                    «259,010 eligible to vote in Conservative leadership race». CBC News (em inglês)
                    Harrison, Trevor W. «Conservative Party». The Canadian Encyclopedia (em inglês)
                    «Quebec History». faculty.marianopolis.edu. Consultado em 26 de junho de 2017
                    «The Federal Elections of 1957 and 1958 – Diefenbaker Canada Centre – University of Saskatchewan». http://www.usask.ca (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2017
                    Clippingdale, Richard T. «Joe Clark». The Canadian Encyclopedia (em inglês)
                    «Reform Party». http://www.canadahistory.com. Consultado em 26 de junho de 2017
                    «Conservative Party of Canada | political party, Canada». Encyclopædia Britannica (em inglês)
                    Heard, Andrew. «2006 Canadian Election Results». http://www.sfu.ca. Consultado em 26 de junho de 2017
                    «Kanada: Konservative erringen Sieg: – WELT». DIE WELT. Consultado em 26 de junho de 2017
                    Dehaas, Josh (19 de outubro de 2015). «Stephen Harper resigns as Conservative leader». CTVNews (em inglês)

    • Tocaia nos caminhos dos supréme – The six hated. Não todos, fracos reféns desses seis ascos.
      talvez até começar pelo caçula, o decepcionante do Jair. fazê-lo pedir para sair

Deixe uma resposta