DEU NO TWITTER

12 pensou em “TREM AZUL??? QUE COISA ESQUISITA…

  1. Quero parabenizar os fubânicos João Francisco, Joaquimfrancisco, Nacinha, Sancho, Adônis, Rodrigo de León, Assuero, Berto, Gonzaga, Airton, Roque Nunes e Bernardo que sempre acreditaram neste GOVERNO, que tem no ministro Tarcísio um dos seus maiores expoentes.

    • Obrigado pela parte que me toca, meu caro.

      “O que é bom a gente fala” .

      Nada de corrupção agora, prazos sendo respeitados e o principal, prioridade para a estrutura ferroviária de transportes no interior do país.

      Mas não tem só isso, tem portos, aeroportos, estradas, pontes,….

      Abração

  2. A Norte-Sul é uma ferrovia cuja história se arrasta desde a década de 1980. Até 2017 a ferrovia já tinha consumido R$ 28 bilhões em valores corrigidos pela inflação e órgãos de controle e fiscalização estimavam que pelo menos um terço tinha sido superfaturado. Cinco anos antes, a PF (Polícia Federal) deflagrou operação que revelou corrupção nas obras feitas pela Valec, estatal que detinha a concessão da ferrovia. O contrato com o governo foi assinado em julho de 2019 e estipulava como prazo para o início das operações em agosto de 2021.

    O que é bom a gente precisa reconhecer. O errado denunciar.

      • Caríssimo,

        Gostei. Veja abaixo meu comentário.

        Para fatos verdadeiros, sempre serei apartidário.

        O que nunca aceitarei serão antolhos.

        Abraços azuis

    • E o que aconteceu com o final do teu comentário sobre a ponte de madeira ( que eu acho que deve ter uma explicação técnica pra ter sido feita daquela forma ) ?

      • Talvez a ponte tenha uma explicação para ser feita com esse material, tenho certeza que alguma utilidade terá. O que não tem explicação é o Presidente Ignorante da República ir até aquele lugar, gastar uma fortuna para inaugurar uma ponte para passar carro de boi.
        Mas é esperar demais de um ignorante (pré-requisito para ser presidente do Brasil) use o bom senso.

  3. FANTÁSTICO!!!

    Essa ferrovia concluída pelo governo Bolsonaro me lembrou a chegada da modernidade do faroeste “Era Uma Vez No Oeste.”

    Bolsonaro é um neoliberal disposto a projetar o Brasil a uma grande potência econômica.

    • Cícero

      Menos, menos.

      A conclusão do trecho deve ser aplaudida, claro (comento abaixo), mas o governo claudica em muitas áreas: saude, meio ambiente, etc.

      Uma boa ação nunca justificará as más ações.

      Abraços

      • Obrigado Hipólito pelo menos.

        Eu admiro sua sinceridade e considero ótimo esse debate salutar.

        Estou com saudades do Goiano!

        • Cícero,

          Eu acho o Goiano muito mais preparado técnica e culturalmente do que eu. O ruim é que ele torce pelo PT e eu não

          Abraços

  4. Senhores

    Reconheço a importância de uma malha ferroviária que ligue os principais pontos de produção aos pontos de exportação.

    Este trecho, por enquanto liga São Simão (GO) a Estrela D’Oeste (SP) e se integra na malha existente da RUMO.

    Nos tempos do Império, o Brasil tinha uma malha ferroviária que se estendia do RS até o CE, compreendendo várias companhias que se interligavam em estações.

    Mas no governo Kubistcheck, para atrair a indústria automotiva, a malha rodoviária foi priorizada e a malha ferroviária foi se deteriorando, até a quase extinção. Foi lastimável.

    A malha rodoviária é atravancada pelos caminhões nos acessos aos portos, como Paranaguá. Isto significa, não só os transtornos à circulação, mas gastos enormes com combustível.

    Com a sempre prestimosa assistência do Dr Google, informo que cada vagão de um trem de carga transporta 100 toneladas contra as 28 toneladas de capacidade de um caminhão. Ou seja, cada vagão movimenta o volume de quase quatro caminhões. Na prática, um trem composto de 100 vagões substitui 357 caminhões.

    Além disso numa um caminhão consome 13 vezes mais energia que um trem para transportar uma tonelada de frete. O trem praticamente não para a não ser nas estações, ao passo que o caminhão deve parar muitas vezes mais.

    Em suma, além do meio ambiente, a economia agradece.

    Só quem sairia perdendo seriam os montadoras de caminhões, os caminhoneiros (Ay, Sancho – no te molestes), e postos de gasolina (além de empregos indiretos).

    Porém… (e aí gostaria de ter os comentários dos colegas) haveria ainda mais economia para o Brasil porque, segundo soube, o refino de um barril de petróleo resulta em volumes praticamente fixos de diesel, gasolina, e dos outros produtos ( óleo combustivel, gasolina de aviação, RASF – resíduo asfáltico), mas como o consumo no Brasil é determinado pelo diesel, a Petrobrás tem sempre um excesso de gasolina, que deve ser exportado nos preços internacionais que podem ser menores. Mas a comparação é complexa teriam que ser valores CIF comparados no porto de destino, por isso digo que não tenho certeza.

    Repito: sujeito a confirmação

    Abraços

Deixe uma resposta