VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Depois de vários dias sem frequentar, compulsoriamente, salão de cabeleireiro, shoppings, supermercados, restaurantes etc. o que faz parte da minha rotina, continuo confinada, para evitar a contaminação do CORONAVÍRUS.

Como sempre ouvi minha mãe dizer que “quem não toma conselho, raramente acerta”, prefiro cumprir as determinações do poder público. Com a Saúde, não se brinca.

A minha distração são meus livros, o computador, a televisão e o celular.

Não aguento mais os noticiários agourentos da televisão, com prognósticos aterrorizantes sobre a pandemia que se alastra, também, pelo Brasil.

De tanto ouvir notícia ruim, comecei a ter pesadelos. O último que tive, foi que eu acordava pela manhã, sozinha, e as minhas estantes estavam completamente vazias. Não encontrava um só livro, em nenhum lugar do apartamento. Era uma época em que não havia computador, televisão e muito menos telefone.

Acordei em pânico e corri para a minha pequena biblioteca. Os livros estavam todos lá. Tudo intacto. Respirei aliviada, quando vi que tinha sido um pesadelo.

A nossa memória armazena “informações”, que, quando dormimos, às vezes se libertam e ocupam nossa mente. Freud explica.

Pois bem. Depois desse pesadelo, lembrei-me de um filme que eu e meu marido (de saudosa memória) assistimos na década de 70, “FAHRENHEIT 451”, na sessão de “Cinema de Arte”, no Cine Rio Grande, em Natal.

Nessa época, os Shoppings ainda não existiam, com suas inúmeras e geladas salas de projeção. Os tradicionais cinemas de Natal, como o Cine Rio Grande e Cine Nordeste, eram muito mais aconchegantes.

Esse filme, “FAHRENHEIT 451”, dirigido por François Truffaut e estrelando Oskar Werner e Julie Christie, foi um sucesso de bilheteria.

É uma adaptação do livro de Ray Bradbury (1920-2012), publicado pela primeira vez em 1953. Escrito nos anos iniciais da Guerra Fria, o livro é uma crítica ao que Bradbury viu como uma crescente e disfuncional sociedade americana. Trata-se de uma sociedade do futuro, uma cidade fictícia, onde todos os livros são proibidos; opiniões próprias, contra o sistema, são consideradas antissociais e o pensamento crítico também é proibido. Essa cidade baniu todos os materiais de leitura e o trabalho dos bombeiros é manter as fogueiras a 451 graus, a temperatura que o papel queima.

O personagem central, Guy Montag, trabalha como “bombeiro”, o que no enredo. significa “queimador de livro”. O número 451 é a temperatura, em graus Fahrenheit, da queima do papel, equivalente a 233 graus Celsius.

O bombeiro segue a profissão de seu pai e de seu avô, e tem a certeza de que seu trabalho (queimar livros e a casa que os abriga, bem como perseguir as pessoas que os detém) – é a coisa mais certa que existe.

Ele sempre se lembra de um fato ocorrido na sua infância, quando faltou luz e sua mãe acendeu uma vela, no escuro, proporcionando a todos uma luz estranha, mas sob a qual ele se sentiu muito bem.

Qualquer pessoa flagrada lendo livros era, no mínimo, confinada num hospício. Os livros ilegais, encontrados e queimados, eram obras famosas, principalmente de autores como Walt Whitman (poeta, ensaista e jornalista norte-americano), Willian Faulkner (escritor norte-americano, que recebeu o Prêmio Nobel de Literatura de 1949), e outros.

Os leitores procuravam gravar, mentalmente, seus livros preferidos, antes que fossem queimados.

O autor do romance conta que o mesmo foi escrito nos porões da biblioteca Powell, na Universidade da Califórnia, em uma máquina de escrever alugada. Sua intenção original, ao escrever o romance, era mostrar seu grande amor por livros e bibliotecas, e frequentemente se refere a Montag, o bombeiro, como uma alusão a ele mesmo.

A história é encerrada, com leve tom otimista. É dito que a sociedade que Montag conheceu foi quase totalmente dizimada, e uma nova sociedade estaria nascendo de suas cinzas, com um destino ainda desconhecido.

Nesse novo mundo, as pessoas que liam livros antes, de forma oculta, começam a revelar-se, explicando a todos os demais, de onde vieram e de que forma o conhecimento que detém poderá transformar a vida de todos, de modo positivo.

12 pensou em “O PESADELO

  1. Um fato bastante interessante nesse filme de ficção científica é que os bombeiros mesmo tendo desenvolvidos uma horrorosa e horripilante cultura de aversão à literatura, se dobram ou permitem a preservação de poucos livros oficiais da época, como a Bíblia e Moby Dick. O enredo do filme deixa uma mensagem ou nos faz refletir com uma frase bastante simbólica: NÃO MECHAM COM OS CLÁSSICOS!!!

    P.S.: – Já dizia o poeta romântico alemão Heinrich Heine que, “Onde quer que os livros sejam queimados, os homens serão também, eventualmente, queimados”…

    • Obrigada pelo comentário, prezado colunista Altamir Pinheiro! Lembro-me de um detalhe: Os amantes da leitura procuravam memorizar seus livros preferidos, antes que fossem queimados…. .

      Muito verdadeira, a frase citada por você, do poeta romântico alemão Heinrich Heine, “Onde quer que os livros sejam queimados, os homens serão também, eventualmente, queimados.”
      Um abraço!

  2. Pois eu digo:

    Certa qualidade de homem (ou será um verme?) que não lê livros, já deveria ter sido queimado há muito tempo.

  3. Violante,

    Uma crônica que demonstra o benefício da leitura para a saúde. Começar a ler um livro, seja ficção científica, romance, histórias infantis, contos de fada ou até mesmo sobre o corpo humano, pode trazer benefícios inimagináveis não apenas para a mente, mas, em especial, para a saúde. Estudos comprovam que quem tem o hábito de leitura consegue viver por muito mais tempo. E não basta viver por mais tempo, e sim com qualidade de vida. Por isso, quem tem o hábito da leitura também diminui o risco de desenvolver Alzheimer. Vários estudos já indicaram que o estímulo mental da leitura ajuda a retardar sintomas de doenças como Alzheimer e demência. Parabéns por tratar com leveza e bom humor um assunto importante para todos que estão confinados e tendo pesadelos… Gostei demais da conta!

    Saudações fraternas,

    Aristeu

    • Obrigada pelo excelente comentário, prezado Aristeu Bezerra! O hábito da leitura é um dos mais saudáveis, para que se mantenha a saúde mental, Segundo os médicos, ler é para a mente o que os exercícios físicos são para o corpo. Dificilmente, uma pessoa que tem o hábito de ler é acometida de Arteriosclerose ou Alzheimer. Concordo com tudo o que você disse.

      Um grande abraço! Muita Saúde e Paz!

      Violante Pimentel
      .

      • Maravilha de texto. Meus parabéns!!!

        Certamente que, nesses tempos de isolamento social, só mesmo um bom livro ou um bom filme pra rivalizar com as redes sociais. Com a grande diferença de que o livro transporta a pessoa para o mundo descrito em suas páginas. Como uma nave de exploração espacial.

        Veio a calhar sua crônica, O PESADELO, Violante. Pois é sobre o valor do livro/leitura, o tema da minha próxima crônica na coluna, aqui, no BESTA FUBANA.

        Daí, a assertiva frase do Monteiro Lobato: “Quem mal lê, mal ouve, mal fala, mal vê.”

        • Obrigada pela gentileza do comentário, prezado Marcos André M. Cavalcanti!
          Realmente, nada melhor do que uma boa leitura ou um bom filme, para neutralizar a monotonia desse isolamento compulsório.

          “Não há solidão, onde há saber, nem aborrecimento onde há livros.” (Sabedoria oriental).

          Estou ansiosa para ler sua próxima crônica, aqui no JBF.

          Um abraço e bom fim de semana!

Deixe uma resposta