DEU NO TWITTER

* * *

Esse choro da vacina até que foi pouco.

Crocodoria chorou mesmo de emoção foi quando Neymar fez uma cirurgia de alongamento de pica numa clínica de Paris.

O rego da bunda do vachinador ficou mais apertadinho ainda dentro da calça elástica.

Foram tantas lágrimas de alegria que o piso chega ficou alagado.

10 pensou em “LÁGRIMAS DE CROCODORIA

  1. Bertolini, a foto é fake. O Neymar não foi vacinado ante a faixa com os dizeres Vacina do Brasil. Aliás nem sei se o Neymar foi vacinado nos últimos anos.

    Te manca no que publicas. Tens a responsabilidade de ser O editor. Pode ser até favorável a este ou aquele, mas nunca repercutir fake news. Sei que não perdes o respeito dos cachorrinhos, mas, o tempo é senhor da verdade

    Você olhou bem a foto ou foi direto na ânsia de sacanear o Dória? Ah-ha, agora peguei o feladaputa! Cacildis!!!

    • Não foi esse o sentido que você dao post. Leia o que você escreveu. Mantenho tudo o que disse. Olha o que publicas ANTES de publicar.

      Quanto a torrar o saco, é interessante. Há tempo em que eu venho frequentando esta gazeta, e só ví você sair do pedestral parra me criticar. Não é o caso dos colegas Altamir (o da boina) e do Goiano, muito bem tolerados, mesmo quando criticam o Tosco. Aliás, sem partidarismos, gosto muito deles.

      O problema é só comigo? Tás perdendo tempo, melhor me bloquear como fez com o meu e-mail verdadeiro (O John).

      Senão vou continuar exercendo meu direito de criticar. Afinal esta gazeta não é só para assinantes, é aberta a todos. Mas você pode mudar a qualquer tempo. JBF apenas para assinantes.

      Mas, leia o que escreve ANTES de publicar. Vale a pena ser isento neste país.

      • PQP!!!

        “MAS seria injusto de minha parte esquecer de mencionar centenas de OUTRAS VIRTUDES que encontramos em nosso editor-chefe, como, por exemplo, ter deixado os senhores TEREM VOZ aqui no JBF” (SANCHO PANÇA).

        Até esse tal de Francisco ou Chiquitito ou Pajé ou John Doe – ou sei lá se essa Madalena Arrependida é homem ou mulher ou indeciso ou sou-não-sou – que se atreveu (olhem a prepotência do/da medíocre!!!) a ofender o Dom Berto – dono deste espaço, prá lá de democrático e sem nenhuma censura, questionando absurdos sobre sobre um suposto mau comportamento para com ele/ela, exigindo-lhe – ora vejam só a petulância e audácia do/da “bofe”!!! – desculpas e outras idiotices pois – segundo o donzelo/a donzela – teve os direitos(?) e a sensibilidade (da melindrosa cútis imaculada do dito/da dita) ferida.

        Aliás, eu não sei até quando esta figurinha grotesca vai envergonhar a cidade dele, a bela cidade de Bagé, que o viu ser mal parido ou – é bem provável – sair espremido como um furúnculo.

        Esse/essa típico/a guri/guria mimado/a e cagado/a, ainda, se esconde atrás de uma identificação fictícia ou não – ou será um pseudônimo??? – em vez do nome verdadeiro (e inteiro) dele/dela.

        Deve ser porque – se o fizer – algum conterrâneo dele/dela vai identificá-lo/la e, merecidamente, vai lhe aplicar uma sova/sumanta/coça bem dada de trançado de 8, para que pare de envergonhar os/as bageenses.

        Esse projeto (mal acabado) de gente, consciente ou inconscientemente, tenta ser o alter ego do Goiano, o qual, apesar de suas canhotices, é alguém inteligente, isto é, bem ao contrário dessa citada Madalena Arrependida, que só fica papagaiando suas opiniões sem quaisquer fundamentos ou veracidades, só para demonstrar sua fixação (que nem Freud explica) enfermiça e diuturna no Bolsonaro.

        E ainda se diz engenheiro, só que seja de alguma faculdade(?) dessas que pagou, ganha o diploma.

        Um engenheiro – conditio sine qua non – somente lida com dados os mais verdadeiros e reais possíveis.

        Se esse/essa “engenheiro/engenheira”, assim como qualquer um(a que – de fato – quiser inteirar-se do que o governo federal e seus ministérios estão, realmente, fazendo, basta entrar no portal da SECOM FEDERAL (secretaria de comunicação) onde está, transparente e diuturnamente, todas as realizações (presentes, passadas e futuras) da e na área federal, desde o primeiro dia do governo Bolsonaro.

        É facílimo de pesquisar, seja por datas, seja por assuntos, desde a presidência até os setores mais inferiores da administração federal.

        Só então – e aí sim – emitir uma opinião fundamentada a favor ou contra.

        Porém é capaz que uma mediocridade, uma nulidade desse tal de Francisco (ou Chiquitito ou Pajé ou John Doe – ou sei lá se essa Madalena Arrependida é homem ou mulher ou indeciso ou sou-não-sou) vai fazer isso e perder a chance do seu segundinho de meteórica, irrisória, inútil e risível tentativa de ínfima fama?

        E, ainda, para alimentar o seu doentio masoquismo e posterior mimimismo, fica a repetir – ad nauseam – as mesmas incongruências e calhordices, enchendo tanto o saco dos fubânicos, que ele/ela faz com que muitos percam a paciência e passem do sorriso piedoso à agressão verbal.

        Porra, que sujeito/sujeita mais escroto/a, pois – consciente de sua nulidade explícita – continua, histérica e desesperadamente, a fazer de tudo para ver se chama a atenção de algum(a igual a ele/ela!!!

        Ainda bem que o Polidoro está – de plantão e com sua pajaraca em riste – pronto e esperando ser chamado para rebentar com as pregas anais dos canhotos (em geral e enrustidos), mais as dos isentões, das Madalenas Arrependidas e similares.

    • O cara não tem a menor noção do que é ironia.

      Ou é doente, ou mal intencionado.

      Até minha netinha pequena riu do meme com o Neymar

  2. Desta vez você foi longe demais, Berto.

    Você não pode reclamar que teve o saco torrado, pois foi você que inventou de torrar neurônios, ora!

    Não se pode assim, deliberadamente, fazer uso de figuras de linguagem, nem tampouco lançar mão de ironia pois, nem sempre o cidadão está preparado pra isso.
    Se a ironia é uma maneira sutil de se levar uma mensagem e, de certa forma, exige uma boa dose de raciocínio rápido, alguém pode se complicar pelo caminho. Entender uma figura de retórica ou expressão literária por trás naquela mensagem, pode ir além do meu baldo tirocínio. Só depois de algum tempo é que cai a ficha.
    Entenda! Se o sujeito lança mão de uma forma de mensagem irônica (literária ou uma figura de retórica) pra dizer ao contrário daquilo que se quer expressar, nem todos irão alcançar.
    Na ironia se sobressai a destreza de galhofar de alguém ou de algo, no intuito de provocar uma reação do leitor, ouvinte ou interlocutor. Pensa que é fácil?

    A continuar assim, na base de ironia, o JBF vai acabar sendo tachado de ser uma gazeta opressora e retrógada.

    Eita! Acabei fazendo uma ironia.

  3. Pingback: UM CHOROSO ABAITOLADO BANÂNICO | JORNAL DA BESTA FUBANA

  4. Desculpem a demora em responder, tive que it tomar a vacina contra a raiva e a fila estava grande. RsRsRs

    ISSO É QUE É IRONIA.

    O Post continha uma foto montada e um texto extremamente agressivo. Não era irônico.

    Porisso mantenho tudo o que eu disse.

    Agora, passando a responder aos idiotas acima, tenho a dizer: sou engenheiro pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre e Doutor (posso mandar a foto dos diplomas). Tenho um curriculum internacional com mais de 30 artigos publicados nacional e internacionalmente. Já tive no passado oportunidade de conhecer a bela Recife em seminários nacionais e em reuniões nas quais fui coordenador, nacional e sul amerocano.Acho que chega

    Sou o Francisco, persona do John Doe, bloqueado pelo Berto sem nenhuma explicação. Não tenho nada a ver com os outros.

    Agora, vocês podem ser grossos e idiotas como o Tosconaro, não me importo, mas um editor tem direitos e deveres. Em que pese as qualidades do Berto (que não nego) ele tem que ser isento como editor, a menos que acolha somente nesta gazeta assinantes cadastrados. Já sugerí isto para ele.

    E ele pode bloquear o Francisco na hora que quiser, afinal seria o mesmo cerceamento da liberdade de expressão que foi reclamado aqui quando o Face e o Twitter fizeram com o Trump.

    Por fim, quanto às palavras de baixo calão com que os três me brindaram, peço que as retransmitam aos seus progenitores, caso possam descobrir quem são.

    PS: Jão Chiquinho, você não toma jeito, mesmo, gosta de ser mijado

    • O Francisco ou Chiquitito ou Pajé ou John Doe – ou sei lá se essa Madalena Arrependida é homem ou mulher ou indeciso ou sou-não-sou – ainda anda por aqui, invariavelmente só enchendo o saco, à procura histérica de chamar a atenção para sua autodemonstrada mediocridade permanente.

      Esse inútil – pois não contribui para nada – faz de tudo para provocar, desesperadamente, respostas que possam justificar o seu mimimismo inconsolável – tal e qual o de um retardado/a mimado/a pela mamãe – e, também, principalmente, para alimentar o seu masoquismo doriano incurável.

      Quer sofrer, oh sofrenildo autopenitente, te abraça bem em um pé de cactus, ou, como se chama por aqui, um pé de tuna!!!

      Se não encontrar um, martela e enche uma tábua com pregos salientes, te senta em cima e fica rebolando a tua bunda!!!

Deixe uma resposta